Opaco

Ao agir contra a apuração da corrupção, o Governo FH foi de encontro aos preceitos do “mercado”. Estudo divulgado pela PriceWaterhouseCoopers (Opacity Initiative – A Report Linking Opacity to Deterred Foreign Direct Investment) mostra que países ranqueados como menos transparentes no Opacity Index perderam US$ 130 bilhões em Investimentos Externos Diretos (os IEDs tão perseguidos pela equipe econômica para tampar o rombo das contas externas) – capital que voou para países menos “opacos”. Corrupção é o fator número um para definição do índice.
Opaco – 2
Em 35 países que constam do Opacity Index o Brasil aparece em 16° lugar – junto da Argentina e Taiwan e à frente de México, Singapura, Uruguai e Lituânia. Quanto melhor a colocação no índice, pior para o país, na visão do “mercado”. À frente do Brasil estão China, Rússia, Equador, Guatemala e Indonésia. Especificamente no item corrupção, o Brasil perde apenas para a Indonésia, ficando à frente de México, Singapura e Egito. Ainda pelo ranking elaborado pela Price, países menos transparentes pagam mais pelos seus empréstimos. O Brasil paga 645 pontos bases (ou 6,45%) a mais na sua dívida externa por conta da falta de transparência.

Efeito
No esforço de divulgação dos VI congressos Latino Americano e Brasileiro de Impotência Sexual, dois especialistas estarão falando hoje, na sede da Sociedade Brasileira de Urologia, em Botafogo (Rio de Janeiro), sobre o “impacto econômico da impotência sexual no mundo”. E os leigos acreditavam que o impacto se restringia a quatro paredes.

Nem um nem outro
A revista Business Week acha que o presidente Fernando Henrique Cardoso poderia apoiar a CPI proposta pela oposição como uma forma de levar o debate sobre corrupção a nível nacional e fazer um esforço para punir os culpados. Para a BW, se uma CPI conseguisse acabar com a corrupção valeria a pena pagar o preço do atraso na aprovação de reformas como a fiscal e da seguridade social. “Mas ele (FH) não parece preparado para dar esse passo. E o provável resultado é que o Brasil não vai ter nem reforma nem justiça”, conclui a revista.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPaleolítico
Próximo artigoSeqüência

Artigos Relacionados

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Lei determina que estatais respeitem interesse público

Acionistas da Petrobras sabem que ela tem obrigações e bônus por ser de economia mista.

Últimas Notícias

Itália é o segundo país europeu que mais vende alimentos ao Brasil

Portugal lidera ranking; Brasil também tem nichos de mercado para alimentos da Jordânia.

Cana: safra começa com qualidade e produtividade inferiores à anterior

Indicadores de qualidade e produtividade em abril são negativos, mas clima pode contribuir para a recuperação.

Ford anuncia venda da fábrica de Taubaté

No ano passado, montadora anunciou o fim de suas atividades no país.

Títulos chineses detidos por instituições estrangeiras diminuem

Instituições estrangeiras diminuíram suas participações em títulos interbancários chineses, segundo um relatório divulgado pela sede do Banco Popular da China em Shanghai.

Operações financeiras de Shanghai estão estáveis apesar da epidemia

O centro financeiro da China, Shanghai, conseguiu manter suas operações financeiras estáveis apesar do recente ressurgimento da COVID-19.