28.1 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 24, 2021

Olho gordo

Empresas em operação nos mercados emergentes buscam margens de lucro distante das realidades dos países desenvolvidos: mais de um quarto (27%) dos executivos só consideram “aceitáveis” margens de lucro superiores a 35%. A grande maioria dos executivos (87%) está otimista ou muito otimista quanto às possibilidades de maior faturamento nos mercados emergentes nos próximos dois anos, mostra o relatório Um passo à frente: sucesso nos mercados emergentes, produzido pela Economist Intelligence Unit. Foram ouvidos mais de 1.300 dirigentes de empresas nacionais e estrangeiras de destaque em 15 economias em desenvolvimento.

Acelera
Para François Barrault, CEO da BT Global Services, patrocinadora da pesquisa, “os mercados emergentes se encontram decididamente otimistas quanto a suas perspectivas econômicas, em contraste com boa parte do mundo desenvolvido”. A infra-estrutura física – itens como estradas e suprimento de energia elétrica – e a infra-estrutura de comunicações não são mais vistas como uma grande barreira ao crescimento, já que na maioria dos países onde a pesquisa foi realizada houve investimentos significativos para a melhoria das condições de infra-estrutura.

A jabuticaba do BC
Uma das pérolas mais recorrentes do pensamento colonizado tupiniquim sustenta que “tudo que só existe no Brasil e não é jabuticaba não presta”. A ser crível tal pensata, no país de Santos Dumont, Osvaldo Cruz, Ivo Pitanguy, Machado de Assis, Tom Jobim, Pelé, Garrincha, entre outros gênios da raça, a única singularidade destinada aos nacionais seria a jabuticaba. Significativamente, porém, os defensores dessa indigência intelectual não recorrem ao mesmo argumento para explicar por que o Banco Central local, em meio à débâcle do sistema financeiro, é o único a manter-se aferrado ao fundamentalismo dos juros elevados.

Procuram-se
“Onde foi parar a turma que defendia a dolarização da economia brasileira para acabar de vez com a inflação e integrar o país ao Primeiro Mundo? Continuam instalados em confortáveis fundos de investimento. E o pessoal da privatização? Além dos que viraram consultores ou  dirigentes das empresas que ajudaram a vender, nenhum deles vem a público explicar por que nunca avançou a regulamentação dos setores privatizados no Brasil. Enquanto isso, o mundo dos países emergentes marcha batido rumo à reestatização de setores estratégicos.”
A ironia é do economista Gilson Schwartz  no site http://fotolog.terra.com.br/iconomia:120.

Confúcio
“A China do Século XXI: O diálogo de Confúcio com Locke” é o nome da palestra que o professor Severino Bezerra Cabral Filho, membro do Corpo Permanente da Escola Superior de Guerra (ESG) e diretor-presidente do Instituto Brasileiro de Estudos de China e Ásia-Pacífico, fará nesta quarta-feira, das 14h às 17h. Profundo conhecedor da cultura chinesa, ele falará no auditório do Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica (Incaer, Praça Marechal Âncora, 15-A – Centro – RJ, ao lado do Clube de Aeronáutica)

Na telona
Com trabalhos de cineastas de todas regiões do Brasil, a segunda edição da mostra competitiva do Brazilian Film Festival of Toronto teve 234 filmes inscritos. Desse total, sete são co-produções com Alemanha, Bélgica, Canadá, Cuba, Espanha, Estados Unidos e Portugal. O festival acontece entre 6 e 9 de novembro, no Bloor Cinema, no Canadá. Mais informações pelo endereço eletrônico www.brafft.com.

Integração
Pesquisadores sul-americanos vão apresentar, na UFRJ, até o próximo dia 25, trabalhos que abordam o papel do Brasil no processo de integração dos povos do continente nos campos da cultura, economia, ciência e geopolítica. Ao final do encontro, após debate com pesquisadores brasileiros, será produzido um documento reunindo as conclusões do seminário. O evento é promovido pelo Colégio Brasileiro de Altos Estudos da UFRJ.

Quem dá mais?
Nos Estados Unidos, a estimativa sobre o total de créditos podres que teriam que ser assumidos pelo Tesouro já ascende a US$ 4 trilhões – há quem fale em US$ 4,5 trilhões.

Marcos de Oliveira e Sérgio Souto

Artigo anteriorLula McCain
Próximo artigoÉ vosso?
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Incerteza da população ou dos mercados?

EUA e Reino Unido espalham suas expectativas para os demais países.

É hora de radicalizar

Oposição prioriza impeachment, mas sabe aonde quer chegar?.

Soja ameaça futuro do Porto do Açu

Opção por commodities sobrecarrega infraestrutura do país.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.