Para europeu ver

A prometida redução nos gastos públicos e na relação dívida/PIB, como consta no documento do G-20, não pode ser tomada ao pé da letra. “Historicamente, os compromissos da reunião têm ajudado os países a fazer o que eles querem fazer”, disse Ted Truman, ex-funcionário do Governo Obama, que atualmente trabalha como economista no Instituto Internacional de Economia Peterson. Os Estados Unidos querem reduzir o déficit, mas com o crescimento da economia, não fazendo o suicídio coletivo proposto pela Europa.

Segunda divisão
Apesar da eliminação pelo Brasil, o Chile fez mais bonito nos campos da África do Sul do que na economia. O país que, antes de Pinochet, tinha uma das sociedades menos desiguais da região, tornou-se um dos três ou quatro mais injustos do mundo quando se considera a distância entre ricos e pobres. Segundo dados da revista Punto Final, reproduzidos pela Agência Carta Maior, no fim do Governo Ricardo Lagos a renda de 5% do chilenos mais ricos era 209 vezes maior do que a dos 5% dos mais pobres. Enquanto a renda destes subia 1%, a do primeiro grupo avançava 62%. Segundo a publicação chilena, a situação se deteriorou ainda mais no governo de Michelle Bachelet, sem que, porém, a desigualdade pareça ser percebida por parte da população.

Blindagem midiática
Para a revista, essa assimetria entre o aumento da desigualdade e a falta de percepção dos chilenos deve-se ao discurso homogêneo produzido pelo meios de comunicação locais, “que produzem toneladas de imagens e conteúdos por hora para faz crer que os destinatários espectadores vivem num país modelo, e que, se se esforçarem, poderão alcançar grandes benefícios. Uma ilusão que se desfaz quando terremotos, enchentes e outras catástrofes arrasam parte de nossa geografia e se dissipa a aparência de alvenaria psicológica de varejo, a publicidade e o teatro que ocultam os graves problemas da população”.

Empreendedores de ilusões
Para a revista, apesar da blindagem da mídia ao modelo econômico que se arrasta desde a ditadura de Pinochet, cada vez é mais real a possibilidade da irrupção, também, de cataclismos sociais, “impulsionados por eventos naturais ou por catástrofes ambientais originadas pelo próprio ser humano”.
“Como ideologia dominante, o neoliberalismo estimula o individualismo para truncar os vínculos de solidariedade social e de unidade das organizações populares. Instala-se a competição no afã de lucro como os instrumentos que irão fazer a sociedade progredir, o que provoca enorme fragmentação social”, destaca a publicação chilena, acrescentando que, dentro dessa lógica, o “empreendedor se converteu no modelo de cidadão que se propõe aos chilenos”, tendo como mensagem subliminar que, assim, “triunfam aqueles que merecem”, ocultando, no entanto, o fato de que, na prática, estes serão muito poucos, enquanto a imensa maioria será estrangulada pela competição e pelo controle do mercado pelas grandes empresas.

Deslumbramento
Para a revista, a apatia dos chilenos diante do aumento da desigualdade social deve-se a essa ilusão sobre a possibilidade de ascensão social: “Deslumbrados, preferem ignorar que ninguém pode se tornar milionário honradamente. Podem aqueles que utilizam informações privilegiadas, enganam a seus sócios, evadem impostos, aproveitam as artimanhas tributárias e, sobretudo, exploram sem piedade os trabalhadores. Ninguém poderia se converter em multimilionário em 30 anos, como se ufana de tê-lo conseguido o presidente da República, Sebastián Piñera. A desigualdade exala por todos os poros do Chile. Não se expressa só nas relações entre as rendas. Há uma saúde para ricos e outra muito distinta para os pobres”, destaca a Punto Final.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTemor
Próximo artigoDívida antiga

Artigos Relacionados

Commodities voltam a subir e ameaçam inflação

Brasil dependerá, mais que nunca, do comportamento do real frente ao dólar.

Rio manda R$ 2,4 tri para União e só recebe R$ 171 milhões

Estado é um dos mais prejudicados da Federação.

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Últimas Notícias

Valor da internet em Portugal está mais barato

Dados recentes do Eurostat, Serviço de Estatística da União Europeia, referentes a dezembro de 2021, mostra que Portugal lidera na descida de preços dos...

Modal finaliza aquisição da integralidade do banco digital LiveOn

O Modal, banco de investimento, fechou a aquisição de 100% da infratech LiveOn, operação divulgada em outubro de 2021, e só agora aprovada pelo...

Fitch afirma IDRs BB’ e rating nacional ‘AAA do Itaú Unibanco

A Fitch Ratings afirmou nesta segunda-feira os IDRs (Issuer Default Ratings - Ratings de Inadimplência do Emissor) de Longo Prazo em Moedas Estrangeira e...

Balança comercial registra déficit de US$ 117 milhões

A corrente de comércio (soma de exportações e importações) brasileira cresceu 28% e fechou a terceira semana de janeiro em US$ 28,91 bilhões. Os...

Subida de juros assusta investidores

A segunda-feira (24) foi marcada como um dia de aversão a risco com fortes quedas nas bolsas internacionais, observou Jansen Costa, sócio-fundador da Fatorial...