26.1 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 25, 2021

OMS: uma em cada 10 pessoas pode ter contraído Covid-19

Aproximadamente uma em cada 10 pessoas pode ter sido infectada com o novo coronavírus, deixando a grande maioria da população mundial vulnerável à Covid-19, informou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta segunda-feira.

Mike Ryan, o principal especialista em emergências da OMS, disse ao Conselho Executivo da agência que os surtos da infecção estão aumentando em partes do Sudeste da Ásia, além de os casos e as mortes estarem subindo em áreas da Europa e na Região Leste do Mediterrâneo.

"Nossas melhores estimativas atuais nos dizem que cerca de 10% da população global podem ter sido infectadas por esse vírus. Varia dependendo do país, varia de urbano a rural, varia dependendo de grupos. Mas o que isso significa é que a vasta maioria do mundo continua em risco", disse Ryan. "Estamos entrando em um período difícil. A doença continua a se espalhar."

A OMS apresentou às autoridades chinesas, para consideração, uma lista de especialistas para fazer parte de uma missão internacional à China a fim de investigar a origem do novo coronavírus, afirmou o especialista.

No Brasil, começam hoje os ensaios clínicos com a vacina BCG, usada contra a tuberculose, para verificar a prevenção também contra a Covid-19. O trabalho será conduzido pelo Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Hospital Universitário Pedro Ernesto, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), e pelo Hospital Municipal de Barueri Dr. Francisco Moran, no estado de São Paulo.

A iniciativa é da RedeVírus, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e conta com investimentos de R$ 1 milhão em recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, disponibilizados pela Financiadora de Estudos e Projetos. Participarão do ensaio mil profissionais da saúde. A Fundação Oswaldo Cruz Fiocruz também está desenvolvendo ensaios clínicos com a BCG contra o vírus Sars-Cov-2, causador da Covid-19.

De acordo com a coordenadora da pesquisa, Fernanda Mello, que é professora de Tisiologia e Pneumologia do Instituto de Doenças do Tórax da UFRJ, os estudos buscam responder se a vacina ajuda na prevenção da infecção e na ocorrência de formas graves da Covid-19.

"Ao avaliarmos o efeito da vacina BCG entre profissionais de saúde, esperamos verificar seu potencial para evitar o adoecimento e as formas graves da doença entre eles, que representam o braço operacional da linha de cuidado aos pacientes com Covid-19. A manutenção desta força de trabalho é fundamental para que seja garantido o melhor cuidado aos portadores do novo coronavírus".

A vacina BCG, cuja sigla vem de bacilo Calmette–Guérin, está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) e, no Brasil, é obrigatória para recém-nascidos desde 1976, devendo ser tomada até os quatro anos de idade. O imunizante protege crianças de até cinco anos das formas mais graves da tuberculose. A investigação para verificar a eficácia da BCG também contra o novo coronavírus se baseia na hipótese de que países que mantém o uso da vacina apresentaram menor incidência de Covid-19, quando comparado com países que suspenderam o uso universal, como EUA, Espanha e Itália. Segundo a Fiocruz, pesquisadores australianos verificaram que a BCG funciona contra outras infecções respiratórias virais.

 

Com informações da Agência Brasil, citando a Reuters

Artigos Relacionados

Cepal: exportações da AL e do Caribe caíram 13% em 2020

A crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19) fez o comércio exterior na América Latina e no Caribe registrar o pior desempenho...

Biden expande combate à fome que afeta 1 em 7 lares dos EUA

Presidente aumenta salário mínimo dos funcionários federais para US$ 15.

Premiê indiano diz que país é autossuficiente em vacinas contra Covid

Até agora, mais de 1 milhão de pessoas foram imunizadas na Índia; no Brasil, chegada do produto pode aliviar pessimismo do exterior.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.