ONU: 274 milhões precisarão de ajuda e proteção de emergência em 2022

Moçambique é único lusófono coberto na resposta a 63 países.

As Nações Unidas revelaram que 274 milhões de pessoas em todo o mundo precisarão de ajuda e proteção de emergência no próximo ano. O total corresponde a um aumento de 17% em comparação com os 235 milhões no período anterior.

Em mensagem, o secretário-geral da ONU, António Guterres, destaca que as agências humanitárias entregaram alimentos, remédios e outros produtos essenciais para salvar a vida de 107 milhões de pessoas, em 2021. Entretanto, é preciso fazer mais para superar os atuais níveis de financiamento. Segundo Guterres, o mundo deve se unir para apoiar crianças, mulheres e homens que não têm a quem recorrer.

Já o subsecretário-geral para os Assuntos Humanitários, Martin Griffiths, disse no lançamento da Visão Geral Humanitária Global, em Genebra, que o valor necessário é equivalente ao “quarto país mais populoso do mundo”.

O documento publicado anualmente pelas Nações Unidas e parceiros, inclui 37 planos de resposta cobrindo 63 nações. No topo da lista estão países como Afeganistão, Síria, Iêmen, Etiópia, Sudão, Sudão do Sul, Somália, Nigéria, Mianmar.

O único lusófono com um Plano de Resposta Humanitária a ser coberto é Moçambique, com cerca de 1,5 milhão de carentes. A resposta humanitária quer alcançar 1,2 milhão de pessoas com US$ 388,5 milhões.

No total, a ONU estima que US$ 41 bilhões sejam necessários para fornecer alívio e proteção às 183 milhões em todo o mundo.

Griffiths disse que a crise climática afeta primeiro e de forma mais grave as pessoas mais vulneráveis. Fatores como conflitos prolongados aumentam e a instabilidade piorou em várias partes do mundo, principalmente na Etiópia, em Mianmar e no Afeganistão.

Vacinas

Segundo Griffiths, está claro que a pandemia de Covid-19 ainda não acabou, e que países menos desenvolvidos enfrentam privações no acesso a vacinas. A meta é que “o apelo global possa dar um vislumbre de esperança para milhões de pessoas que precisam desesperadamente dele.” O Ocha estima que mais de 1% da população mundial está deslocada e que a pobreza extrema esteja novamente em alta.

Na maioria das crises, mulheres e meninas são as que mais sofrem à medida que as desigualdades de gênero e os riscos de proteção aumentam. A organização ressalta que 45 milhões de pessoas vivendo em 43 países estão na iminência de fome.

A atuação pretende evitar que a situação ocorra em nível global e ajudar a enfrentar as principais ameaças que levem à insegurança alimentar: conflito, crise climática, Covid-19 e choques econômicos.

Cerca de 120 organizações da sociedade civil, sendo cerca de uma centena de países atingidos pela fome, publicaram uma carta conjunta instando os líderes mundiais a financiar totalmente a resposta.

Leia também:

Fome sobe 30% na AL e Caribe e atinge 59,7 milhões de pessoas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

China reduz juros em empréstimo de médio prazo

O banco central da China reduziu nesta segunda-feira (17) as taxas de juros de seus empréstimos de médio prazo (MLF) e repôs reversos em...

Taxa única sobre ultrarricos garantiria saúde universal

10 trilionários ganharam US$ 15 mil por segundo durante pandemia.

Rio ameaça ir à justiça para manter Plano de Recuperação Fiscal

Ministério da Fazenda não aceita reajuste para servidores.

Últimas Notícias

Empregos na saúde ultrapassa 4,6 milhões

O número de pessoas empregadas na cadeia produtiva da saúde cresceu 0,6% entre agosto e novembro do ano passado ao atingir 4.652.588 de trabalhadores,...

RJ terá dificuldades de pagar R$ 92 bi à União

O Governo do Estado do Rio de Janeiro poderá encontrar dificuldades para cumprir o pagamento de R$ 92 bilhões devidos à União. Isso porque...

China reduz juros em empréstimo de médio prazo

O banco central da China reduziu nesta segunda-feira (17) as taxas de juros de seus empréstimos de médio prazo (MLF) e repôs reversos em...

Petrobras: recorde de produção no pré-sal em 2021

A Petrobras atingiu recorde anual de produção no pré-sal em 2021, ao alcançar 1,95 milhão de barris de óleo equivalente por dia (boed). Esse...

Médicos de SP mantêm greve na quarta-feira

Após se reunirem com o secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, na tarde desta segunda-feira, o Sindicato dos Médicos de São...