Omã: oportunidade para exportação e investimentos

Empresas / 13:57 - 18 de ago de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Turismo, serviços ligados à construção civil, automóveis, aeronáutica e alimentação são alguns dos setores mais promissores para exportação ou investimentos em Omã, destaca Matheus Borella, consultor de Negócios Internacionais da Mercator Business Intelligentsia.

Diretor do Comitê de Jovens Empreendedores do Agronegócio da Fiesp, Borella destaca que se trata de um país bastante incomum ao povo e ao empresariado brasileiro, e é natural e esperada algumas reações. “Um dos pontos que mais destaco é exatamente quando demonstramos por indicadores internacionais o quanto esse pequeno país está à frente do Brasil em termos de ambiente favorável de se fazer negócios e a liberalização econômica que o Omã tem.”

[caption id="attachment_550247" align="alignnone" width="531"]'Empresas brasileiras são bem-vindas no Oriente Médio', afirma Borella 'Empresas brasileiras são bem-vindas no Oriente Médio', afirma Borella[/caption]

De acordo com o World Economic Freedom Index 2016, Omã dentre 144 nações ocupa a 52ª posição, e o Brasil a 122ª. “Se analisarmos também os dados do Global Competitiveness Report 2015, vemos Omã em 62ª lugar, e o Brasil, em 75º, num total de 140 países avaliados. Esses sem dúvidas são indicadores que demonstram o dinamismo de uma economia recente, dinâmica e com grandes oportunidades para o empresariado brasileiro considerar em seu planejamento estratégico”, diz o consultor.

Sobre as oportunidades de negócios que o país do Oriente Médio oferece para empresas brasileiras que querem exportar, Borella destaca que, tendo uma paridade de poder de compra de US$ 44.628,28 em 2015 (World Economic Forum), aproximadamente 2,85 vezes maior que a média brasileira, é possível demonstrar o tamanho das oportunidades para empresas brasileiras, em Omã.

Alguns dos setores que mais há espaço para investimento estrangeiro ou para exportação de produtos eserviços são: turismo, equipamentos para pesca, serviços ligados à construção civil, automotiva e aeronáutica e alimentação. “Especialmente neste último, devido as características geográficas, o país é um net importer, ou seja, um importador permanente de alimentos, o que para uma nação net exporter como o Brasil é algo extremamente atraente.

A grande maioria das exportações do Omã ainda permanece sendo petróleo e derivados, como acrílicos, polipropilenos e demais produtos da cadeia petroquímica. Especificamente no caso das relações entre Brasil e Omã, nota-se uma forte presença de produtos destinados à cadeia produtiva do agronegócio, com destaque para fertilizantes nitrogenados.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor