Oficial

Qualificada como “carregada de xenofobia” pelo vice-governador mineiro Newton Cardoso, a nota da Embaixada dos Estados Unidos sobre a situação societária da Cemig fez sucesso no Jornal Nacional, da Rede Globo. Sem dar espaço para a posição do Governo de Minas, o telejornal limitou-se a reporduzir, em tom veemente, a posição do Governo norte-americano, que defendia “respeito aos acionistas minoritários”. Algumas perguntas ficaram no ar: O jornal é “nacional” de que país? O mesmo respeito merecem os minoritários de empresas como Antarctica, Telefônica e Banco Nacional ou somente aqueles que falam inglês e têm alguns bilhões de dólares?

Malabarismo
Os delegados do PT ligados ao deputado federal Carlos Santana faziam verdadeiras acrobacias verbais na convenção do fim de semana para negar que a decisão de devolver ao governador Anthony Garotinho os cargos ocupados pelo partido fosse sinônimo de rompimento com o governo pedetista. Deve ser a adaptação à política da amizade colorida.
Céu & inferno
Do governador Garotinho explicitando suas divergências com o deputado Carlos Santana: “Ele queria ficar bem com a opinião pública e com os setores que o apoiam dentro do partido e ficar bem com o Governo. Não dá para acender uma vela para Deus e outra para o diabo.” Evangélico, Garotinho parece não ter achado necessário explicar quem era quem na sua metáfora.

Emblemático
Não deixa de ser significativo que, depois de dez anos de neoliberalismo com Carlos Menem, o combate à corrupção tenha sido uma das promessas de campanha de Fernando de La Rúa que mais empolgou os argentinos.

Guilhotina emergente
Será Vera Loyola a Maria Antonieta do reinado tucanato?

Vida dura
Cerca de cinco anos depois da implantação do Plano Real, 93% dos brasileiros consideram dura a vida que levam. A maioria dos que carregam esse sentimento é formada por pessoas que começaram a trabalhar aos 16 anos – metade das quais não contribui para qualquer instituto previdenciário – possuem TV e geladeira, são eleitores em potencial e sem tempo para ações comunitárias. A revelação é da Pesquisa sobre Padrão de Vida (PPV), suplemento da Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar (PNAD) 97, do IBGE, e cuja análise consta do primeiro boletim do Fórum Cândido Mendes, publicado este mês.

Cultura nacional
A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara aprovou projeto de lei do deputado Wilson Santos (PMDB-MT) que eleva a alíquota sobre o Imposto de Renda retido na fonte sobre as remessas ao exterior provenientes das produções cinematográficas estrangeiras de 25% para 40%. O objetivo é oferecer à produção nacional tratamento diferenciado, pois o que estava acontecendo não era justo, em termos de tributação, segundo o deputado peemedebista. Para o deputado Padre Roque  (PT-PR), relator do projeto, não se trata de prejudicar a exibição de obras estrangeiras em nosso país e sim de canalizar recursos permanentes que estimulem a arte e a cultura nacionais, fazendo como os outros países, que taxam nossas produções de forma rigorosa.

Feudo
Durante os primeiros três dias de novembro de 1999, Toronto (Canadá) será sede do V Fórum Empresarial das Américas. Estarão reunidos mais de 1 mil líderes empresariais de 34 países para debate sobre assuntos chave relacionados ao comércio exterior na região. A expectativa na América do Norte é dar um passo para empurrar a Alca (Área de Livre Comércio das Américas) goela abaixo dos países abaixo do Rio Grande. A proposta oficial da Alca é integrar as economias em uma única zona de livre comércio até o ano 2005. A tradução  mais prática é deixar a América Latina como feudo comercial dos produtos dos EUA. Trata-se de um mercado composto de 800 milhões de pessoas.

Sem troco
Apesar de as estatísticas oficiais da Secretaria de Segurança apontarem para a queda do número de assaltos a ônibus na cidade do Rio de Janeiro, várias empresas do setor estão recolhendo o dinheiro arrecadado a cada viagem. Com isso, gerou-se situação tão inusitada quanto incômoda: a do trocador sem troco. Que tal aumentar a prevenção a esse tipo de crime, em vez de esvaziar a gaveta do trocador e submeter o usuário ao constrangimento de pular a roleta ou saltar pela porta de trás?

Fraga em fuga
O presidente do Banco Central (BC), Arminio Fraga, viveu um dia de acossado, no Rio, para responder o desafio do governador de Minas, Itamar Franco, de que ele não conhece a economia brasileira. Cercado pela imprensa, na sede da Delegacia Regional do Rio (Derja), fugiu em disparada para os fundos do 24º andar, atropelando jornalistas e operadores de TV. Recusou-se a responder perguntas sobre o assunto e a explicar a queda continuada das reservas cambiais, por sete dias seguidos. Foi a segunda fuga do dia. A primeira foi da sede do BNDES, onde participou de seminário da CVM sobre proteção do acionista minoritário e alterações da Lei das S/A.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFuturo
Próximo artigoCurto circuito

Artigos Relacionados

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Terceira via tira a máscara

Diferença para atual governo está nos métodos, não nos fins.

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Últimas Notícias

Startup lança soluções para indústrias e pequenas e médias empresas

ReFact aposta em tecnologia própria inovadora para agilizar e unificar informações dos clientes no e-commerce.

Produção de cerveja retoma ao patamar de 2014: 14,1 bi de litros

Número de brasileiros que apreciaram uma cerveja em casa saltou para 68,6% em 2020, ante os 64,6% de 2019, de acordo com a Kantar.

Bem Brasil Alimentos acelera exportações de batatas pré-fritas

Indústria mineira realizou embarques para Bolívia, Uruguai e Estados Unidos e projeta quadruplicar o volume de vendas em 2021.

Vale cancela ações em tesouraria sem reduzir o valor do capital social

O Conselho de Administração da mineradora Vale aprovou o cancelamento de 152.016.372 ações ordinárias de emissão da companhia adquiridas em programas de recompra anteriores...