ODS

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: vantagens e algumas considerações.

Há 10 anos, o Brasil (ainda) não era visto como pária do meio ambiente (deu na Coluna Empresa-Cidadã de 28 de dezembro de 2012)

– No final de 2011, foi apresentado o Documento de Contribuição Brasileira à Conferência RIO+20. O documento, elaborado pelos ministérios do Meio Ambiente e das Relações Exteriores, foi submetido a consulta pública e recebeu contribuições de outros ministérios. Apresentava oito propostas básicas, uma das quais consiste no estabelecimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

– Os ODS, segundo o documento, seriam orientadores em um conjunto de temas, como foi feito com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM). Compreenderiam áreas em que haja convergência de opiniões e que possam orientar os países rumo ao desenvolvimento sustentável. Os ODS seriam instituídos sobre a base de um programa de economia verde e inclusiva, contornando negociações complexas que busquem a fixação de metas restritivas.

– Os ODS poderiam sinalizar macro objetivos almejados e permitir à sociedade acompanhar, cobrar e também contribuir para atingi-los em âmbito nacional. Assim, enquanto um programa de economia verde e inclusiva estabeleceria uma base de iniciativas concretas, com foco em instrumentos nacionais e de cooperação internacional, o compromisso político com os ODS indicaria os objetivos prioritários de desenvolvimento sustentável.

– Tais objetivos guiariam as políticas e ações de países, organismos internacionais, bancos multilaterais de desenvolvimento e outros agentes públicos ou privados, induzindo à adoção de comportamentos mais sustentáveis, no horizonte, por exemplo, de 2030.

– Os temas estratégicos deste compromisso poderiam ser definidos preliminarmente, iniciando um processo amplo e participativo, do qual resultariam os objetivos, propriamente ditos. De forma mais ambiciosa, a definição de alguns objetivos com alto nível de agregação (por exemplo, 10 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável) poderia ser alcançada na própria RIO+20, após negociação dos temas durante o processo preparatório.

– O estabelecimento dos ODS deve observar critérios, como o de não substituir os ODM, mas complementá-los e atualizá-los. A exemplo dos ODM, os ODS deverão conter objetivos concretos, quantificáveis e verificáveis, com prazos para serem alcançados, levando em conta realidades e prioridades nacionais. Poderiam, posteriormente, traduzir-se em indicadores para monitorar o seu cumprimento.

– Os ODS deverão ser de caráter global, voltados igualmente a países desenvolvidos e em desenvolvimento. Os ODS deverão ser baseados, tanto quanto possível, em documentos já existentes e pactuados, como por exemplo, a Agenda 21. Outros documentos, originados em diversos fóruns multilaterais, oferecem ampla base para alimentar a discussão. Com isso, evita-se reabrir debates sobre questões já acordadas. Para cada ODS, deverá haver sinalização dos meios concretos para atingi-lo.

– Alguns dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável exemplificados no Documento de Contribuição Brasileira à Conferência RIO+20 poderão estar associados à Erradicação da pobreza extrema; Segurança alimentar e nutricional; Acesso a empregos adequados (socialmente justos e ambientalmente corretos); Acesso a fontes adequadas de energia; Equidade – intrageracional, intergeracional, entre países e dentro de cada país; Gênero e empoderamento das mulheres; Microempreendedorismo e microcrédito; Inovação para a sustentabilidade; Acesso a fontes adequadas de recursos hídricos; e Adequação da pegada ecológica à capacidade de regeneração do planeta.

– Uma das maiores contribuições da RIO92 foi a Declaração do Rio, que entre os seus 27 princípios, incluiu o das “responsabilidades comuns, mas diferenciadas”, reconhecendo que, historicamente, os impactos socioambientais são produzidos de forma heterogênea pelos países, conforme suas características.

– Apesar dos seus aspectos meritórios, a proposta de estabelecimento dos ODS permite algumas considerações, como a de não distinguir que os países mais ricos têm um retrospecto mais danoso de uso dos recursos naturais e, em consequência, devem assumir maiores encargos na transferência de recursos financeiros e tecnológicos, no caminho do desenvolvimento sustentável.

 

– Feliz 2012 e juízo em 2022.

Paulo Márcio de Mello
Servidor público professor aposentado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Commodities voltam a subir e ameaçam inflação

Brasil dependerá, mais que nunca, do comportamento do real frente ao dólar.

Rio manda R$ 2,4 tri para União e só recebe R$ 171 milhões

Estado é um dos mais prejudicados da Federação.

Volume de sedãs cai nos últimos anos

Onix Plus foi o mais vendido em 2021, apesar da crise dos semicondutores.

Últimas Notícias

Valor da internet em Portugal está mais barato

Dados recentes do Eurostat, Serviço de Estatística da União Europeia, referentes a dezembro de 2021, mostra que Portugal lidera na descida de preços dos...

Modal finaliza aquisição da integralidade do banco digital LiveOn

O Modal, banco de investimento, fechou a aquisição de 100% da infratech LiveOn, operação divulgada em outubro de 2021, e só agora aprovada pelo...

Fitch afirma IDRs BB’ e rating nacional ‘AAA do Itaú Unibanco

A Fitch Ratings afirmou nesta segunda-feira os IDRs (Issuer Default Ratings - Ratings de Inadimplência do Emissor) de Longo Prazo em Moedas Estrangeira e...

Balança comercial registra déficit de US$ 117 milhões

A corrente de comércio (soma de exportações e importações) brasileira cresceu 28% e fechou a terceira semana de janeiro em US$ 28,91 bilhões. Os...

Subida de juros assusta investidores

A segunda-feira (24) foi marcada como um dia de aversão a risco com fortes quedas nas bolsas internacionais, observou Jansen Costa, sócio-fundador da Fatorial...