Onde tem fumaça

O roubo de informação estratégica da Petrobras, guardada em contêiner como se fosse batata ou carne da Halliburton, gera especulações de toda ordem. Ninguém sabe ainda a verdade. Mas nos corredores da sede da estatal o que se diz é que a descoberta do campo gigante, anunciado como reserva de 8 bilhões de barris, depois 15 bilhões, depois 30 bilhões, seria um “pouquinho” maior: 80 bilhões. Daí a cobiça estrangeira, já que o Brasil ingressaria realmente no clube dos maiores detentores de reservas do mundo. O desafio industrial, além de tecnológico, é reduzir o custo de extração desse combustível em águas ultraprofundas. Estima-se hoje que o custo de produção seria de US$ 35 o barril. Hoje o custo da estatal está na faixa dos US$ 13 a US$ 15.

Pasteurização
Já que setores da imprensa brasileira decidiram dedicar às primárias dos Estados Unidos espaços tão ou mais generosos do que os destinados a questões nacionais ou locais o tom da cobertura poderia sair do superficial. Com os EUA afundados numa recessão de dimensões ainda não calculáveis, circunstância que se soma ao atoleiro sem fim no Iraque, a mídia tupiniquim caminha na direção de um debate sobre gêneros, etnias ou outras minorias. Sobre o que Obama, Hillary ou Mcain pensam sobre a recessão ou sobre a insuficiência e a superficialidade de suas propostas para enfrentar a bolha financeira um silêncio revelador.
A influência da eleição norte-americana sobre os rumos daquele país e do resto do mundo acaba resumida a questões prosaicas como o choro de uma candidata, as habilidades esportivas de outro ou ainda o suposto heroísmo de um terceiro.
Tudo somado, a mídia tupiniquim contribui para reforçar a irrelevância das eleições e da política como território do debate das grandes questões. É uma tentativa de naturalização do modelo, segundo o qual, independentemente dos votos dos norte-americanos, quem mantém as rédeas do poder é sempre a plutocracia local, cuja representação mais simbólica são os burocratas sem-voto do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA). Noves fora, por óbvio, o direito às aventuras militaristas que rendem bilhões aos setores mais truculentos dos verdadeiros donos do poder.

Tendência
Ao julgar um dos 50 processos movidos em nome de fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus contra a Folha de S. Paulo e a repórter Elvira Lobato, a juíza Zenair Ferreira Bueno Vasques Arantes, do Juizado Especial de Xapuri, no Acre, condenou o fiel por litigância de má-fé, aplicando-lhe multa e obrigando-o a pagar custas processuais e honorários advocatícios, informa a Folha. Cabe recurso.

Além-mar
O reitor Paulo Alonso assina, dia 21, em Lisboa, convênio entre o Anglo-Americano e a Universidade Internacional, para oferecer mestrados e doutorados interinstitucionais e ainda promover intercâmbio de professores entre as duas instituições.

Corporativo
A aldeia dos índios Pataxós, localizada na Reserva da Jaqueira, em Porto Seguro (Bahia), começou a aceitar cartões de crédito Visa como forma de pagamento na venda de objetos de artesanato produzidos pelos nativos. Com a presença de muitos turistas estrangeiros, a implantação do sistema Visa através da VisaNet Brasil vai agilizar e facilitar o comércio para os Pataxós, que vendem peças como cocares, colares, pulseiras, cestos, travessas, anéis, porta-retratos etc.

Passado&presente
A ausência de informações do presidente da Fiesp, Paulo Skaf, sobre a queda dos preços industriais depois do fim da CPMF não é a única posição dúbia da federação sobre o assunto. Em 12 de março de 1999, sobre o título “Aderiu”, esta coluna registava: “Crítico contumaz do aumento de impostos quando presidia a Fiesp, o agora deputado Carlos Eduardo Moreira Ferreira (PFL-SP) sucumbiu ao governismo. Não só votou a favor da prorrogação da CPMF, como apoiou o aumento da alíquota de 0,20% para 0,38%, um salto de 90%”. Ou seja, a elevação da carga tributária relativa ao aumento da alíquota da finada contribuição teve o dedo da mesma Fiesp, que, nove anos depois, se apresentou como um dos baluartes contra a carga tributária.”

Artigo anteriorEmbaixadores mirins
Próximo artigoPlugado
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Trava política impede recuperação mais forte

Nesta segunda, mercados aqui foram na mesma direção do exterior em recuperação, mas sem mostrar maior tração. 

Sony deixará de vender áudio e vídeo no Brasil

Multinacional japonesa venderá aqui apenas consoles de games importados.

ISM Manufacturing teve a maior leitura desde fevereiro de 2018

Expectativa é de melhora continuada dado o avanço da vacinação, bem como o estímulo fiscal projetado para ser aprovado em meados de março.

Rede estadual de ensino do Rio volta hoje às aulas

Alunos terão aulas remotas e presenciais, com turmas em sala de aula em dias alternados em função da pandemia.

Mercado interno sobe seguindo bom humor global

Exterior avança após pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão ser aprovado pela Câmara dos Representantes dos EUA.