Os sem-petróleo

Os generosos espaços – incluindo manchetes de primeira página – abertos por jornalões conservadores a denúncias de petroleiros contra a Petrobras animaram os funcionários da Gol, que debatem a realização, nesta sexta-feira, de greve contra a companhia. Será, porém, que o movimento de um setor no qual a segurança é vital e envolve integração nacional e aspectos estratégicos vai merecer a mesma cobertura desse tipo de imprensa? Ou a ausência de petróleo para ser distribuído a grandes grupos multinacionais não provoca o mesmo entusiasmo desses jornalões por campanhas sindicais?

Raposão
A proposta do diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), Ricardo Morishita, de que, nos setores de telecomunicações, TV paga, financeiro e cartões de crédito, predomine a auto-regulamentação é a oficialização do reinado da raposa na porta do galinheiro. Em tempo, o DPCD é órgão da Secretaria de Direito Econômico do Ministério da Justiça. Portanto, pelo menos oficialmente, deveria defender os direitos do consumidor e não das empresas, que já mantêm relações bastante assimétricas com seus consumidores.

Bastidores
Fatos estarrecedores dos bastidores da política e do poder se somam a uma história de lutas, sofrimentos e vitórias no livro autobiográfico De Faxineiro a Procurador da República, cuja segunda edição o procurador do MPF Manoel Pastana lança em Brasília nesta sexta-feira, às 19h30m, na Livraria Cultura do Shopping Villa-Lobos. A história de vida do autor rendeu a ele o Troféu Superação de 2009, concedido pelo programa Mais Você, da Rede Globo (escolha feita em votação nacional).
No livro, Pastana antecipa a absolvição de José Dirceu e dos demais acusados de comandar o mensalão, assinalando que apenas integrantes braçais da quadrilha, como Marcos Valério e outros peixes pequenos, sofrerão alguma condenação.

Nada
Para o candidato ao Senado pelo Rio de Janeiro Cesar Maia, o ponto alto de José Serra na entrevista ao Jornal Nacional, quarta à noite, foi quando falou do imposto sobre combustíveis: “Do começo de 2003 para cá, foram arrecadados R$ 65 bilhões para transportes, para estradas, na Cide. É um imposto. Sabe quanto foi gasto disso pelo governo federal? R$ 25 bilhões. Ou seja, foram R$ 40 bilhões arrecadados dos contribuintes para investir em estradas do governo federal que não foram utilizados.”
Faltou perguntar, porém, quanto do que arrecadou com a Cide o governo do tucano FH, aliado de Maia, gastou em estradas?

Felicidade triste
O êxtase com que o presidente Lula comemorou os lucros recordes dos bancos tupiniquins, alegando que, “quando eles não ganham dinheiro, dão mais prejuízo”, esbarra, como quase sempre ocorre com a retórica de políticos erráticos, na questão da dimensão. Obviamente,  o problema não é os bancos daqui terem lucro, mas, sim, o tamanho dos seus ganhos, suas origens e a comparação com que é amealhado pelos setores produtivos. Quando parte substancial do lucro do setor financeiro é cevado pelo pagamento, por parte do setor públicos, dos juros reais mais elevados do planeta, nenhum presidente tem razão para estar “muito feliz”. Apenas, em 2009, por exemplo, a gastança com juros somou R$ 160 bilhões, dos quais dois terços, ou pouco mais de R$ 100 bilhões, foram destinados a somente 15 mil clãs. Ou seja, a alegria de poucos é devedora da tristeza de muitos.

Cadeado
O Ministério da Justiça deve iniciar até o fim do mês debate público sobre nova proposta para a proteção de dados pessoais no Brasil. O anúncio foi feito pela secretária de Direito Econômico do Ministério da Justiça (MJ), Mariana Tavares de Araújo.

Resultado
Em locais nos quais o Programa Saúde da Família (PSF) tem boa cobertura houve redução de 9% a 13% na taxa de mortalidade de crianças menores de 5 anos, especialmente nas mortes causadas por diarréias e por infecções respiratórias. Em municípios, nos quais a cobertura do PSF era baixa houve redução de apenas 4% na taxa de mortalidade. O estudo de pesquisadores da Universidade Federal da Bahia, divulgado pela agência Notisa, será publicado no jornal internacional Pediatrics.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPorto seguro
Próximo artigoMilagrosos

Artigos Relacionados

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Lei determina que estatais respeitem interesse público

Acionistas da Petrobras sabem que ela tem obrigações e bônus por ser de economia mista.

Últimas Notícias

Metrô: Estação Presidente Vargas vai se chamar Saara

PL segue para segue para o governador Cláudio Castro, que tem 15 dias para sancionar ou vetar.

Mais um evento no Rio

Expectativa é receber cerca de mil empresas do setor de supermercados.

Check-up do acerto de contas com o Leão

Por Sandro Rodrigues

A nova revolução do setor contábil

Por Mauricio Frizzarin.