30.1 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

O tempo passa

Em novembro de 2002, matéria de capa da IstoÉ Dinheiro exaltava a 14a colocação obtida pelo Banco Santos no ranking dos melhores bancos da América Latina, à frente de instituições com Bradesco e Safra. Dois anos depois, o Banco Central interveio no Santos, que teve a falência decretada um ano depois. A IstoÉ não embarcou nessa sozinha: o ranking fora elaborado pela revista AméricaEconomia.

Encruzilhada tucana
Comete grave erro político o tucano José Serra ao agarrar-se à tentativa de quebra de sigilo fiscal de tucanos como última cartada para evitar o segundo turno contra a petista Dilma Housseff. Ao optar por uma campanha monotemática em torno de assunto irrelevante para a esmagadora maioria do eleitorado, ainda que replicada pela imprensa alinhada, o tucano corre o risco de mais despertar a curiosidade dos brasileiros sobre as declarações dos alvos de investigações clandestinas do que em sensibilizar a compaixão dos eleitores pelo personagem do pai zeloso.
Ao imaginar que repetirá o feito de Geraldo Alckmin, que conseguiu ir ao segundo turno, em 2006, pouco depois da divulgação de que o PT preparava dossiê contra Serra, então candidato ao governo estadual de São Paulo, o PSDB hipervaloriza um episódio isolado. Esquece-se que, à época, o presidente Lula, no bojo de uma campanha despolitizada e desmobilizadora, passou para a população a imagem de arrogância ao recusar-se a participar do último debate do primeiro turno na TV Globo.
No segundo turno, a votação recebida pela então senadora Heloísa Helena (PSOL-AL) no primeiro turno, em particular no Rio de Janeiro, onde amealhou 17% dos votos válidos, empurrou a campanha de Lula para a esquerda. Esse movimento foi marcado por ataques às privatizações tucanas, empurrando Alckmin para o desconfortável papel de defender o indefensável, o que resultou na humilhante situação de ter menos votos no segundo do que no primeiro turno.
Depois de duas eleições após deixarem a Presidência da República, restam aos tucanos duas alternativas: defenderem abertamente o impopular legado de FH e seu aprofundamento ou, numa autocrítica profunda, incorporarem-se ao debate por um projeto de desenvolvimento nacional. Fora disso, o que sobra são simulacros, tenham a forma de adesivos de Petrobras e Banco do Brasil no terno de Alckmin, ou de imagens de Lula no horário eleitoral de Serra, enquanto este mantém FH na clandestinidade.  

Marcha cívica
No dia em que o Brasil completa mais um aniversário da sua independência política, os recorrentes e hidrófobos ataques à Petrobras – principal empresa do país – reafirmam que a luta pela independência plena demanda uma ampla e permanente mobilização dos brasileiros em torno dos interesses nacionais. Necessidade que ganha relevância quando o país enfrenta mais uma campanha eleitoral marcada pela pasteurização servida por marqueteiros a políticos com forte déficit de idéias estratégicas.

Artigo anteriorPetrobras volta a acelerar
Próximo artigoO poder é caro
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.