Pandemia fez brasileiro valorizar benefícios em saúde

Levantamento realizado pela Ticket sobre o impacto da Covid-19 na vida dos brasileiros com mil usuários apontou que de que quatro em cada cinco pessoas consideram que ter um auxílio-saúde, como planos de saúde, benefício-saúde ou descontos em serviços médicos, se tornou mais importante após a pandemia.

Segundo os respondentes do levantamento, as principais vantagens de ter auxílio-saúde são realizar consultas, exames e outros procedimentos na rede particular, quando necessário (20%); receber atendimento em momentos de emergência, como acidentes ou problemas de saúde (15%), e proporcionar cuidados à família por meio da extensão a dependentes (14%). Em relação aos familiares, 74% disseram que têm parentes próximos ou parceiros (as) que não contam com nenhum tipo de auxílio-saúde e 83% gostariam de incluí-los como seus dependentes em seu auxílio de saúde, se pudessem.

Caso fossem os responsáveis pela contratação do auxílio para as empresas em que trabalham, os respondentes afirmam que os principais serviços que precisam constar na oferta são: consultas médicas (14%), atendimento emergencial (11%), exames de alta complexidade, como endoscopia e colonoscopia (11%), exames de imagem (11%) e exames de sangue (11%).

A amostragem de respondentes da pesquisa é composta por 52% de mulheres e 47% de homens. Entre as faixas etárias, foram 9% de 18 a 24 anos; 25% de 25 a 34 anos; 29% de 35 a 44 anos; 23% de 45 a 54 anos; 9% de 55 a 60 anos; e 6% com mais de 60 anos.

Já levantamento da plataforma Acordo Certo apontou que seis em cada 10 brasileiros relatam impactos na saúde mental causados por problemas financeiros. Entre os problemas citados estão alterações de humor (72%) ou sono (71%), além de ansiedade (67%) e baixa produtividade nas tarefas do dia a dia (62%).

Para o professor da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap) Matheus Albergaria, a crise sanitária deve agravar desvalorização do real. O especialista diz ser difícil fazer uma previsão otimista para a economia.

“Valendo-se do cenário atual, estamos com sérios problemas em termos de políticas sanitárias focadas no combate à Covid-19. Se as coisas continuarem andando a passos lentos nos próximos seis meses, com a vacinação devagar como tem ocorrido, podemos esperar uma contínua desvalorização do real”, opina.

O especialista acredita que, neste momento, é fundamental um maior grau de coordenação das políticas de saúde pública.

“Assistimos a uma tragédia anunciada no momento. Muito se fala, mas pouco se faz em âmbito nacional para combater de forma mais efetiva a crise sanitária. Os custos da omissão não são nada baixos: a disseminação de casos de Covid-19 e a perda de vidas humanas são uma tragédia que tem claros efeitos econômicos e sociais, a serem sentidos no curto, médio e longo prazos”, diz.

Na opinião de Albergaria, muitos fatores contribuíram para o cenário de desvalorização do real, e todos eles afetaram diretamente a desvalorização da nossa moeda.

Leia também:

Qualicorp compra carteiras com 10 mil clientes de Unimeds

Satisfação de beneficiários chega a 94% com telessaúde

Artigos Relacionados

1 em 3 trabalhadores recorre a aplicativos para conseguir renda

Durante a pandemia, número aumentou em 11,4 milhões.

Pacheco vai instalar CPI da Pandemia após dia da Inconfidência

Porém, disse que poderá ser no dia 22...dia 27...quem sabe?

Renan Calheiros é o relator da CPI da Covid

Senador foi alvo de operação do MPF que investigouo o desvio de cerca de R$ 260 milhões de verbas públicas da saúde.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Campos marítimos do pós-sal estão em decadência

Os campos marítimos do pós-sal já produziram cerca de 16 bilhões de barris de óleo equivalente ao longo de sua história, ou seja, 63%...

Motoboys protestam em São Paulo

Entregadores tomaram ruas de São Paulo contra baixa remuneração e péssimas condições de trabalho

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.