País de privilegiados

Os leitores habituais da coluna (ok, não são tantos, mas são fiéis) já se acostumaram com a frase “torture...

Os leitores habituais da coluna (ok, não são tantos, mas são fiéis) já se acostumaram com a frase “torture os números, que eles dirão o que você quer”, emprestada de um economista amigo (diferentemente de personagens simbólicos, como a grã-fina de narinas de cadáver, de Nelson Rodrigues, trata-se de uma pessoa real). A Federação das Indústrias do Rio, em anúncio de página inteira, não precisou contornar a Matemática para defender a Reforma da Previdência. Usou um único número, que fora de contexto tem o mesmo valor de um zero à esquerda – sem vírgula. Acusa que, entre 2001 e 2015, R$ 1,3 trilhão extraídos dos impostos pagos por 98% dos brasileiros foram para “quitar o déficit das aposentadorias de uma casta de 2% de privilegiados”.

A coluna não tem procuração para defender os funcionários públicos, nem o colunista pertence a tal casta de abonados pela Viúva. Mas não se furta a colocar pingos nos “is”. Somos hoje 208.372.638 (às 15h21) de brasileiros. Dois por cento são então 4.167.153. Dividindo o valor amealhado pela “casta”, temos, arredondando, R$ 312 mil por cabeça. Em 15 anos. Portanto, R$ 20,8 mil por ano, R$ 1,733 mil por mês.

Muito ou pouco? Injusto? Para não ficar na defesa ideológica, podemos comparar. No mesmo período, de 2001 a 2015, a União pagou R$ 1,454 trilhão em juros reais sobre a dívida interna (valores históricos, dados oficiais do Banco Central). Segundo a Anbima, em 2014 havia 11,5 milhões de cotistas em fundos de investimento. Porém, a informação não distingue quem possui quanto. A alta concentração permite deduzir que a maior parte dos juros foi paga aos 71 mil milionários que detinham 22,7% das riquezas de bens declarados ao fisco em 2013. Para fazer uma conta mínima, vamos supor que esses ricaços fiquem com este percentual dos juros. Cada um embolsaria R$ 310 mil por ano, ou quase R$ 26 mil por mês.

Parece pouco? É. Façamos outra comparação. Em 2013, R$ 196 bilhões da renda deste 71 mil felizardos era isenta de Imposto de Renda (lucros e dividendos). Se recolhessem ao Fisco com uma alíquota de 27,5%, como fazem os assalariados, pagariam, naquele ano, R$ 53,9 bilhões. O valor bate com a estimativa de que o Leão deixa de embolsar cerca de R$ 60 bilhões por ano devido às isenções concedidas pelo senhor Fernando Henrique Cardoso quando presidente (na OCDE, grupo de países de economia ortodoxa, só a Estônia oferece tal tipo de isenção ao topo da pirâmide). Voltando às contas, o valor de imposto isento, dividido pelo número de milionários, dá R$ 760 mil por cabeça por ano, R$ 63 mil por mês.

Somando tudo, noves fora, são praticamente R$ 90 mil por mês que a Viúva transfere mensalmente ao grupo que ocupa o topo da pirâmide no Brasil. Quem são mesmos os privilegiados?

 

Camarada

O que representa (Hugo) Chávez para o Brasil?”

É uma esperança para a América Latina, e gostaria muito que essa filosofia chegasse ao Brasil.”

O que acha dos comunistas apoiarem Chávez?”

Ele não é anticomunista, e eu também não sou. Na verdade, não tem nada mais próximo do comunismo que o meio militar. Nem sei que é comunista hoje em dia.”

O autor das respostas? Jair Bolsonaro, em entrevista ao Estado de S.Paulo, em 4/9/1999.

 

Solteiro em Sampa

Há, proporcionalmente, mais solteiros em São Paulo (39,2%) do que no Rio de Janeiro (29,9%); e mais ainda na capital paulista (49,1%) do que no total do estado. Os dados constam de enquete realizada pela UnitFour em sua base de dados. Existem mais homens solteiros que mulheres com o mesmo estado civil.

 

Recuperação

O comércio teve queda em outubro, informa o IBGE.

 

Rápidas

Prosseguem as comemorações da Semana da Engenharia. A Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Rio (Seaerj) conclui ciclo de palestras nesta quinta, às 17h30, com painéis sobre a Engenharia e a Arquitetura na conjuntura do Brasil. Na sede da entidade, Rua do Rússel, 1, Glória. Entrada livre *** As inscrições do processo seletivo para o Serviço Militar Voluntário (SMV) de oficiais temporários da Marinha do Brasil terminam nesta sexta-feira. Os rendimentos iniciais batem quase em R$ 9 mil. Detalhes em www.ingressonamarinha.mar.mil.br *** O projeto Domingo de Brincadeira do Caxias Shopping (RJ) apresenta dia 17 o espetáculo A História de Noel, a partir de 16h *** A Associação dos Advogados de São Paulo (Aasp) elegeu novo presidente na tarde desta quarta-feira. Luiz Perissé assumirá em janeiro de 2018.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Lei determina que estatais respeitem interesse público

Acionistas da Petrobras sabem que ela tem obrigações e bônus por ser de economia mista.

Últimas Notícias

EUA: 3 em 4 mortes por Covid foram acima de 65 anos

Segundo relatório, óbitos pela doença no país equivalem a ataque de 11 de setembro todos os dias durante 336 dias.

China emite US$250,66 bilhões em títulos dos governos locais até abril

Os governos locais da China emitiram mais de 1,69 trilhão de yuans (cerca de US$ 250,66 bilhões) em títulos nos primeiros quatro meses deste ano, mostraram os dados do Ministério das Finanças nesta quarta-feira.

Produção da indústria satélite da China atinge US$ 69 bilhões

O valor total de produção da indústria chinesa de navegação e serviços de localização por satélite atingiu 469 bilhões de yuans (US$ 69,6 bilhões) em 2021, um aumento anual de 16,3%, de acordo com um livro branco da indústria divulgado na quarta-feira.

Flexibilidade aumenta conexão com a cultura da empresa

Política de benefícios adaptada aos modelos remotos permite que profissionais se sintam vistos, mesmo que fisicamente não sejam

Itália é o segundo país europeu que mais vende alimentos ao Brasil

Portugal lidera ranking; Brasil também tem nichos de mercado para alimentos da Jordânia.