Oceanos mais quentes e modo de vida sustentável

72
calotas polares derretem com oceanos mais quentes

Assim como em 2022, também em 2023, testemunhamos eventos climáticos extremos em diferentes regiões do planeta, como, por exemplo, fortes chuvas, enchentes e altas temperaturas no verão do hemisfério norte.

O ambiente marinho não escapa ao aquecimento global, e os oceanos registram novamente temperaturas mais altas, batendo novo recorde desde o início das medições em 1958.

Os mares e oceanos cobrem 70% da superfície do planeta, e suas riquezas e potencialidades em benefício da regulação do clima, como a absorção de gases do efeito estufa e a proteção costeira contra os efeitos de eventos extremos, são pouco conhecidas. Existe grande quantidade de pessoas vivendo nas zonas costeiras, inclusive dependendo delas para retirar o seu sustento e desenvolver importantes atividades econômicas. Essas comunidades, em especial, já sofrem grandes prejuízos pelo aumento da temperatura dos oceanos e pela perda da biodiversidade.

Oceanos mais quentes afetam a vida marinha e, também, a vida humana, decorrente do abalo nas complexas relações químicas entre os oceanos e a atmosfera terrestre.

Espaço Publicitáriocnseg

A Convenção das Nações Unidas para o Direito do Mar (CNUDM) de 1982 foi ratificada pelo Brasil em 1988. A Lei 8617 de 1993 definiu os limites do mar territorial sob jurisdição nacional estabelecidos pela convenção.

O enfrentamento da degradação dos ecossistemas marinhos decorrente das mudanças climáticas e outras atividades insustentáveis, como a pesca predatória, a exploração de petróleo e gás nos oceanos, o crescimento das populações costeiras e a introdução de espécies invasoras, depende de sério planejamento e gestão por parte dos governantes, da sociedade civil e científica, na definição dos usos das zonas e ecossistemas costeiros. No Brasil, o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro (PNGC) é regulado pela Lei n. 7.661 de 1988, e alguns Estados possuem seus planos estaduais de gerenciamento (v. Lei 10.019/1998 do Estado de São Paulo).

Apesar do panorama normativo, continua o processo de aquecimento dos mares e oceanos, o que vem preocupando a todos. Estamos na Década das Nações Unidas da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável (Década dos Oceanos 2021-2030).

Isso significa assegurar que a ciência possa apoiar ações para a gestão sustentável dos oceanos e cumprir as bases do Desenvolvimento Sustentável previsto no Acordo de Paris para 2030.

Entre os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável com os quais nos comprometemos, encontra-se a proteção da vida marinha (ODS 14), que prevê a redução da poluição marinha e da acidificação, a proteção dos ecossistemas, o fim da pesca ilegal e da sobrepesca, e o aumento de investimentos em conhecimento científico e tecnologia marinha.

Em resumo, mares e oceanos saudáveis dependem, essencialmente, de um modo de vida sustentável.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui