Osvaldo Nobre, um guerreiro em defesa do Brasil

Engenheiro com importante atuação na área de energia, colaborador do 'Monitor' há 19 anos, faleceu no Rio de Janeiro nesta segunda-feira.

Faleceu às 7h47 desta segunda-feira, por deficiência respiratória, o engenheiro, colaborador do Monitor Mercantil e amigo Osvaldo Luiz Nobre Pinto. Com extenso currículo nas áreas de energia e economia, Osvaldo Nobre dirigiu empresas públicas e privadas com inigualável talento.

Foi presidente da Companhia de Eletricidade de Alagoas, diretor Financeiro da ITA Energética, diretor Econômico-Financeiro da Escelsa, diretor-adjunto do Dnaee, diretor da Caeeb, assistente da Presidência da Eletrobras, onde também chefiou o Departamento de Acompanhamento e Controle. Nobre foi conselheiro na Cerj, Coelce, Ceal e Eletronorte e assistente da Diretoria de Itaipu.

Fora da área de energia, presidiu a Comissão de Supervisão do World Trade Center de São Paulo e foi consultor de bancos e fundos de pensão, entre outras empresas de diversos setores, como o de comunicação.

Dono de um texto fluente e de uma capacidade de análise geopolítica impecável, escreveu os livros Brasil – País do Presente (2003), Bric ou RIC (2008), Década de Transformações (2010) e A Tragédia Brasileira (2015).

Colaborou com o Monitor Mercantil desde o ano 2000, tendo escrito dezenas de artigos, sempre com repercussão nacional. Os textos antecipavam caminhos do Brasil, como o que publicou em 8 de dezembro de 2010, sobre o pré-sal. No artigo, afirmou: “Os que estudam, minimamente, a questão do petróleo mundial sabem que a história da busca deste insumo não prima pela ética e, ao contrário, constitui-se um jogo pesado em que invasões, apropriações e assassinatos foram e são ainda eventos corriqueiros.”

“Não se pode esquecer que dentre os interesses vitais dos EUA estão, entre outros, os seguintes: evitar que países potencialmente hegemônicos se desenvolvam e evitar coalizões hostis; assegurar o acesso incondicional aos mercados decisivos ao fornecimento de energia e aos recursos estratégicos; garantir a liberdade dos mares, vias de trafego aéreo e espacial e a segurança das linhas vitais de comunicação.” O artigo foi escrito quase quatro anos antes do início da Operação Lava Jato e do cerco à Petrobras.

Continuou Osvaldo Nobre: “Sem temer que se classifique como paranoia ou mais um capítulo da Teoria da Conspiração (…) não manifesto qualquer inibição em registrar o seguinte: ou aparelhamos nossas Forças Armadas, em especial a Marinha, ou ficaremos apenas com as ‘sobras’ de um pré-sal que é nosso.”

A ameaça antecipada por Nobre acabou acontecendo, embora nem ele pudesse imaginar que o Brasil abriria mão do controle do pré-sal sem que fosse disparado um único tiro. Mas o alerta estava lá: “Os deputados que cuidem de melhorar e revisar a nossa legislação, em particular a de 1997, mutilada pelos lobbies (Big Oil) a cuja ação $ucumbiram. Aqueles que são neófitos e vagabundos parem para pensar que a ninguém convém uma cisão federativa. Revisem a legislação do petróleo. Preocupem-se também em aparelhar nossas Forças Armadas, enquanto é tempo. Imbecilidade e burrice têm limites!”

Osvaldo Nobre era um ótimo papo, profundo conhecedor do Brasil e viajante por mais de 45 países. Era colaborador assíduo desta coluna, seja com informações exclusivas ou comentários precisos e análises argutas. Seus telefonemas ao final da tarde ou as visitas esporádicas farão muita falta.

Brasileiro, nacionalista, Osvaldo Luiz Nobre Pinto deixa esposa, Rose, quatro filhos e cinco netos. O velório será realizado quarta-feira (2), às 10h, na capela 4 do Memorial do Carmo, no Caju, Rio de Janeiro (RJ). A cremação será às 13h.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Indústria naval apresenta propostas para eleições 2022

Setor quer deixar para trás maré ruim dos últimos 7 anos

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Últimas Notícias

Estados reduzem ICMS, mas dólar pode elevar combustíveis

Ao menos 11 governos anunciaram queda do imposto.

Fertilizantes e óleo reduzem superávit da balança comercial em junho

Governo reduz projeção para o ano: US$ 81,5 bilhões.

Sanções contra Rússia levam inflação na Europa para perto de 2 dígitos

Preços da energia subiram 42% em 1 ano.

Emprego cresce na Espanha após mudanças na reforma trabalhista

Números ainda são influenciados pela recuperação pós-pandemia.

Preço do cobre cai 25% desde o pico em 2022

Riscos de recessão aceleraram desvalorização do metal.