25.6 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, janeiro 22, 2021

Ocupem o BC

Sucesso de público e fracasso na mídia tradicional, que boicotou o movimento durante quase três semanas, o Ocupe Wall Street vai chegar ao Brasil. Terça-feira, primeiro dia da próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, os Sindicatos dos Metalúrgicos do ABC e de São Paulo, com apoio de economistas, lideranças populares e entidades da indústria, lançam o manifesto Ocupe o Copom: Wall Street é aqui. “O Brasil é um caso único na história econômica de prática de juros reais de dois dígitos por 16 anos seguidos, de 1991 a 2006”, destaca o documento.

Luxo improdutivo
Os integrantes da versão brasileira do OWS criticam o BC, por, no fim de 2008, na contramão do mundo, manter a taxa básica de juros (Selic) em 13,75% ao ano: “O BC só foi reduzir a taxa em janeiro, quatro meses depois da crise se abater sobre o mundo trazendo uma contração na produção industrial brasileira de mais de 20%. Um país como o Brasil, com urgente necessidade de crescer e se desenvolver, não pode se dar ao luxo de transferir enormes volumes de capital na forma de renda improdutiva.”

Antecedentes
Ainda em setembro, no artigo “Para quem cara pálida?”, Osvaldo Nobre alertava: “Não há como descartar-se a possibilidade de graves problemas civis nos EUA.”
A mídia amestrada ficou surda aos alertas porque quis.

Goleada
O pequeno BMG é grande dentro das quatro linhas: sozinho, é responsável por quase 50% dos empréstimos bancários aos principais clubes do país (ficaram de fora do levantamento, feito pelo banco Itaú, Flamengo, Botafogo e Atlético Mineiro). O BMG tinha a receber, ao fim de 2010, R$ 108,9 milhões, do total de R$ 248,5 milhões que os clubes deviam. O Bradesco limitava-se a R$ 22,7 milhões, importância similar à do Itaú (R$ 21,3 milhões). O banco mineiro responde por 80% do débito com instituições financeiras do Vasco, e 70% do Corinthians.
Uma das explicações, mas talvez não a principal, pode ser a de que bancos de primeira linha exigem mais garantias.

BH é bom negócio
Segundo estudo da Fundação Getúlio Vargas, 66% dos brasileiros e 83% dos estrangeiros usam hotéis para se hospedar. Ainda segundo a pesquisa, uma em cada três pessoas que visitam Belo Horizonte pela primeira vez viaja para participar de algum evento ligado a negócios. Os principais espaços para congressos e feiras da cidade, como Expominas e Minascentro,  têm taxa de ocupação média de 80%, chegando a 100% em alguns meses.

Gol do turismo
De acordo com o setor hoteleiro, cada quarto de hotel construído gera, em média, quatro empregos diretos. Isso significaria que, até a Copa em 2014, o segmento geraria cerca de 60 mil empregos apenas em Minas Gerais. A cadeia produtiva envolve setores, como têxtil, moveleiro, tecnologia da informação, telefonia, jardinagem e tradução, além do impacto sobre o comércio local: “É o poder da indústria do turismo e lazer. Depois da Copa de 2010, o número de turistas na África aumentou 25%. Minas tem potencial para ultrapassar esse patamar”, prevê o secretário estadual Extraordinário da Copa do Mundo de Minas, Sergio Barroso.

Fruto de ouro
Tomates sem resíduos de agrotóxicos é o que promete a Embrapa Solos com o Tomatec, que será apresentada em São Sebastião do Alto (a 84 quilômetros de Nova Friburgo, RJ), na próximo terça-feira, às 10h. A tecnologia se baseia no uso da fertirrigação, tutoramento vertical, plantio direto, manejo integrado de pragas e ensacamento das pencas para a produção do fruto sem defensivos agrícolas.

Livros em dia
Inscrições abertas para a 55ª Convenção dos Contabilistas do Estado do Rio de Janeiro, organizada pelo CRC-RJ. O tema será “A Contabilidade Brasileira no Novo Contexto Mundial”. A convenção ocorre de 27 e 29 de outubro, no Centro de Convenções SulAmérica, junto com o VI Fórum da Mulher Contabilista. Detalhes em www.crc.org.br/55-concerj/index.html.

Procura e oferta
Apesar da crise, é crescente a dificuldade de se encontrar imóveis em Paris. Os preços também voltaram aos tempos da bolha imobiliária.

Artigo anteriorNecrofilia
Próximo artigoSem esfolar
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.

EUA: expectativa por novos estímulos fiscais traz bom humor

Futuros dos índices de NY estão subindo, mesmo após terem atingidos novos recordes históricos no fechamento do pregão anterior.

Ajustando as expectativas

Bovespa andou na quarta-feira na contramão dos principais mercados da Europa e também dos EUA.

Sudeste produz 87,5% dos cafés do Brasil em 2020

Com mais de 55 milhões de sacas a região é a principal responsável pela maior safra brasileira da história.

Exportação de cachaça para mercado europeu cresceu em 2020

Investimentos será de R$ 3,4 milhões em promoção; no Brasil, já cerveja deve ficar entre 10 e 15% mais cara em 2021.