Osmose

Os balanços inflados de bancões dos Estados Unidos revelam que, embora fortemente assimétricas, as relações entre os membros da Nafta também contemplam fluxos simbólicos com origem nos dois integrantes menos poderosos do bloco econômico que junta os três países da América do Norte. Até há pouco, por exemplo, o glossário econômico associava maquiladoras apenas às empresas-empacotadoras montadas no México para burlar leis trabalhistas e fazer, com mão-de-obra mais barata, o que produziriam nos Estados Unidos.

Leão faminto
Mesmo pagando em dia seus impostos, as empresas não estão livres da Receita Federal. A União se engana e comete abusos. É o que mostra o advogado Jorge Otávio Alvorcem Teixeira no livro Defenda-se dos Abusos Fiscais (Fábrica de Leitura, 128 páginas, R$ 24,90). Ele mostra o exemplo de uma empresa que não devia qualquer imposto, foi incluída na Dívida Ativa da União, cadastrada no Cadin e executada  judicialmente. A empresa precisou contratar advogado para se defender, além de estar com o nome “sujo” na praça. Alvorcem mostra que existem soluções legais, viáveis e perfeitamente possíveis de sucesso na luta contra os abusos fiscais.

Sobrevivência
A crise financeira pode mudar os planos políticos do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, que sonhava disputar o governo de Goiás em 2010. Embora não tenha descartado a possibilidade de candidatura, Meirelles alegou, durante o 8º Fórum Empresarial/2º Fórum de Governadores, que a sua prioridade neste momento é continuar no comando do BC. “No momento, não há margem para se pensar em outra coisa. Tenho um compromisso com o presidente Lula”. Um dos comandantes da ala dos juros altos no governo, o presidente do BC está enfraquecido e parece pautar sua prioridade pela manutenção da política de engorda dos bancos. Além disso, com o aumento do desemprego, uma disputa majoritária nas urnas faria a alegria de seus adversários.

“Fraternité”
O Ano da França no Brasil será aberto oficialmente neste feriado de Tiradentes, no Rio de Janeiro, com uma programação que inclui uma queima de fogos de artifício com o dobro de duração do que ocorre na festa do Réveillon em Copacabana. Durante meia hora, o espetáculo acontecerá sobre o espelho d”água da Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul da cidade. Os fogos serão detonados a partir de uma estrutura flutuante em forma de Y, com 1.500 metros de extensão. Espera-se um público em torno de 1 milhão de pessoas, a partir das 17h.
O Ano da França no Brasil foi lançado oficialmente em dezembro de 2008 pelos presidentes Nicolas Sarkozy e Luiz Inácio Lula da Silva. A agenda da comemoração prevê eventos que serão realizados até o dia 15 de novembro, em diversas partes do país.

PPP
Os empresários estão certos em criticar a queima de dinheiro público em falcatruas e desperdício no Executivo, Legislativo e Judiciário. Porém, seria interessante saber quantos dos executivos que participaram do baile na ilha da fantasia, este final de semana, foram lá apenas debater questões do interesse do país, e não aproveitar o recanto paradisíaco para reforçar lobby junto a autoridades do primeiro escalão do governo. Ou quantos nunca recorreram, ou foram obrigados a recorrer, a expedientes, digamos, extra-oficiais para tocar seus negócios.

Umbigo
Também são mais que justas, obrigatórias, as críticas aos altos juros cobrados pelos bancos. Mais justiça ainda ocorreria se os empresários passassem do discurso à ação. Há magazines cobrando de seus consumidores juros superiores a 100% em financiamentos de dois anos.

Cheios de dedos
É emblemático que colunistas de jornalões que têm investido contra a ação do delegado Protógenes Queiroz no caso do Banco Opportunity recorram a verdadeiras ginásticas retóricas para assegurarem nada terem contra investigações que envolvam acusações de crimes de colarinho branco. Ajudaria na argumentação se apresentassem um histórico de colunas anteriores em que exibiram algum nível de preocupação contra supostas ações “abusivas” da Polícia Federal contra integrantes do andar de baixo.

Artigo anteriorGastar ou gastar
Próximo artigoSem gueto
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

TCU confirma que União paga R$ 3,8 bi de juros e amortização por dia

Mais de ¼ dos títulos da dívida pública vencem em 12 meses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Água, saneamento e crescimento para todos

Há pouco tempo para implantação das metas do novo marco legal.

Automação das matrículas acelera com o uso de biometria facial

Cresce procura por soluções tecnológicas de Reconhecimento Ótico de Caracteres para operações como cadastro dos alunos nos sistemas escolares

Mercado ainda digere Fomc e MP da Eletrobras passa no Senado

O Ibovespa fechou em queda de 0,93%, na esteira dos receios globais e das discussões envolvendo a MP.

Relator vota contra autonomia do BC, mas vista adia julgamento no STF

Lewandowski vota por derrubar a lei, sancionada em fevereiro, que dá autonomia ao BC, mas pedido de vista de Barroso interrompe julgamento.

Abbas recebe credenciais de embaixador brasileiro

Diplomata Alessandro Candeas entregou nesta semana suas credenciais ao presidente da Palestina, Mahmoud Abbas.