Onde tem fumaça

O roubo de informação estratégica da Petrobras, guardada em contêiner como se fosse batata ou carne da Halliburton, gera especulações de toda ordem. Ninguém sabe ainda a verdade. Mas nos corredores da sede da estatal o que se diz é que a descoberta do campo gigante, anunciado como reserva de 8 bilhões de barris, depois 15 bilhões, depois 30 bilhões, seria um “pouquinho” maior: 80 bilhões. Daí a cobiça estrangeira, já que o Brasil ingressaria realmente no clube dos maiores detentores de reservas do mundo. O desafio industrial, além de tecnológico, é reduzir o custo de extração desse combustível em águas ultraprofundas. Estima-se hoje que o custo de produção seria de US$ 35 o barril. Hoje o custo da estatal está na faixa dos US$ 13 a US$ 15.

Pasteurização
Já que setores da imprensa brasileira decidiram dedicar às primárias dos Estados Unidos espaços tão ou mais generosos do que os destinados a questões nacionais ou locais o tom da cobertura poderia sair do superficial. Com os EUA afundados numa recessão de dimensões ainda não calculáveis, circunstância que se soma ao atoleiro sem fim no Iraque, a mídia tupiniquim caminha na direção de um debate sobre gêneros, etnias ou outras minorias. Sobre o que Obama, Hillary ou Mcain pensam sobre a recessão ou sobre a insuficiência e a superficialidade de suas propostas para enfrentar a bolha financeira um silêncio revelador.
A influência da eleição norte-americana sobre os rumos daquele país e do resto do mundo acaba resumida a questões prosaicas como o choro de uma candidata, as habilidades esportivas de outro ou ainda o suposto heroísmo de um terceiro.
Tudo somado, a mídia tupiniquim contribui para reforçar a irrelevância das eleições e da política como território do debate das grandes questões. É uma tentativa de naturalização do modelo, segundo o qual, independentemente dos votos dos norte-americanos, quem mantém as rédeas do poder é sempre a plutocracia local, cuja representação mais simbólica são os burocratas sem-voto do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA). Noves fora, por óbvio, o direito às aventuras militaristas que rendem bilhões aos setores mais truculentos dos verdadeiros donos do poder.

Tendência
Ao julgar um dos 50 processos movidos em nome de fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus contra a Folha de S. Paulo e a repórter Elvira Lobato, a juíza Zenair Ferreira Bueno Vasques Arantes, do Juizado Especial de Xapuri, no Acre, condenou o fiel por litigância de má-fé, aplicando-lhe multa e obrigando-o a pagar custas processuais e honorários advocatícios, informa a Folha. Cabe recurso.

Além-mar
O reitor Paulo Alonso assina, dia 21, em Lisboa, convênio entre o Anglo-Americano e a Universidade Internacional, para oferecer mestrados e doutorados interinstitucionais e ainda promover intercâmbio de professores entre as duas instituições.

Corporativo
A aldeia dos índios Pataxós, localizada na Reserva da Jaqueira, em Porto Seguro (Bahia), começou a aceitar cartões de crédito Visa como forma de pagamento na venda de objetos de artesanato produzidos pelos nativos. Com a presença de muitos turistas estrangeiros, a implantação do sistema Visa através da VisaNet Brasil vai agilizar e facilitar o comércio para os Pataxós, que vendem peças como cocares, colares, pulseiras, cestos, travessas, anéis, porta-retratos etc.

Passado&presente
A ausência de informações do presidente da Fiesp, Paulo Skaf, sobre a queda dos preços industriais depois do fim da CPMF não é a única posição dúbia da federação sobre o assunto. Em 12 de março de 1999, sobre o título “Aderiu”, esta coluna registava: “Crítico contumaz do aumento de impostos quando presidia a Fiesp, o agora deputado Carlos Eduardo Moreira Ferreira (PFL-SP) sucumbiu ao governismo. Não só votou a favor da prorrogação da CPMF, como apoiou o aumento da alíquota de 0,20% para 0,38%, um salto de 90%”. Ou seja, a elevação da carga tributária relativa ao aumento da alíquota da finada contribuição teve o dedo da mesma Fiesp, que, nove anos depois, se apresentou como um dos baluartes contra a carga tributária.”

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorEmbaixadores mirins
Próximo artigoPlugado

Artigos Relacionados

Rio manda R$ 2,4 tri para União e só recebe R$ 171 milhões

Estado é um dos mais prejudicados da Federação.

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...