Outdoor

Depois de dois anos existente apenas na mídia, a obra de reforma do prédio do Jornal do Brasil para as novas instalações do Instituto de Traumato-Ortopedia (Into), no Rio de Janeiro, evoluiu, há coisa de um mês: colocaram uma placa com o nome da empreiteira (Delta) e do Ministério da Saúde. Passadas duas semanas, nova evolução: a placa, que havia ficado em um andar baixo, difícil de ser vista do viaduto que passa ao lado do prédio, foi elevada para o andar superior.

Mais uma
Os jornalões brasileiros estão novamente empenhados em uma batalha quixotesca: querem derrubar o governo de Cristina Kirchner. Na primeira semana de julho, foram publicadas dezenas de reportagens especulando sobre os problemas que o governo argentino teria com a derrubada, na Câmara dos Deputados, do projeto que determina impostos sobre exportações de alimentos, destinado a frear a gana do especuladores. Pois o casal Kirchner passou por cima dos catastrofistas e ganhou a votação. Não satisfeitos, os jornalões brasileiros passaram a dizer que o problema é no Senado e a defender o locaute dos grandes produtores rurais (se fossem trabalhadores, criticariam a violação do direito de ir e vir e o prejuízo que causam aos mais pobres).
Mesmo o mais pretensioso dos jornalões sabe que não tem influência alguma na Argentina; o objetivo é evitar que idéias semelhantes prosperem aqui.

Saúde
Especialistas em Famarcoeconomia vão se reunir para debater novas idéias e rumos do setor no Hilton de Buenos Aires, Argentina, neste sábado. O especialista em Negócios de Saúde Rodrigo Alberto Correia da Silva, do escritório Correia da Silva Advogados, será um dos representantes brasileiros no V Fórum de Farmacoeconomia e Gestão em Oncologia. O evento terá entre os principais temas: avanços na medicina e gestão.

Improcedente
No final de junho, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) não reconheceu o recurso especial interposto pela seção brasileira do Fundo Mundial para a Natureza (WWF-Brasil), no processo movido contra o Movimento de Solidariedade Ibero-americana (MSIa), já considerado improcedente nas duas instâncias inferiores. Por três votos a dois, a corte desconsiderou a alegação do WWF, de que “vem sendo difamada em diversas atividades e publicações”, processo no qual a ONG internacional pedia uma indenização por danos morais.
No acórdão, os ministros consideraram que “não se configura dano moral indenizável, mas mero debate de comunicação na realização de atividade e publicações, por parte de ONG contra ONG que lhe seja adversa”.

Há vagas
A crise na economia não mudou a política de grandes empresas em contratar formando universitários. Cerca de dois terços dos executivos entrevistados pela empresa de RH Korn/Ferry International dizem que as suas organizações estão planejando contratar graduados com diploma de bacharel ou de pós-graduação neste ano. Além disso, 65% dizem que estão contratando quer seja o mesmo número (35%) ou mais (30%) em comparação com os últimos anos.

Olho na olho
O processo de entrevista é o elemento decisivo na contratação dos formandos, com 71% das escolhas, em comparação com estágio anterior ou experiência de trabalho (21%), reputação da escola (5%) e referências (4%). Durante a fase de entrevista, o erro mais comum cometido pelos candidatos é de não obterem informação prévia sobre o cargo e a empresa (59%).

Ossos do ofício
Quem está surpreso com a ausência de operações policiais no Morro da Mineira para prender os assassinos dos três jovens entregues a gangue rival da que dominava a área em que moravam, na Providência, deve buscar saber quem foram os responsáveis pela desova dos cadáveres na Baixada Fluminense.

Prisão
Cacciola já deve estar louco para voltar para o Brasil.

Marcos de Oliveira e Sérgio Souto

Artigo anteriorPerda de margem
Próximo artigoTambém lá
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Indústria do Brasil cai menos que mundial na pandemia

‘Soluço’ não detém trajetória de queda iniciada no final dos anos 1980.

Batendo palma para maluco dançar

CPI precisa ser ágil para não deixar governistas propagarem mentiras impunemente.

Cristiano Ronaldo, Coca-Cola e Nelson Rodrigues

Atitude do craque português realmente derrubou ações da companhia de bebidas?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Energia renovável tem custo abaixo de combustível fóssil mais barato

Energia solar para instalação comercial ficou 55% mais barata entre 2017 e 2020 no Brasil.

Renda mensal per capita para acesso ao BPC reduziu para 1/4 do mínimo

Também foi regulamentado o auxílio-inclusão.

Indústria do Brasil cai menos que mundial na pandemia

‘Soluço’ não detém trajetória de queda iniciada no final dos anos 1980.

STF confirma decisão que considera Moro parcial no caso do triplex

Marco Aurélio e Luiz Fux votaram contra parcialidade do ex-juiz.

Salles pede para sair

Alvo de investigações, ministro do Meio Ambiente teve exoneração publicada em edição extra do D.O.U.