Oportunismo

Um deputado estadual do Rio de Janeiro, muito ligado ao grupo atualmente no governo, ofereceu apoio ao presidente Lula. Setenta prefeitos e 30 deputados que fazem campanha para Sérgio Cabral engrossariam a batalha pela reeleição do presidente. Lula agradeceu mas preferiu ficar “só” com dois palanques no estado, o do senador Crivella e o de Vladimir Palmeira.

Alugado
O aluguel de escritórios deve ficar estável este ano em relação a 2005, “em virtude de vários fatores, como a realização de eleições no Brasil. Mas o mercado está se mostrando mais aquecido do que o previsto”, ressalta Lílian Feng, coordenadora de pesquisas da Jones Lang LaSalle. Em São Paulo, apesar de um crescimento de 4% do estoque, a taxa de imóveis vazios caiu 5,5% na capital no primeiro semestre (de 22,23% registrados no mesmo período do ano passado para 16,74%). O índice de absorção líquida foi de 106 mil², 2,5 vezes superior ao verificado nos primeiros seis meses de 2005. O valor médio dos aluguéis se manteve estável, no patamar de R$ 48 m².
No Rio de Janeiro, o estoque cresceu 8%. Em contrapartida, a taxa de vacância caiu de 14,4% para 7,48%. Já o índice de absorção cresceu quase 50% no comparativo com o mesmo período do ano passado, ficando em 27,5 mil m² contra 18,6 mil m². O valor médio de locação subiu 10%, para R$ 55 m².

Fuga rápida
“É por isso que, no Brasil, a taxa de juros sobe de elevador e desce de escada”. A frase é do economista da UFMG João Antônio de Paula ao comentar a dificuldade do governo em baixar a Selic, mesmo com a inflação abaixo da meta. Ele defende o controle de capitais, em vez da simples acumulação de reservas, para garantir mais estabilidade à economia. “Sem controle de capitais Lula terá que agir como FHC: elevar rapidamente as taxas de juros para evitar fuga de capitais diante de qualquer crise externa.”

Mais carvão
A alta do preço do petróleo e o aumento do preço do gás boliviano provocam as primeiras mexidas, por enquanto ainda residuais, na composição da matriz energética do país. O Governo Lula planeja aumentar até 2015 a participação do carvão mineral de 2% para 5% na geração de energia. O Fundo Setorial de Energia Elétrica (CT-Energ), do Ministério da Ciência e Tecnologia, anuncia que, nos próximos três anos, investirá R$ 3,5 milhões em pesquisas. O Brasil tem grandes reservas de carvão em Santa Catarina e Rio Grande do Sul que, há pelo menos 20 anos, estão praticamente intocadas. O programa, além do MCT, será conduzido por Ministério de Minas e Energia, Centro de Tecnologia Mineral (Cetem), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e entidades dos setor produtivo.

Última opção
Embora, em se tratando de energia, diversificar as fontes seja sempre aconselhável, é importante lembrar que o país é detentor dos maiores recursos hídricos do mundo, o que lhe garante energia barata e limpa. Além disso, o carvão é considerado por especialistas a mais poluente das fontes de energia. Ou seja, vale apenas como complemento e para projetos específicos.

Reputação
Brasília sediará o 6° Congresso de Comunicação no Serviço Público, entre 12 e 14 de setembro. O tema central será “A Comunicação nos Três Poderes” e deverá reunir perto de 300 profissionais de todo o país. O convidado internacional é o alemão William Cox, que preside a Management & Excellence, agência européia pioneira no desenvolvimento de estudos relacionados com comportamentos éticos e governança corporativa. Ele falará sobre “O impacto da reputação no desenvolvimento de uma Nação” e vai apresentar também um estudo inédito mostrando como anda a reputação dos países da América Latina, incluindo o Brasil. O presidente da ABI, Maurício Azêdo, que fará a conferência magna de abertura, falará sobre os “Erros e acertos da Comunicação na vida democrática”. As inscrições estão abertas até o dia 11.

Classificados
Procura-se discurso de campanha capaz de dar alguma coerência a candidato que, sendo a favor do essencial da política do governo, deseja se apresentar como oposição. Os interessados devem encaminhar propostas ao comitê do ex-governador Geraldo Alckmin. Propostas que priorizem a eficiência ou a capacidade de gestão como fatores diferenciadores devem, para não serem considerados provocações de adversários, excluir a área de segurança.

Artigo anteriorNão zarpou
Próximo artigoPesquisas infladas
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.