Ortodoxos e heterodoxos

A missa do domingo passado foi celebrada por um sacerdote católico, mas o sermão foi feito por pastor da Igreja Metodista. Era o dia da Unidade Cristã. A missa foi emocionante para todos.
Depois de 400 anos de disputa, tantas guerras e fogueiras, padre e pastor se entendiam. Talvez não se entendam de fato sobre todas as coisas, mas deixaram de lado questões fundamentais, que nunca serão respondidas.
A história das religiões é a história das seitas que se transformam em religiões, que são contestadas por novas seitas, que se transformam em novas religiões. Um movimento sem fim entre fundamentalismo e compromisso. A religião contemporiza, compõe, transige. Seitas são intransigentes. Religião é a seita bem-sucedida.
A mesma coisa acontece com economistas.
Volta e meia, economistas recuperam o pensamento dos clássicos ou dos economistas das gerações passadas, que se perdeu na última moda. Criam-se seitas de economistas. O tempo e novas circunstâncias forçam a transigência e fundamentalistas se transformam em ortodoxos.
Os ortodoxos transigem segundo as circunstâncias, os interesses do momento. O ortodoxo é a sua circunstância. É reflexivo, mecânico, não gosta de perguntas difíceis e tem horror a alterar o estabelecido. Ortodoxos são homens práticos que evitam perguntas difíceis.
Economistas reunidos no Fórum Nacional mostraram preocupação com a redução dos juros. Seria natural ou artificial? Será que os juros baixos são compatíveis com o déficit público brasileiro? Em que sentido poderíamos chamar os juros de 40% ao ano de naturais? Os juros crescem com o sol dos trópicos e se reduzem em climas temperados? O governo está sendo temerário em reduzir os juros sem fazer as famosíssimas reformas que reduzirão o déficit fiscal? Ou será que a tendência declinante do câmbio permite juros menores?
Os alunos da faculdade são obrigados a ler livros, textos consagrados nas universidades americanas, ou seja, a ortodoxia. Como alunos, não podem fugir às perguntas fundamentais. Como deveriam pensar sobre o déficit público e os juros? O déficit público preocupa em três situações: 1) quando a economia está em pleno emprego e com pressões inflacionárias; 2) quando a economia está em pleno emprego, com taxa de câmbio fixa e desequilíbrio nas contas externas; 3) quando o déficit é tão grande e a dívida pública cresce a taxas tão rápidas que no futuro o Tesouro não conseguirá pagar a dívida com impostos e sim com mais dívida ou com emissões (preocupação do professor Thomas Sargent, da Universidade de Chicago, em artigo clássico de 1983).
A economia brasileira não está em pleno emprego nem enfrenta problemas inflacionários. Portanto, o motivo 1 não se aplica.
Com taxas cambiais flutuantes, se os gastos do governo pressionarem as importações, o câmbio deve se elevar. Como o câmbio está caindo, o motivo 2 não se aplica.
No caso brasileiro, a maior parte dos gastos do governo é com os juros altos que criam a possibilidade de a dívida se tornar impagável. Por outro lado, a dívida pública brasileira é tão curta e tão líquida que pagar a dívida com mais dívida ou com notas de R$ 100 e de R$ 50 reais não faz muita diferença.
De qualquer forma, a redução dos juros reduz o déficit público e a taxa de crescimento da dívida. Portanto, atende à preocupação 3.
Será que a desvalorização cambial aumentou o déficit público em reais? O importante é a relação entre dívida pública e quantidade de reservas. A desvalorização cambial reduz a quantidade de reais da dívida pública em relação à quantidade de dólares das reservas. Depois das desvalorização, temos menos reais para comprar dólares mais caros.
Mesmo assim o professor Gambiagi precisa gastar tempo e tinta explicando para economistas desconfiados e jornalistas investigativos que o déficit público diminuiu por causa da desvalorização cambial.
O hábito domina os ortodoxos que acabam esquecendo por que problemas são problemas e soluções, soluções.

João Sayad
Economista, professor da Faculdade de Economia e Administração da USP e ex-ministro do Planejamento (governo José Sarney). E-mail: Jsayad@ibm.net. Artigo fornecido pela Agência Folha.

Artigos Relacionados

Independência para quem afinal?

Por Ranulfo Vidigal.

Os tropeços de Úrsula von der Leyen

Por Edoardo Pacelli.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.