30.7 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 24, 2021

Oásis na economia financeira mundial

Quem desembarca no recém-ampliado e modernizado aeroporto de Dunhuang, província de Gansu, noroeste da China, nota uma estrutura preparada para receber o crescente fluxo de turistas e muito mais. As amplas estradas que ligam o aeroporto à cidade de pouco menos de 200 mil habitantes mostram uma capacidade muito superior ao movimento atual. Às margens das amplas avenidas, o deserto é pacientemente domado: pequenos lotes de terrenos vão sendo cercados com árvores para barrar o vento e a areia, e no interior nasce o verde, inclusive muitas flores. A história de Dunhuang remonta a cerca de 2000 a.C. Seu passado está ligado à Rota da Seda, fantástico fluxo comercial e cultural que ligava Ásia à Europa. O oásis fica na confluência dos dois principais caminhos que vinham do Oeste, atravessando o deserto de Taklamakan, na ponta ocidental de outro deserto, o de Gobi. Era a primeira cidade da China a receber os viajantes. O seu futuro está ligado à proposta chinesa para reativar a economia mundial, a iniciativa Cinturão e Rota, ou a nova Rota da Seda.

Dunhuang recebeu na semana passada o Fórum de Cooperação dos Meios de Comunicação Um Cinturão e Uma Rota 2017. Organizado pelo Diário do Povo, pelo Comitê Provincial do PCCh em Gansu e pelo governo provincial de Gansu, o fórum contou com a participação de cerca de 300 representantes de 265 meios de comunicação, provenientes de 126 países e organizações internacionais. Da língua portuguesa estiveram presentes a Agência Lusa (Portugal), o Portal Vermelho (Brasil), a Radiotelevisão Caboverdiana, o jornal angolano O País e o moçambicano Jornal Notícias. Este colunista representou o MONITOR MERCANTIL.

A iniciativa Cinturão e Rota foi proposta pela China em 2013. Quatro anos depois, mostra sinais concretos. Segundo dados do Ministério do Comércio da China, entre janeiro e março deste ano, as empresas chinesas investiram US$ 2,95 bilhões nos 43 países ao longo do Cinturão e Rota. Desde 2013, a China investiu mais de US$ 50 bilhões nestes países. É o eixo central sob o qual se apoiará a China para a promoção do seu desenvolvimento e a intensificação de suas relações e interações com os outros países, visando a estimular a economia global, que sofre uma acentuada desaceleração desde a crise financeira de 2008. É a alternativa apresentada para estimular a economia real e deixar para trás a preponderância do jogo financeiro internacional.

Em palestra no Fórum, Zheng Bijian, ideólogo do projeto de ascensão pacífica da China a grande potência mundial, apresentou a iniciativa como um momento de virada. Aos 85 anos, o conselheiro dos líderes do PC chinês ressaltou que o conceito é a cooperação para alcançar a nova globalização – que não se confunde com a liberalização dos fluxos financeiros e restrição do poder dos Estados, bases da globalização anglo-saxã que levou o mundo a sucessivas crises e a um beco – para o qual a China propõe uma saída.

 

Lotado

Um leitor que participou de seminário sobre oportunidades de investimento em Rondônia, semana passada, comentou que ele era praticamente o único brasileiro no hotel em que se hospedou. Os quartos estavam ocupados pelos chineses, que foram em massa a Porto Velho interessados na soja, do transporte às infraestruturas adjacentes.

 

Turismo

A cidade do Rio de Janeiro festeja o Dia Mundial do Turismo, nesta quarta, com a entrega do Prêmio de Qualidade no Turismo Yedda Maria Teixeira. Serão homenageados Cristina Braga, Adriana Alves, Christiano Ramalho, Gercili Feitosa, Philippe Seigle, Liliana Rodriguez, Cristina Aboim, Sergio Duarte, Noemia Ribeiro, Rogerio Van Rybroek e Ivanete de Oliveira.

O evento é uma promoção da Associação dos Embaixadores de Turismo do RJ e do Portal Consultoria em Turismo, com o apoio da Fundação Cesgranrio e da Sergio Castro Imóveis, com a coordenação de Gustavo Delesderrier. A entrega será no hotel Copacabana Praia.

 

Rápidas

O dublê de candidato e prefeito João Doria Jr. se reunirá dia 4 com empresários franceses e brasileiros para debater os desafios e as oportunidades de novos negócios para a retomada do crescimento. O encontro acontece na Maison Saint-Gobain (Rua Ibiapinópolis, 664, Jardim Paulistano, São Paulo) *** Nesta quarta, a partir das 10h, a ONG Instituto Fundo Devido ao Trabalhador vai distribuir 2 mil livros sobre o Fundo de Garantia no Largo da Carioca *** Marcus Harwardt, após gerenciar por mais de dois anos a filial de São Paulo, assume a diretoria nacional de Marketing e Vendas da operadora logística Panalpina Brasil.

Artigo anteriorPede pra sair
Próximo artigoA Rota passa pelo Brasil
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Incerteza da população ou dos mercados?

EUA e Reino Unido espalham suas expectativas para os demais países.

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.