Os dividendos dos barões

O Itaú Unibanco, que anunciou na terça-feira lucro de R$ 21,6 bilhões – apesar da queda de 7% sobre o ano anterior, é o segundo maior da história do banco – divulgou que pagará R$ 1,05978 por ação a título de juros sobre capital próprio (JCP). A instituição avisa que alterou a prática de pagamento de dividendos e JCPs, que passará a ser de 35% a 45% do lucro líquido consolidado recorrente nos próximos exercícios. Somando o montante já distribuído durante o ano de 2016 com o que será distribuído em 3 de março próximo, o total a ser pago aos acionistas alcança espantosos R$ 10 bilhões, 45% do lucro líquido consolidado recorrente de 2016, o que representa um aumento de 36,9% em relação ao exercício de 2015.

Os principais acionistas do Itaú, a Investimentos Itaú S/A (Itaúsa) e a Itaú Unibanco Participações S/A (Iupar), detêm juntos quase metade (45,66%, segundo a última posição) das ações do banco, o que implica que receberão R$ 4,5 bilhões. Quem são os donos destas empresas? Bem, 40% da Itaúsa pertence às famílias Villela e Setubal, fundadoras do Itaú. Metade da Iupar é da E. Johnston de Participações, formada pelos quatro filhos de Walther Moreira Salles, que foi o fundador do Unibanco; a outra metade é da própria Itaúsa.

Fazendo as contas, as famílias Villela, Setubal e Moreira Salles embolsarão, ainda que indiretamente, cerca de um terço dos R$ 10 bilhões, ou R$ 3,3 bilhões. Os valores de JCP são líquidos, tendo os parcos 15% de Imposto de Renda descontados na fonte. Já os dividendos são considerados pelo Leão como rendimentos isentos e não tributáveis.

Concentração

A quarta edição do prêmio Melhor Banco para Investir (MBI), realizado pelo Centro de Estudos em Finanças da Fundação Getulio Vargas (FGV GVCef) em parceria com a Fractal Consult, avaliou os bancos que possuem ao menos 50 agências bancárias e que têm distribuição nos maiores estados do país. Em 2016 concorreram aos prêmios apenas Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú e Santander.

Sem grife

As marcas chinesas de smartphone OPPO, Huawei e Vivo superaram a Apple, dos EUA, e se tornaram as três mais vendidas na China em 2016. Elas corresponderam a 48% do total do mercado chinês no ano passado. A venda total de smartphones no país aumentou 8,7%, para 467,3 milhões.

OPPO e Vivo são populares entre os jovens, resultado atribuído às propagandas com celebridades e em programas de entretenimento, além de uma rede varejista bem desenvolvida nas cidades menores.

No mundo, segundo a consultoria IDC, as cinco marcas mais vendidas no ano passado foram Samsung, Apple, Huawei, OPPO e Vivo.

Enquanto isso, no Brasil, que fica entre o quinto e sexto maior mercado de smartphones do mundo, as marcas mais vendidas são Samsung, Motorola, LG e Apple. Nenhuma brasileira. Marcas nacionais, só nos celulares tradicionais, bem mais baratos (na faixa de R$ 200).

Reforma

Reflexo do atual cenário econômico no país, há um aumento das oportunidades de retrofit (reforma e modernização) no mercado de construção. A Dormakaba, que atua tanto na área de novos projetos quanto na de atualização, viu esta última subir para 20% na atuação da companhia.

Miau

O neo ex-ministro Moreira Franco, citado em um punhado de delações na Lava Jato, acha que “ranços ideológicos impedem desenvolvimento da aviação civil no país”. Um dos delatores, Claudio Melo Filho, ex-lobista da Odebrecht, relata a desenvoltura do “Angorá” em negócios de aeroportos.

Rápidas

No próximo sábado, será realizada a primeira edição do ano da Feira de Adoção de Animais Me Leva Pra Casa no Shopping Jardim Guadalupe (RJ) *** Mais de 150 startups e cerca de 100 grandes empresas são esperadas no evento de empreendedorismo e inovação Open Innovation Week (Oiweek), em 21 e 22 de fevereiro, em São Paulo. Detalhes em www.oiweek.com.br/2017/ *** O Centro de Excelência em Varejo (GVcev) da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV Eaesp) realizará na próxima quarta-feira, a partir das 8h30, um seminário com especialistas do varejo para apresentar as tendências econômicas, políticas e tecnológicas do setor nesse ano. Inscrições em GVcev: www.fgv.br/cev *** A Fundação Dom Cabral tem novo endereço no Rio de Janeiro. Seu campus agora está na Praia de Botafogo. E aproveita para lançar nesta sexta-feira o livro A sucessão como ela é: dos sentimentos aos jogos políticos nas organizações (Saraiva, 2017), do professor Emerson de Almeida, cofundador da Fundação *** Nesta quinta e sexta-feira, das 10h às 16h, o Passeio Shopping (RJ) realizará a “Ação de Educação Ambiental”, em parceria com a empresa Grande Rio Ambiental. O evento vai marcar o início das atividades do posto permanente de coleta de óleo cozinha *** A multinacional norte-americana Lubrizol tem novo presidente no Brasil: Wagner Sá assume a direção da empresa no país e a vice-presidência para a América Latina.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Juntar 2 meses e meio de auxílio para comprar cesta básica

Não só a pandemia, mas inflação é ameaça às pretensões de Bolsonaro.

Se mirar Nordeste, Bolsonaro atingirá o próprio pé

Região tem menor média de casos e óbitos causados pela Covid.

Neodefensores do trabalhador ignoraram crise

Desemprego já era estratosférico em 2019, e apoiadores de Guedes nem ligavam.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Campos marítimos do pós-sal estão em decadência

Os campos marítimos do pós-sal já produziram cerca de 16 bilhões de barris de óleo equivalente ao longo de sua história, ou seja, 63%...

Motoboys protestam em São Paulo

Entregadores tomaram ruas de São Paulo contra baixa remuneração e péssimas condições de trabalho

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.