Papel verde

Cresce a discussão internacional sobre o que pode fazer o Fed (espécie de banco central terceirizado dos EUA) para continuar financiando o déficit norte-americano. A ameaça de “monetizar” a dívida paira no ar desde a reunião de banqueiros centrais em Jackson Hole (27 de agosto), relata o boletim eletrônico semanal Resenha Estratégica. O presidente do Fed, Bem Bernanke, teria dito nas entrelinhas que o resto do mundo não tem outra opção que a de continuar financiando os déficits estadunidenses; caso contrário, os EUA transformarão em papel pintado os trilhões de títulos do Tesouro espalhados pelo mundo.

Hora de sair?
O Brasil é o quarto país no ranking dos detentores de títulos dos Estados Unidos.

Os ilíquidos
Um dos argumentos mais renitentes de alguns analistas e operadores contra a participação na capitalização da Petrobras é o “risco político”, inerente, segundo a visão de mundo que compartilham certas seitas, a toda empresa estatal, seja qual for o governo de plantão. Pela mesma lógica, supõe-se que esses advisers estivessem montados em papéis de empresas como Bank of America, AIG, Lehman Brothers. Ou seja, a opção por excluir da sua carteira de ações a principal empresa brasileira não se deve apenas à síndrome da estadofobia. É também problema de falta de liquidez.

Matemágica
A previsão do Banco Central de que o Brasil deve torrar US$ 9,068 bilhões, este ano, com o pagamento de juros da dívida externa surpreendeu os incautos que acreditaram na tese de que “o Brasil acabou com a dívida externa”. Afinal, se a dívida acabou, por que o país continua a pagar juros sobre um montante inexistente? É porque existe diferença abissal entre o fato de as reservas internacionais brasileiras, na faixa de US$ 270 bilhões, superarem o débito externo, US$  228,594 bilhões – dados de agosto. Este número, porém, não inclui os empréstimos intercompanhias; com essa rubrica, o montante da dívida externa já chega a US$ 300 bilhões.

Comércio
O presidente do Clube dos Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio), Aldo Gonçalves, recebe nesta quinta-feira, às 18h, o título de Benemérito do Estado, comenda da Assembléia Legislativa.

O intuitivo
Embora admitindo não ter qualquer prova para sustentar a acusação, o candidato do PSDB à presidente da República, José Serra (PSDB), agarrou-se a sua “intuição”, para sustentar que o caos provocado pela paralisação de terça-feira no Metrô de São Paulo fora fruto de “interesses eleitorais”. Serra não se arriscou, porém, a recorrer à intuição, para informar ao país que o desabamento da estação Pinheiros, no início de 2007, também fora provocada por interesses eleitorais.

Por via das dúvidas
A intuição de Serra, no entanto, parece não empolgar nem as hostes tucanas. Embora ele tenha insistido em que o Metrô paulista é “seguríssimo”, no Dia Mundial sem Carro, o governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), foi trabalhar de metrô, mas, certamente, por boas razões, evitou o horário de rush, gesto que, infelizmente, a grande maioria dos usuários não pode imitar.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDemofobia
Próximo artigoAltivez chinesa

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais