OPlus LED inicia operações no Brasil

Empresas / 23:06 - 7 de mar de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A OPlus Lighitng Company Limited, marca reconhecida mundialmente, desembarcou no país. Criada há 12 anos em Hong Kong, OPlus é especializada no desenvolvimento da tecnologia LED (Light Emitter Diode, ou “Diodo Emissor de Luz”) para iluminação, e já atua em mais de 12 países, como Austrália, EUA, Japão, Itália, Canadá, Peru, Turquia, Rússia, Bélgica, Indonésia e outros. Além disso, ganhou prêmios importantes do setor, como o Caring Company, de 2014/2015, Delta Environmental Awards Green Metal Winner, de 2012 /2013, e o HSBC Living Business Awards Community Engagement Award - Certificate of Merit, em 2012 /2013.

A empresa ainda possui selos ambientais de relevância internacional, como o RoHS (conhecido como “a lei do sem chumbo”), uma diretiva Europeia que restringe a utilização de 6 substâncias perigosas nos produtos que entram no Velho Continente. Outro exemplo é o CE (Conformité Européenne, ou "Conformidade Europeia"), um indicativo obrigatório para determinados números de parâmetros que devem ser seguidos pelos fabricantes, conforme os padrões estipulados pela União Europeia.  Os produtos da OPlus Led têm vida útil maior, e sobrevivem a mais de 35 mil horas de uso, tendo dois anos de garantia.  Estes itens são fabricados a partir de conceitos sustentáveis, em uma linha de produção verde, que utiliza: fonte de seção de baixo carbono, design único, matérias-primas locais, reciclagem de lâmpadas usadas, RoHS (“Restrição de Certas Substancias Perigosas”), e são livre de raios UV e metais pesados.

A marca acompanha a evolução da iluminação LED no mundo e, portanto, trouxe para o Brasil o que há de mais novo na geração atual SMD (“Surface Mounting Device”). Como toda tecnologia, as lâmpadas também recebem atualizações e aprimoramento, sendo construídas a partir de componentes eletrônicos, a exemplo de drivers e dissipadores de calor, elementos que garantem o rendimento e tempo de utilidade do produto.

A primeira geração da iluminação, com alto desempenho versus o consumo, o diodo era a solução de maior ganho para os consumidores, por causa do fluxo luminoso em relação a sua potência. Hoje, o mercado mundial já oferece modelos mais modernos, com dispositivos montados em superfícies com um ou múltiplos chips, estrutura que visa reduzir o espaço ocupado pelos tradicionais componentes (resistências, diodos, transistores e CI's). 

O LED SMD é vantajoso, pois possui alto brilho, com mais luminosidade e visibilidade, menor consumo de energia em comparação aos LEDs comuns, como Round, Superflux e outros. Esta vantagem foi um dos fatores que motivaram a vinda da marca ao Brasil. “A ideia surgiu da necessidade de trazer produtos de maior qualidade ao mercado. Nós, brasileiros, nos acostumamos com o que temos aqui, e ficamos perplexos com a defasagem que há entre nós e o mercado externo quando fazemos uma viagem, por exemplo”  comenta Matheus Leite, sócio e diretor da OPlus LED Brasil.

Para 2016, o mercado de iluminação LED espera o crescimento médio de 22%, mesmo com a retração econômica do País, e esse nível de aumento também é estimado para os próximos anos.

Os benefícios da iluminação LED

As lâmpadas de LED têm vida útil maior do que as comuns incandescentes e florescentes, chegando a durar mais de 50 mil horas de uso, isto é, cerca de 8 anos. Outro diferencial importante é o consumo energético que pode gerar uma economia de até 90%, uma vez que a energia consumida é revertida em iluminação não em calor.

Esta nova geração de iluminação tem como vantagem uma melhor qualidade de luz, oferecendo conforto e alto rendimento para residências, espaços públicos e empresas. Com apenas 6 a 8 watts de potência, os itens produzem a mesma luminosidade que uma lâmpada incandescente de 100 watts, trazem dissipador de calor que aumenta a durabilidade da peça, acendimento instantâneo, não contêm mercúrio, metais pesados e além de não emitirem raios ultravioletas.

Outra tendência forte desse setor são as casas inteligentes em que é possível automatizar os ambientes e programar a iluminação da residência de acordo com a necessidade e gosto do morador. Somam-se a isso, opções como variedade de coloração e intensidade, comunicação com wireless e direcionamento de foco.

No caso das lâmpadas LED, o descarte também é mais fácil, uma vez que sua estrutura é 95% reciclável, sendo livre de metais pesados ou gases.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor