O silêncio dos neoliberais

O debate sobre a mudança da arquitetura do sistema financeiro dos Estados Unidos implica  aumentar a regulação e o controle sobre a anarquia do mercado, responsável pela grave crise em que se arrasta aquele país. Por isso, esta coluna volta a estranhar o silêncio dos neoliberais tupiniquins, ardorosos defensores da ausência de controle estatal, do aumento dos juros e dos cortes dos gastos públicos não-produtivos. Ou seja, justamente o oposto do que planejam o Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) e o Tesouro estadunidense.

Unilateral
Está em marcha uma significativa quebra de contrato, aprovada pela Anatel. Mas o mercados não estão em polvorosa, cuspindo marimbondos e anunciando que isso reduzirá os investimentos estrangeiros no Brasil. Por uma simples razão: a quebra de contrato, tabu neoliberal, vai beneficiar as empresas de telecomunicações. A Anatel permitiu que abandonem a instalação de orelhões e, em contrapartida, levem redes de dados de banda larga a todos os municípios do país. Em outras palavras, troquem custos por perspectiva de receita, já que é justamente na transmissão de dados que se concentra o aumento da receita das teles fixas em outros países.

Século passado
Interessante é que o mesmo argumento utilizado pela Anatel para aprovar a quebra de contrato – o avanço tecnológico – é utilizado por outra agência, a de Saúde (ANS), para incluir novos procedimentos e tratamentos entre as obrigações das empresas que oferecem planos de saúde. E o resultado, nesse caso, é inverso: as companhias se queixam da quebra de contrato e não aceitam o argumento de que, em uma década, não só os tratamento mudaram, como novas doenças foram descobertas – assim como outras deixaram de ser preocupação.

Rasgando a fantasia
Política motivacional não é sinônimo de carnavalização do trabalho. Esse parece ser o entendimento da Justiça do Trabalho, que já condenou em várias instâncias, incluindo o Tribunal Superior do Trabalho (TST), a Oi a pagar indenização por dano moral de R$ 4 mil a uma supervisora terceirizada, que acusa a empresa de tê-la obrigada a vestir-se de palhaço, caipira, bruxa e baiana para incentivar seus subordinados a cumprirem as metas da empresa. A TNL Contax, prestadora de serviços da Oi, recorreu ao TST, que entendeu, porém, que para a decisão ser modificada, seria necessário o reexame de fatos e provas, hipótese vedada pela Súmula 126 do tribunal.

Outra mídia
Na próxima sexta-feira, o Fórum Mídia Livre – do qual participam jornalistas, professores universitários e veículos de comunicação de várias regiões do Brasil não-alinhados com o pensamento único da imprensa – reúne-se, na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), na Rua Araújo Porto Alegre, 71, no Centro do Rio. O encontro é preparatório do I Fórum Mídia Livre, que ocorrerá no Rio de Janeiro, em maio. Até agora, o movimento já realizou reuniões em São Paulo e Rio Grande do Sul, tendo agendados ainda eventos, em abril, em Pará, Ceará, Pernambuco, Sergipe e Bahia. O MM, através desta coluna, integra o fórum.

E o mérito?
Diferentemente do dito pelo líder do DEM no Senado, Agripino Maia, o interesse maior do país não é saber ou não o autor do documento com informações fragmentadas sobre o Governo FH. O interesse e o direito do país são conhecer todas informações pertinentes sobre os gastos dos governos FH e Lula. Menos que isso é continuar a submeter o Brasil à lógica da briga política entre os siameses PT/PSDB.

Paris não é uma festa
Uma pequena amostra de informação relevante e que não consta nas informações publicadas sobre gastos da era FH: em sua primeira viagem a Paris como presidente da República, o tucano levou em sua comitiva dois de seus netos. A não ser que os garotos fizessem parte de alguma investida diplomática em relação à Euro Disney ou que tenham tido a viagem bancada pelos parentes, tem-se aí um clássico exemplo de confusão entre público e privado, equivalente por seu valor emblemático ao uso de cartões corporativos para compra privada de ministro em free shopping.

Marcos de Oliveira e Sérgio Souto

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTemporários
Próximo artigoCesta básica

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Condomínios do Rio podem exigir comprovante de vacinação

É recomendado que tal exigência seja aprovada em assembleia por maioria dos presentes

Agronegócio brasileiro ainda está amadurecendo tecnologicamente

Por Regina Teixeira – Especial para o Monitor Mercantil

Livro traz bastidores de aquisições de startups por grandes empresas

Livro: 'Saída de Mestre: estratégias para compra e venda de uma startup'

Plano de assinatura garante um smartphone novo todo ano

A parceria une o propósito da Samsung de trazer inovação a cada lançamento - desta vez oferecendo sua terceira geração de smartphones - e...

WhatsApp testa funcionalidade de indicação de negócios em SP

Por enquanto só São Paulo terá esse recurso