Objetos de arte e muito mais

Leilão e Cia / 13:47 - 9 de jan de 2008

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Já foi dada a partida nas vendas por lances de obras de arte, objetos antigos e coisas que são para uso cotidiano e enriquecem a decoração de qualquer ambiente, como móveis, tapetes, porcelanas, relógios e lustres, por exemplo. Saiu na frente a Gioconda, com seu 124º leilão na casa da Rua Esteves Júnior, 37, em Laranjeiras, onde Raul Barbosa voltará a bater o martelo nos dias 21 e 22, a partir das 20h30, depois da exposição das peças nos dias 19 e 20, das 15h às 22h. Antes porém, nos dias 14 e 15 deste janeiro, a Alphaville realizará seu primeiro pregão de mercadorias variadas do ano no seu endereço da Rua Pinheiro Machado, 25, também em Laranjeiras. Serão colocadas à venda, pela leiloeira Cristina Goston, pinturas de Jenner Augusto, Samy Mattar, Sylvio Pinto, Rosina Becker do Valle, E.P. Sigaud, Haidéa e Manoel Santiago, entre outros artistas. Visitação franqueada nos dias 12 e 13, das 15h00 às 22 horas e vale destacar, desse conjunto de ocasião: uma cômoda bombée francesa com trabalhos em marquiterie; caixa porta-jóias de prata portuguesa, contraste Águia, com concheados em relevo e camafeu central com figura de dama, e um aparelho de jantar Limoges, total de 225 peças, do século XIX . Lances devem começar às 20h30. Depois do Carnaval, ainda em fevereiro, duas apregoações programadas: uma de Valdir Teixeira, reabrindo a casa da Sacopã, 8, na Fonte da Saudade e outra de Roberto Haddad, na Rua Pompeu Loureiro, 27, em Copacabana, ambas com acervo variado, incluindo obras de arte antigas, modernas e contemporâneas. Tanto Teixeira quanto Haddad ainda estão recebendo peças. Informações pelos telefones (21) 2537-4040 e (21) 2548-7141, respectivamente Recordar é bom As décadas de 70/80 foram de enorme movimentação no mercado de arte do Rio de Janeiro e São Paulo e pelo que se sabia, também em outras capitais brasileiras os negócios realizados nessa área eram de bom para melhor, notadamente em Salvador, no Recife e em Porto Alegre. No Rio, além dos grandes e luxuosos leilões, que lançavam no mercado fabulosas peças de ricos espólios, aconteciam exposições de acervos importantes de antiquários, que atraiam não só colecionadores nacionais, mas também comerciantes estrangeiros, que levavam de volta para a Europa os quadros, esculturas, cristais, pratas, porcelanas, jóias e outros tesouros que vieram de lá em tempos mais favoráveis. E para mostrar que o mercado de arte (e de muitas outras coisas também, como livros raros e curiosidades) não ficava restrito a uma elite, havia a feira dos sábados ao lado do Restaurante Albamar, que nasceu sob a proteção de Marcos Tamoio, prefeito da cidade e ele próprio um comprador de leilões e de antiquários. Comparada à feiras famosas do exterior, como a chamada "Da Ladra", de Lisboa e as de Londres e Buenos Aires, a Feira da Praça XV (na verdade, Praça Marechal Âncora) era constantemente visitada por turistas de todas as partes do mundo. E não só: grandes e pequenos mercadores de arte dos outros Estados vinham refazer seus estoques nas elegantes barracas que desapareceram com as obras que o progresso promoveu por ali. Novo Mundo, mostra nova O ano mudou e a Galeria Novo Mundo também trocou de quadros em suas paredes, que exibem agora - e até o dia 28 de fevereiro -, trabalhos das artistas plásticas Vilce Goursand e Vania Pimentel Mendonça , apresentadas pela Associação Cultural Buriti. A natureza, com sua diversidade, é a principal temática da pintura de Vilce, que tem no currículo a participação em diversos Salões, conquistando premiações, e exposições individuais no Clube Militar, no Hotel Meridien e no Clube Caiçaras. A mineira Vania iniciou sua carreira em 1975, orientada pela professora , também artista, Marina Pinto, mas desde 2003 está recebendo supervisão artística de Fátima Gomes, filha do paisagista Carlos Gomes, que teve muitas de suas pinturas vendidas em leilões anos atrás. Vania Pimentel Mendonça também conta com um currículo expressivo, onde estão relacionados os prêmios que recebeu participando de exposições coletivas no Rio de Janeiro e em Minas Gerais. A galeria fica no tradicional hotel do mesmo nome, situado na Praia do Flamengo, 20, esquina com a Rua Silveira Martins. Ledy Gonzalez

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor