OPINIÃO DO ANALISTA

Opinião do Analista / 16:15 - 18 de dez de 2008

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Duratex DURA4 Preço - (17/12/08) R$ 15,80 Máxima (52 sem.) R$ 43,81 Mínima (52 sem.) R$ 12,13 Preço Alvo R$ 28,00 Potencial de Valorização 77,21 % Recomendação Compra Oscilação No mês 8,29 % Ano (62,70 %) Em 12 meses (61,38 %) A Duratex é uma empresa brasileira controlada pelo Grupo Itaúsa, que também controla outras empresas como a Itautec, Elekeiroz e Banco Itaú. A Duratex é fabricante de produtos de madeira, louças e metais sanitários destinados à indústria de móveis e à construção civil. A companhia possui oito unidades industriais, sete localizadas nos estados de São Paulo e uma no Rio Grande do Sul. É líder do mercado brasileiro na produção de painéis de madeira reconstituída - chapas de fibra, madeira aglomerada, MDF/HDF/SDF e pisos laminados com a marca Durafloor. Também conquistou a liderança em metais sanitários, que levam as assinaturas Deca e Hydra. O setor da construção e noveleiro vem bastante favorável para a Duratex, no terceiro trimestre de 2008 diante da demanda aquecida, que é responsável por aproximadamente 80% das vendas diretas e indiretas da companhia. Os lançamentos de imóveis estão chegando à fase final de construção e vêm sustentando a demanda pelos produtos de acabamento da empresa como metais, louças, pisos e painéis de madeira. Existe por volta de oito mil obras em andamento conforme informado pela própria empresa o que deve atenuar um desaquecimento maior que da crise, se vier agravar mais ainda no mercado doméstico. As plantas industriais da Duratex vêm operando com 100% de sua capacidade plena, com isso levou a empresa a aprovar um programa de investimento para os próximos seis anos de R$ 1 bilhão, para aumentar a capacidade instalada em diferentes linhas de produtos e também garantir o suprimento de matéria prima, incluindo madeira, para suas unidades. No período dos nove primeiros meses a receita bruta atingiu a R$ 1,9 bilhão, o que representa evolução de 18% em relação às vendas registradas no mesmo período do ano anterior. As exportações totalizaram US$ 53,8 milhões e a receita líquida atingiu a R$ 1,4 bilhão, acompanhando o crescimento das vendas brutas. A geração operacional de caixa, medida pelo conceito Ebitda, somou R$ 430,3 milhões, 4% superior a de 2007 e equivalente a uma margem Ebitda de 30%. O lucro líquido apresentou evolução de 10%, tendo totalizado R$ 265,9 milhões, o que representa retorno sobre o Patrimônio Líquido (ROE) anualizado de 22%. Os investimentos industriais e florestais na unidade de Agudos somados as aquisições das três fábricas de louças sanitárias da Ideal Standard e Cerâmica Monte Carlo elevaram o endividamento líquido da companhia para R$ 333,7 milhões. A Duratex informou que não possui exposição em derivativos de forma alavancada e está totalmente coberto os seus passivos cambiais (hedge - proteção). No final de setembro de 2008 o passivo da empresa era de R$ 526,0 milhões e contratado R$ 520,0 milhões. A nossa recomendação é de compra para carteira acima de um ano, pois acreditamos que a Duratex irá sustentar o crescimento de sua produção e vendas nos próximos anos. A companhia oferece tag along, tem dividendos mínimos garantidos de 30% e está no nível I de Governança Corporativa. Clodoir Vieira - CNPI - Economista chefe da Corretora Souza Barros C. e T. S.A. e Professor de Mercado de Capitais - FAB - Faculdades Integradas de Boituva

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor