Os muitos furos da amizade Bolsonaro/Queiroz

Por que Bolsonaro foi cobrar uma dívida antiga quando o assessor estava na pior, separado e morando em uma comunidade?

Na entrevista/pronunciamento que fez na Record, o agora presidente Jair Bolsonaro alegou que a origem dos cheques depositados pelo amigo faz-tudo Fabrício Queiroz na conta da agora primeira-dama seriam pagamento de um empréstimo antigo, que foi se acumulando até chegar a R$ 40 mil. Longe de encerrar a história para o lado do chefe da Família Bolsonaro, a alegação traz furos robustos:

1) Em primeiro lugar, deixa a porta aberta para qualquer comandado, pego em falcatrua, alegar que é uma dívida antiga. Por muito menos que isso, o então juiz rigoroso Sérgio Moro colocou muita gente boa na cadeia.

2) Se era tão amigo de Queiroz, por que Bolsonaro foi cobrar uma dívida antiga quando o assessor estava na pior, separado e morando em uma comunidade, alegadamente juntando dinheiro para comprar um apartamento e sair de lá?

3) Se estava precisando de grana para mudar de imóvel, por que Queiroz deixou o cargo de assessor parlamentar, no qual recebia R$ 10 mil? Alega que precisava tratar de grave doença. Mas, com a compreensão do chefe Flávio Bolsonaro, com certeza poderia continuar na Alerj e cuidar da saúde, como qualquer pessoa normal, ainda mais com a flexibilidade de horário de que gozava a Família Queiroz.

4) Se precisava de dinheiro, mas não admitia continuar como assessor enquanto era submetido ao tratamento, por que a mulher e a filha igualmente saíram da assessoria da Família Bolsonaro? Afinal, Queiroz alegou que concentrava em sua conta 100% do vencimento líquido das duas para comprar um imóvel. Desistiu da mudança?

A Operação Uruguai, tramada por Collor para explicar seus gastos muito acima dos rendimentos, foi mais bem elaborada. E demolida em menos de um mês.

 

Estratégia dimensional combinada

A publicação original foi na Newsweek, reproduzida pelo Jornal do Brasil em 9 de outubro de 1982, na coluna do Zózimo. Tivesse sido publicada ontem, seria tão atual quanto. Vale como um manual para quem for conversar com Paulo Guedes:

 

Três anos fora

Na mesma sentença em que a justiça de São Paulo condenou o atual ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, em 19 de dezembro, a Fiesp foi igualmente condenada a pagar multa e proibida de contratar com o setor público ou receber benefícios ou incentivos fiscais e creditícios por três anos.

 

Apropriado

Depois do outubro rosa, veio o novembro azul e o dezembro laranja.

 

Rápidas

A primeira Feira do Lavradio de 2019 será neste sábado. Na programação, às 16h30, o cantor Marcos Novatto apresentará uma leitura de vários clássicos do samba, ao som do Sambalanço *** Estilistas que participaram das turmas do espaço Ateliarte em 2018 apresentarão o desfile “Encantu’s Fashion Kids” neste domingo, no Caxias Shopping, a partir das 16h *** Flavio Henrique Sakai (Harman) e Edson Orikassa (Toyota) iniciaram nesta quarta os mandatos de presidente e vice-presidente da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Eve desenvolverá modelo de operação de Mobilidade Aérea Urbana

A Eve Urban Air Mobility, empresa da Embraer, e a Bristow Group Inc. (NYSE: VTOL), líder mundial em soluções de voo vertical, anunciaram, nesta...

China: Ampliar apoio à energia verde agrada banco de investimento

O Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (BAII) declarou que dá as boas-vindas ao anúncio da China de aumentar o apoio à energia verde...

XP: Preços de ativos podem sofrer na atual turbulência de mercado

Um dia depois do aumento de 1 ponto percentual da taxa básica de juros, a Selic (agora em 6,25% ao ano), pelo Comitê de...

Projetos de energias renováveis em substituição ao uso do diesel

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Eletrobras firmaram um Pacto de Energia para atuarem conjuntamente na busca de soluções...

Proposta atualiza regulamentação sobre as cooperativas de crédito

Texto em análise na Câmara dos Deputados promove uma série de modificações na Lei do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC), abordando o Projeto...