Óleo e gás: promessa era criar empregos; realidade são demissões

Também houve queda de rendimentos, de quase 10%.

Dados do IBGE mostram que, nos três primeiros trimestres de 2021, houve uma redução de 2,4% na média de empregos no setor de óleo e gás e uma queda de 9,5% no rendimento dos trabalhadores, em comparação ao mesmo período de 2020.

Os 159.086 postos de trabalho, em 2020, caíram para 155.227, em 2021. A redução ocorreu também na renda dos trabalhadores do setor de extração e respectivas atividades de apoio, que, segundo a Pnad, tiveram declínio médio nos seus rendimentos de aproximadamente 9,5%.

Os dados foram analisados pelo pesquisador do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), Rafael Rodrigues da Costa, juntamente com os economistas do Centro de Economia Política do Petróleo (Cepetro), Pedro Gilberto Cavalcante Filho e Claudiane de Jesus.

A Bahia, estado do Nordeste que concentra mais ativos da Petrobras à venda, teve forte participação nesses resultados, após o encolhimento da estatal na região, afirma a Federação Única dos Petroleiros (FUP). No estado, foram vendidos campos terrestres na bacia do Recôncavo e, mais recentemente, a Refinaria Landulpho Alves (Rlam) e sua logística de terminais e de armazenamento.

Desde 2015, a Petrobras colocou, ao todo, 378 ativos em desinvestimento, sendo 116 na Bahia (31% do total), segundo levantamentos do Ineep. Na Bahia, a média anual de 2021 registra uma retração de postos de trabalho de 28,9% em comparação ao mesmo período do ano passado. Uma perda média equivalente a 7 mil empregos. A queda nos salários do setor na capital baiana chegou a 22,9%, saindo de um patamar de renda média próximo a R$ 7.180,00, em 2020, para algo em torno de R$ 5.140,00, em 2021.

“Queda do emprego e do salário e aumento nos preços dos produtos ao consumidor são efeitos nefastos de um mesmo fenômeno, que é a criação dos monopólios privados regionais, resultantes da venda equivocada e ativos da Petrobrás”, destaca o coordenador-geral da FUP, Deyvid Bacelar, também diretor do Sindipetro-BA.

Ao comparar o estoque de empregos no setor de óleo e gás na Bahia ao programa de desinvestimentos da Petrobras, é possível observar que no 3º trimestre de 2015 o setor empregava até 37.890 pessoas. Hoje, o setor petrolífero ocupa menos de 8.760 postos de trabalho na região, de acordo com as estatísticas do terceiro trimestre da Pnad 2021.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Covid-19 fecha 478 agências bancárias em SP

500 bancários foram confirmados com covid-19.

Cortes no Casa Verde e Amarela deixam de gerar 365 mil empregos

E deixa de arrecadar R$ 1,2 bi de INSS e FGTS.

10 milhões cadastrados para darem block em telemarketing

São Paulo, Minas e Rio são os que tem maior número de telefones bloqueados.

Últimas Notícias

Empresa brasileira de produtos médico-hospitalares cresce 20% em 2021

Faturamento foi de R$ 28 milhões.

Brasileiro buscou mais crédito para compra de veículo

Veículos pesados e motos se destacam

Varejo, petrolíferas e bancos puxam Ibovespa

Siderúrgicas e Vale ficam na contramão do mercado

Uso de cheque cai ladeira abaixo

Avanço tecnológico mudou hábito arraigado da clientela

Covid-19 fecha 478 agências bancárias em SP

500 bancários foram confirmados com covid-19.