Pandemia tira US$ 2 bilhões por ano da educação

A pandemia afetou em cheio os orçamentos para educação em países de rendas baixa e média baixa. Em geral, o valor cresceu 21% nos últimos 10 anos, com apenas um período de cortes, entre 2010 e 2014, ainda sob os efeitos da crise financeira global.

Desde 2014, os investimentos se recuperaram aumentando 30% num recorde de quase US$ 16 bilhões em 2019. Ano passado, o cenário mudou e mais de 65% dos países mais pobres estão reduzindo o orçamento para as escolas, o que deve provocar um impacto negativo nos próximos anos.

Os dados são do relatório do Banco Mundial e da Unesco (“Monitor do Financiamento para Educação”, EWF na sigla em inglês).

Antes da crise global da Covid-19, nações de renda alta investiam o equivalente a US$ 8,5 mil por criança ou jovem matriculados. Já nos países pobres, este gasto era de US$ 48. Com a pandemia, as diferenças aumentaram.

A previsão do Banco Mundial é de uma queda de pelo menos US$ 2 bilhões no auxílio à educação se comparado aos pontos altos 2020, e sem retornar aos patamares de 2018 por pelo menos mais seis anos.

No Brasil, o 5º Relatório Bimestral de Execução Orçamentária do Ministério da Educação (MEC), produzido pela ONG Todos Pela Educação, evidencia a baixa capacidade de execução do orçamento pela pasta, cortes nas despesas para Educação Básica e falta de planejamento no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para gerir o limite de pagamentos da autarquia.

“O MEC parece estar em sono profundo nos últimos dois anos”, critica Priscila Cruz, presidente-executiva do Todos Pela Educação. O pior cenário está nas despesas discricionárias, mostra o relatório, com apenas 15% de pagamento – é a pior taxa dessa década. As despesas obrigatórias (69%) e emendas parlamentares (10%) têm o pior nível de execução em comparação com Ensino Superior e Educação Profissional.

Leia mais:

Número de atingidos por fome na América Central quadruplica

Fim de vinculação de recursos acaba com proteção social

Artigos Relacionados

Fachin libera Lula: bomba de efeito retardado

De imediato, Bolsa desaba e dólar acelera.

Fachin anula condenações de Lula na Lava Jato

Ministro envia ações para Justiça Federal do DF; ex-presidente volta a ser elegível; Bolsa despenca.

Governo aumenta gasolina e diesel de novo

Sexto aumento do ano da gasolina nas refinarias é da ordem de 9,2% para R$ 2,84.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Lula livre. Até quando?

Jurista: Necessidade de proteger Moro e os procuradores da Lava Jato.

Produtividade na indústria cai com menor produção na pandemia

Para 2021, as perspectivas são melhores, em razão do início da vacinação da população.

Demanda por bens industriais cresceu 0,6% em janeiro

Ipea apontou avanço de 6,6% no trimestre móvel encerrado no primeiro mês de 2021.

Aumenta consumo de pornô por público feminino

Relatório de site de entretenimento adulto revela que 39% do acessos são de mulheres.

Abertura de empresas tem alta de 13,4% em novembro

Segundo Serasa, sociedades limitadas impulsionaram índice; comércio teve alta estimulada por Black Friday e festas de fim de ano.