Orelhão oficial

Um secretário do Estado do Rio de Janeiro descobriu que seu “telefone vermelho” – linha exclusiva para falar com o governador Garotinho – instalado em casa tinha uma extensão: um orelhão, no mesmo bairro onde mora o secretário. Ao ligar para a Telemar para que a empresa desfizesse a confusão, foi informado de que deveria esperar 72 horas. Nem a informação de que se tratava de um secretário de Estado comoveu a telefonista a apressar o conserto ou a chamar a supervisora. Após descartar a solução proposta pelo seu ajudante de ordens – o sargento sugeriu dar um tiro no orelhão – o secretário se encarregou, pessoalmente, de cortar o fio telefônico. Fica na dúvida se houve incompetência da empresa telefônica ou “arapongagem” – possivelmente, as duas.

Primário
Em 2005, se não for modificada a política de combustíveis, o Brasil estará exportando petróleo bruto e importando 500 mil barris de derivados. Significa mandar para o exterior um produto estratégico, mas com pouco valor agregado, e ficar dependente de importações do produto mais elaborado – principalmente diesel e GLP.
Isso pode acontecer porque se arrasta a polêmica sobre a construção de uma nova refinaria pela Petrobras – nem a Velhinha de Taubaté acredita que alguma empresa multinacional irá construir uma unidade, ainda mais porque as margens de lucro no refino no Brasil são muito inferiores à média mundial. Aqui, o refinador fica com 15,3% do preço dos combustíveis, os impostos equivalem a 54% e as distribuidoras abocanham 23,1%. Nos EUA, a margem bruta do refino é de 68%, os impostos somam 26% e a distribuição fica com apenas 6%.
Somente em países africanos se encontra paralelo com a situação brasileira: exportar óleo bruto e importar derivados.

Só pequenas causas
Sem vocação para pitonisa, esta coluna previu, no último dia 21, que a multa com que o então ministro do Trabalho, Francisco Dornelles, ameaçava os bancos que não cumpriram os prazos para entregar os extratos do FGTS estava prestes a virar mais um factóide. Na segunda-feira, emblematicamente, 1º de abril, o Conselho Curador do FGTS – de maioria governista – manteve a multa, mas o novo titular da pasta, Paulo Jobim, avisou que, antes de cumprir a decisão, vai avaliar se “é necessária aplicá-la”. A explicação não poderia ser mais auto-explicável das relações do tucanato com a banca: “é bastante elevada”. Como a multa pode chegar a 10% do valor dos extratos sonegados, totalizando R$ 3 bilhões, ou quase duas vezes o capilé tucano para os bancos Marka e FonteCindam, fica combinado assim: multa para valer só para a turma do andar de baixo ou para empresários que não são amigos do rei.

Eco
A diferença de renda entre os países mais ricos e os mais pobres, que era de 37 vezes em 1960, hoje é de 74 vezes. Os dados foram lembrados pelo presidente de Cuba, Fidel Castro, durante seu discurso na Conferência Internacional sobre Financiamento para o
Desenvolvimento, promovida pela ONU, em Monterrey, no México, no fim do mês passado. “O abismo cresce, não se reduz. Chegou-se a situações tão extremas, que as três
pessoas mais ricas do mundo possuem uma fortuna equivalente ao Produto Interno Bruto total dos 48 países mais pobres”, observou Fidel, que teve seu discurso interrompido cinco vezes por longos aplausos.

Pára
Os auditores fiscais da Receita Federal decidiram, em assembléia nacional, paralisar suas atividades por 24 horas em todo país, na próxima terça-feira. Segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Unafisco), Paulo Gil Introíni, o objetivo do movimento, além de obter reajuste emergencial de 21,66%,  é pressionar pela aprovação, no Congresso, do projeto de conversão em lei da Medida Provisória 2.175, que rege a carreira e a revogação de atos normativos e portarias que restringem a ação fiscal, facilitando o contrabando no país: “A categoria está cansada de constatar o descaso do governo em não resolver pendências que se arrastam desde 1998”, salienta Introíni.

Manifestação
Diversas entidades e organizações, entre elas CUT, Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), Grupo Tortura Nunca Mais, vão participar, hoje, ao lado de representantes da comunidade palestina, de ato público em apoio à resistência do povo palestino contra a ocupação israelense. O ato será à 11h, em frente ao consulado de Israel, na Avenida Nossa Senhora de Copacabana. Também participam da organização do protesto, PT, PCdoB e PSTU. Durante a manifestação, uma bandeira palestina será carregada por balões de gás. Os manifestantes usarão camisetas com a inscrição “Palestina Livre”.  

NeoPilatos
Até quando a ONU vai assistir de braços cruzados à cruzada genocida de Ariel Sharon contra os palestinos?

Artigo anteriorEfeito torre
Próximo artigoStatus quo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Se mirar Nordeste, Bolsonaro atingirá o próprio pé

Região tem menor média de casos e óbitos causados pela Covid.

Neodefensores do trabalhador ignoraram crise

Desemprego já era estratosférico em 2019, e apoiadores de Guedes nem ligavam.

Argentina fechará com China parceria do Cinturão e Rota

Iniciativa pode ser pontapé inicial para desenvolvimento e integração da América Latina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.

Exterior abre em alta e futuros no Brasil operam com cautela

China atinge crescimento de 18,3%; na Europa, Índice de Preços ao Consumidor amplo de março teve avanço de 1,3% ao ano.

Economia da China expande 18,3% no trimestre

A economia da China cresceu anualmente 18,3% no primeiro trimestre de 2021, à medida que as fortes demandas doméstica e externa impulsionaram a recuperação...

Estaleiro de SC investe meio milhão em linha de produção exclusiva

Estaleiro irá entregar até quatro vezes mais rápido e atender à crescente procura por embarcações novas.