Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Um presidente ucraniano, um ex-primeiro-ministro britânico, um amigo de Vladimir Putin… Personagens pinçados da investigação Pandora Papers? Sim. E também dos Panama Papers. Como recorda Oliver Bullough, autor de Moneyland: Why Thieves and Crooks Now Rule the World and How to Take It Back (Terra do Dinheiro: Por que ladrões e bandidos agora governam o mundo e como pegá-lo de volta, tradução da coluna), em artigo para o jornal britânico The Guardian, os nomes mudaram, mas a essência continua.

Em 2016, na investigação que revelou 200 mil companhias offshore organizadas com auxílio do escritório panamenho Mossack Fonseca, David Cameron era o ex-primeiro-ministro (agora é Tony Blair); a Ucrânia tem um novo presidente; e o amigo de Putin é negociante de petróleo, não um violoncelista. Cinco anos depois, a grande finança continua escondendo valores em companhias sediadas em paraísos fiscais que têm no segredo seu principal produto econômico.

O governo britânico, para ficar em um exemplo, prometeu acabar com esse tipo de empresa, exigindo que os reais proprietários fossem revelados. Em 2021, os Pandora Papers mostram que ficou na promessa. Não por acaso, a investigação atinge firmas constituídas nas Ilhas Virgens Britânicas, um território ultramarino a serviço de Sua Majestade.

Oliver Bullough ironiza: “O registro corporativo da Grã-Bretanha é um poço de informações não verificadas, com lacunas tão grandes que os maiores escândalos de lavagem de dinheiro de todos os tempos já passaram. Os registros nos Estados Unidos são, no mínimo, piores. Em muitos estados [norte-americanos], os clientes devem apresentar mais informações para obter um cartão de biblioteca do que para criar uma estrutura corporativa.”

 

Sem alarde

Se aparecesse alguém de esquerda nos Pandora Papers, o tratamento seria igual ao que é dado aos financistas?

 

Via camuflada

Defensor da “terceira via”, Pedro Passos, dono da Natura, afirmou a um jornal que Jair Bolsonaro é “inaceitável” e Luiz Inácio Lula da Silva é “indesejável”. Não lhe foi perguntado, mas fica a dúvida: em quem Passos votaria num 2º turno entre o atual e o ex-presidente?

 

Rápidas

A Escola Superior da Magistratura Federal de SC fará de quinta a sábado o webinário “Direitos da Seguridade Social – perspectivas”, com a presença dos ministros do STF Luís Roberto Barroso e Gilmar Ferreira Mendes e do STJ Sérgio Luiz Kukina. Inscrições aqui  *** A ClarkeModet Brasil, em parceria com o Inovabra Habitat, realizará nesta quarta-feira webinário sobre o potencial da propriedade intelectual para startups e fintechs *** A consultoria Olivia realizará “A Jornada do M&A: da transformação até a geração de valor”, nesta quinta-feira, ao meio dia, online. Cadastro aqui  *** Um novo teste chamado PCR Múltiplo, disponível no laboratório Lach, permite identificar em 24 horas 4 vírus: Influenza A e B, VSR e Sars-CoV-2 *** O Projeto Quinteratura, da editora Colli Books, promove no Dia das Crianças show infantil e contação de histórias, na Quinta da Boa Vista (RJ). Entrada gratuita, às 10h.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Vinhos do Dão: elegância consistente do Centro Norte de Portugal

Dão Experience apresenta a riqueza de sua vitivinicultura com prova virtual de cinco vinhos premiados.

Eleitores brasileiros no exterior

Por Bayard Boiteux

‘Vices’ assumem e dão show de competência

Por Sidney Domingues e Sérgio Braga.

Últimas Notícias

Manguinhos e Ambev lideram dívidas ao Fisco estadual

Estudo da Fenafisco aponta que os maiores devedores também recebem isenções fiscais em suas áreas de atuação.

Investidores monitoram Campos Neto

Mercados externos negociam, em sua maioria, no positivo; na Europa é aguardada a decisão de política monetária do BCE.

Semana começa com estresse pós-traumático

Na sexta, mercados domésticos ficaram por conta da sensação de desmanche da equipe econômica de Paulo Guedes.

Reforma da Previdência desestimulou contribuição

Por Isabela Brisola.

Guedes fica mesmo avaliado com nota baixa

Apesar de abrir a possibilidade de aumentar a crise econômica e do desrespeito ao teto de gastos ou outras regras fiscais para bancar medidas...