Ocupado

As manifestações que se espalham pelos Estados Unidos estão escancarando o caráter pouco democrático do país “exportador de democracia”. Em Atlanta, Geórgia, a polícia prendeu 53 pessoas que protestavam em um parque no Centro da cidade. Em Oakland, Califórnia, a força policial entrou em confronto com manifestantes, terça-feira, quando mais de mil pessoas protestavam contra prisões de manifestantes que incorporaram o movimento Ocupem Wall Street.
Os prefeitos recorrem a normas locais, alegam garantir a segurança contra incêndios ou outras medidas antipovo, mas não conseguem evitar que o movimento se espalhe e ganhe cores locais, como o Ocupem Atlanta. Agora só falta começarem a exportar democracia para os Estados Unidos.

Rotos&esfarrapados
A ausência de unidade na cúpula da União Européia (UE) não se limitou à falta de propostas efetivas para enfrentar a crise em que se chafurda o continente. A reunião também serviu para troca de farpas entre seus integrantes. Poucos dias após dizer ao primeiro-ministro da Inglaterra, David Cameron, “estar farto” das opinião dos não integrantes da Zona do Euro, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, ironizou a  bolha  espanhola. Ele disse que a Espanha foi elogiada pelo “milagre econômico”, devido ao forte  crescimento nos  anos de boom imobiliário, porém, agora, ninguém deseja estar na sua situação: “Durante décadas, agiram como se pudessem se isentar das regras do senso comum, e os países que não despertaram a tempo são países que, agora, não podem afrontar a situação”, disse em discurso, no Sul da França.

“Muy” amigo
Diante da repercussão da afirmação, o Sarkozy mandou dizer através do seu porta-voz, que o discurso não “fora depreciativo”. Imagine quando o presidente francês, também às voltas com o declínio de seu país, resolver criticar os sócios do bloco.

Estranho na maca
Premiar pessoas e instituições que contribuíram decisivamente para a elevação da qualidade, abrangência e eficácia do sistema de assistência médica na capital fluminense. Esse é o objetivo da primeira edição do Prêmio Barão de Mauá – Gestão em Saúde, realização da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ). Diante disto, é estranho que entre os premiados apareça Hans Dohmann, secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro. O caos na Saúde não pode ser debitado apenas na conta do governo estadual; no município, a falência do sistema público judia da população que dele precisa.
Os demais premiados são o Centro de Transplante de Medula Óssea do Inca (representado por Luiz Antônio Santini, presidente do Inca); Edson de Godoy Bueno, presidente da Amil; e Bradesco Saúde (representada pelo presidente Marcio Serôa de Araújo Coriolano). A cerimônia de premiação será na noite desta quinta-feira, no Windsor Atlântica Hotel.

Flúor imperialista
Ao criticar a concentração do poder econômico mundial nas mãos de 147 empresas, de acordo com pesquisa de um instituto suíço, o economista Adriano Benayon, da Universidade de Brasília (UnB) opinou que a tendência do mundo é consolidar uma sociedade de controle, a partir de uma conspiração anglo-americana. “Faz parte dessa conspiração o processo de destruição dos valores culturais para tornar as pessoas passivas”. Além das drogas e da destruição da música, Benayon cita também o uso do flúor na água, entre outras iniciativas. Segundo ele, o flúor foi usado na Irlanda e na Alemanha nazista para deixar as pessoas “mais escravizáveis”.

Corrupção sistêmica
Benayon acusa também os conspiradores anglo-americanos de criar bactérias em laboratórios para favorecer a indústria farmacêutica e turbinar as vendas de vacinas. “Tudo isso faz parte da corrupção sistêmica. Não adianta atuar contra ela no varejo”, diz.

Juros transnacionais
Presidente mundial do grupo Renault/Nissan, nascido no Brasil, naturalizado francês, morando há muitos anos na Europa, Carlos Ghosn volta às raízes na hora de investir seu dinheiro. Aplica em renda fixa – e pequena parte em ações – no Brasil.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAntes e depois
Próximo artigo“Nova” Líbia

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Receita: brasileiros movimentaram R$ 127 bi em criptomoedas em 2020

O subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Jonathan de Oliveira, disse, nesta quarta-feira em audiência na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara...

Elevar Selic para 7,75% será eficaz no combate à inflação?

Analistas prevêem taxa de 11% em maio de 2022.

Carteira da massa falida do Banco Cruzeiro do Sul

Por Antonio Pietrobelli.

Vencimento de título corrigido pela Selic puxa queda da Dívida Pública

O vencimento de mais de R$ 200 bilhões em títulos públicos vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia) fez a Dívida Pública Federal...

Quase 80% pretendem fazer compras no período da Black Friday

Varejo eletrônico gasta mais com publicidade para a data do que para o Natal.