28.6 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 16, 2021

Oi e Hering saem da carteira teórica do Ibovespa

As ações ordinárias da Oi (OIBR3) e da Hering (HGTX3) foram retiradas da carteira teórica do Ibovespa, que vigorará no quadrimestre de maio a agosto, segundo a terceira prévia do índice

divulgada nesta sexta-feira. A nova carteira passa a vigorar a partir de segunda-feira.

Nenhuma ação foi incluída no principal índice da BM&FBovespa, que agora passa a contar com ativos de 59 companhias.

Os papéis com maior peso no Ibovespa continuam sendo do Itaú Unibanco (ITUB4), que reduziu a participação no índice de 10,69% na carteira atual para 10,524% na nova carteira.

Com a segunda maior participação permanecem as ações da Ambev (ABEV3), que subiu de 7,89% na carteira vigente para 8,486%. O Bradesco (BBDC4) segue com a terceira posição e também teve o peso no índice elevado de 6,82% para 7,672%.

Por outro lado, a siderúrgica Usiminas (USIM5), apesar de elevar a participação na carteira do Ibovespa, de 0,105% na atual para 0,136% na que entrará em vigor na segunda-feira, ainda mantém a última posição na lista.

 

IBrX-100

 

Os papéis da PDG (PDGR3) deram lugar aos ordinários da CVC (CVCB3) na carteira teórica do IBr-X 100. A mudança já havia sido sinalizada na primeira e na segunda prévia.

A CVC ingressa na carteira com participação de 0,074% no índice, que mede o desempenho médio das cotações dos 100 ativos de maior negociabilidade e representatividade do mercado de ações brasileiro.

Os ativos de maior peso no índice continuam sendo os do Itaú Unibanco (ITUB4; 9,559% na prévia de hoje), seguido dos papéis da Ambev (ABEV3; 8,497%) que tomou o lugar do Bradesco (BBDC4; 6,968%), agora na terceira posição.

 

Imobiliário e financeiro

 

A ação ordinária da Rossi (RSID3) entrou na terceira prévia da carteira do índice BM&FBovespa Imobiliário (Imob) para o período de maio a agosto, enquanto a ação ordinária da Helbor (HBOR3) deixou  a lista de componentes. Não houve mudança em relação a segunda prévia divulgada em 18 de abril.

A ação ordinária da BRMalls (BRML3) continua sendo o papel de maior peso do Imob, com uma fatia de 20% do índice, seguida pela da Multiplan (MULT3), cuja participação aumentou de 15,73%, na carteira em vigor até o fim do mês,para 18,09%. A MRV (MRVE3), que antes ocupava a quarta posição entre os componentes de maior peso, com 12,32%, subiu para o terceiro lugar, com 13,17%.

As ações da BM&FBovespa (BVMF3) ganharam espaço e da  Cielo (CIEL3) perderam peso na terceira prévia da carteira teórica do IFCN, índice que mede desempenho médio dos setores de

intermediários financeiros, serviços financeiros, previdências e seguros. Não houve entrada ou saída de ações na carteira, que vai vigorar no quadrimestre de maio a agosto.

O Itaú (ITUB4) continua liderando a participação no IFCN do próximo quadrimestre, com 18,413% da carteira, na atual carteira do índice o peso é de 17,35% e na segunda prévia era de 18,441%. A fatia do Bradesco (BBDC4) passou dos atuais 17,002% para 15,414%, mas as ações continuam sendo as segundas de maior peso do IFCN.

Artigos Relacionados

Programa promove inclusão na formação de colegiados

O Programa Diversidade em Conselho, iniciativa criada para aumentar a diversidade nos conselhos brasileiros, divulgou nesta sexta-feira através de seus parceiros - B3, Instituto...

Petrobras começa fase vinculante do Polo Norte Capixaba

A Petrobras, em continuidade ao comunicado divulgado em 29/09/2020, informou o início da fase vinculante referente à venda da totalidade de suas participações em...

Focus Energia pretende levantar R$1 bi em IPO

A comercializadora de eletricidade Focus Energia anunciou realizar uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) com previsão de que o valor...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.