Opção pelo latifúndio e monocultura encarece alimentos

Alta do dólar e redução da agricultura familiar pressionam preços de arroz e feijão.

A proposta de orçamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em 2021, enviada por Jair Bolsonaro ao Congresso Nacional, praticamente reduz a zero a verba para a reforma agrária. A medida vai na contramão das necessidades do Brasil, que deveria incentivar a desconcentração da terra, favorecendo a produção de alimentos que estão no dia a dia dos brasileiros, produzidos pela agricultura familiar.

A opção do agronegócio pela monocultura tem provocado uma alta no preço dos produtos da cesta básica. Levantamento do Dieese, divulgado na sexta-feira, mostrou que os alimentos básicos registraram um aumento muito acima da inflação. No atacado, subiram 15,02% em 12 meses, até agosto. E para o mesmo período, no varejo, houve alta de 8,5%.

Com a alta do dólar, cotado acima de R$ 5,30, grandes produtores rurais estão dando preferência à exportação, deixando o mercado interno menos abastecido. E, com isso, o preço sobre, como explica o diretor técnico do Dieese, Fausto Augusto Júnior, em sua coluna no Jornal Brasil Atual.

Um conjunto de produtos está vinculado à bolsa internacional, são commodities cotadas internacionalmente, como é o caso do açúcar. E, nesses casos, quando o mercado internacional se aquece, o trabalhador aqui no Brasil perde”, afirma Fausto.

O feijão tem uma produção cada vez menor, vinculada ao Nordeste, e vem perdendo espaço na cesta de produtos da agropecuária, em especial porque a agricultura familiar vai encolhendo. Hoje, o quilo do feijão está passando da casa dos R$ 8. É algo quase que inadmissível num país da dimensão do Brasil, com a área produtiva que o país tem, termos alimentos de alta necessidade com redução de produção e inclusive com dificuldades para se encontrar dentro do mercado”, alerta o diretor técnico do Dieese.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Preço dos medicamentos recuou 0,74% em julho

Após avançar 1,32% em junho, queda mensal observada foi inferior à variação do IPCA/IBGE.

Vestuário e calçados têm desempenho positivo entre redes de moda

Dia dos Pais impulsionou desempenho do setor; mercado de roupas usadas pode ultrapassar varejo de moda em 2024.

Educação financeira para enfrentar dívida do cartão de crédito

Uma alternativa é a solicitação de empréstimo consignado, que tem juros menores.

Últimas Notícias

Rio restabelece parte dos serviços hackeados

Sistemas fazendários continuam fora do ar.

Preço dos medicamentos recuou 0,74% em julho

Após avançar 1,32% em junho, queda mensal observada foi inferior à variação do IPCA/IBGE.

Vestuário e calçados têm desempenho positivo entre redes de moda

Dia dos Pais impulsionou desempenho do setor; mercado de roupas usadas pode ultrapassar varejo de moda em 2024.

Bares e restaurantes tiveram o maior faturamento do ano em julho

Segundo associação do setor, 32% dos estabelecimentos operaram com lucro no período, enquanto 41% tiveram equilíbrio.

China aprofunda cooperação agrícola pela segurança alimentar global

Quando os ventos sopram a exuberante fazenda de trigo que se estende por cerca de 300 hectares no noroeste do Zimbábue em agosto, é difícil acreditar que essa terra fértil era estéril há uma década.