Pandemia pode aumentar gastos com diabetes em € 45 bi

Brasil representa 4% dos custos globais.

Pessoas que sofrem de diabetes têm um risco maior de adquirir e desenvolver uma forma grave de Covid-19. Ao mesmo tempo, a pandemia aumentou o risco de desenvolver diabetes a longo prazo, já que os bloqueios exacerbaram outra doença generalizada: o sobrepeso.

Relatório divulgado na última semana pela seguradora de crédito Euler Hermes aponta que um novo aumento de diabetes poderia somar 25 milhões de pessoas que sofrem com a doença em todo o mundo, causando 45 bilhões de euros de custos de saúde por ano.

Enquanto o mundo luta para combater a pandemia da Covid-19, o número de pessoas que sofrem de diabetes tem aumentado de forma despercebida. Entretanto, de acordo com a International Diabetes Federation (IDF) cerca de 537 milhões de pessoas vivem com diabetes, ou seja, a cada dez adultos com idade entre 20 e 79 anos. Há 20 anos, a prevalência nesta faixa etária era de apenas 4,6% com o número total de pessoas com diabetes no valor de 151 milhões.

Segundo a análise dos economistas da seguradora, o aumento acentuado foi impulsionado principalmente pela Ásia, Oriente Médio, América Latina e Oceania, onde as taxas dobraram nos últimos anos. Em 2021, quase metade de todas as pessoas que sofrem de diabetes em todo o mundo vivia na China, Índia e Paquistão. Isso se deve principalmente ao desenvolvimento na China, onde o número de pessoas com diabetes aumentou de 23 milhões para 140 milhões desde a virada do século, elevando a participação mundial do país de 15% a 26%.

No decorrer desse desenvolvimento, o diabetes também avançou para uma das dez principais causas de morte em todo o mundo, sendo responsável por 1,5 milhão de mortes em 2019, um aumento de 70% em relação a 2000.  No entanto, como é um importante fator de risco para o desenvolvimento de infecções e uma das principais causas de doenças cardiovasculares, como ataques cardíacos e derrames, doença renal crônica, além de cegueira e amputação de membros inferiores, provavelmente contribui indiretamente a um número muito maior de mortes. Na verdade, o IDF estima que o diabetes será responsável por 6,7 milhões de mortes em todo o mundo em 2021. Este seria maior do que o número de mortes registradas de Covid-19 desde o início da pandemia.

Para prevenir ou pelo menos retardar as complicações do diabetes, pessoas com a doença não precisam apenas de medicação, mas também de monitoramento regular para manter níveis de glicose no sangue, pressão arterial e colesterol iguais ou próximos do nível normal.

O relatório aponta ainda que a American Diabetes Association estimou que a taxa anual por gastos com saúde para pessoas com diabetes são 2,3 vezes os custos que ocorreram na ausência de diabetes.

Quase dois terços dos gastos globais com saúde para diabetes foram utilizados em quatro países: os Estados Unidos representaram 39%, os da China 17% e os do Brasil e da Alemanha cada um por 4% dos gastos globais com saúde para diabetes.

O estudo lembra que a pandemia não atingiu apenas pacientes com diabetes em particular, mas também teve um impacto severo nos esforços para amortecer o maior aumento da prevalência de sobrepeso e diabetes. Pessoas que sofrem de diabetes foram afetados pela pandemia de várias formas. Eles têm não apenas um risco maior de pegar Covid-19, mas também um risco maior de desenvolver uma forma grave da doença.

Além disso, há também o risco de muitos novos casos permanecerem sem detecção devido aos bloqueios. No médio e longo prazo, isso pode levar a onerosas e complicações dispendiosas do diabetes que, de outra forma, são amplamente evitáveis, como doenças cardiovasculares ou renais.

Ao mesmo tempo, os bloqueios reduziram as possibilidades de atividades físicas e levou a um aumento do peso médio e, portanto, o IMC médio na maioria dos países. O maior risco de ganho de peso foi relatado entre pessoas com menos de 40 anos. Na Alemanha, por exemplo, um ganho de peso médio de 1 kg foi relatado, o que implica um aumento da IMC médio de 25,9 a 26,4. Como o risco de desenvolver diabetes aumenta quase linearmente com o excesso de peso, a pandemia provavelmente levará a um aumento do diabetes nos próximos anos.

Leia também:

Reajustes: o que fica mais caro em 2022

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Fux suspende decisão que tornava Eduardo Cunha elegível

Com isso, ex-presidente da Câmara não poderá se candidatar.

Em um ano, Brasil perdeu 1,2 milhão de empresas

Entre abril de 2021 e o de 2022, Ltdas. e S/As foram as que mais fecharam; MEIs, apesar da proliferação, caíram 7,2% no período.

Preço dos medicamentos recuou 0,74% em julho

Após avançar 1,32% em junho, queda mensal observada foi inferior à variação do IPCA/IBGE.

Últimas Notícias

Fux suspende decisão que tornava Eduardo Cunha elegível

Com isso, ex-presidente da Câmara não poderá se candidatar.

Em um ano, Brasil perdeu 1,2 milhão de empresas

Entre abril de 2021 e o de 2022, Ltdas. e S/As foram as que mais fecharam; MEIs, apesar da proliferação, caíram 7,2% no período.

Rio restabelece parte dos serviços hackeados

Sistemas fazendários continuam fora do ar.

Preço dos medicamentos recuou 0,74% em julho

Após avançar 1,32% em junho, queda mensal observada foi inferior à variação do IPCA/IBGE.

Vestuário e calçados têm desempenho positivo entre redes de moda

Dia dos Pais impulsionou desempenho do setor; mercado de roupas usadas pode ultrapassar varejo de moda em 2024.