Para maioria dos analistas, BC e Cade prejudicaram a Cielo

Suspensão do uso do WhatsApp para fazer pagamentos surpreende.

Acredite se Puder / 18:02 - 24 de jun de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Banco Central e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica suspenderam o uso do WhatsApp para transações em parcerias com instituições financeiras no Brasil. O BC quer avaliar eventuais riscos para o funcionamento do Sistema de Pagamentos Brasileiro e a liberação, sem a prévia análise desses impactos, poderia gerar danos em termos de competição, eficiência e privacidade de dados. O Cade suspendeu a parceria da Cielo com o Facebook, que permitiria pagamentos pelo Whatsapp. Os analistas classificaram as decisões de surpreendente e negativa para a Cielo, cujas ações no pregão da segunda-feira tiveram alta de 14%, após o anúncio da parceria. A Cielo informou que tomou as providências adequadas e suspendeu os serviços.

Para os analistas do Itaú BBA, a suspensão do uso do WhatsApp Pay sugere que o Banco Central quer se concentrar no lançamento da plataforma PIX, o sistema de pagamento instantâneo da autoridade monetária, cujo principal objetivo é aumentar a concorrência no setor de pagamentos e reduzir a cadeia de valor dos pagamentos. Acham que a Cielo foi a primeira credenciadora que aderiu à parceria com a gigante da tecnologia e uma adoção rápida e forte da plataforma poderia lhe abrir uma avenida de crescimento interessante. No entanto, ressaltam que a decisão do órgão regulador não é definitiva.

Para os técnicos do Credit Suisse, a notícia é negativa para a Cielo e marginalmente positiva para as outras adquirentes, especialmente a PagSeguro. Porém, destacam que, como não sabem se a medida do BC será definitiva ou temporária, tendem a ver as notícias como negativas para a Cielo, pois a empresa foi o único processador / adquirente de pagamentos escolhido a participar do acordo até o momento. E tem opinião que a parceria com o Whatsapp tem o potencial de gerar uma contribuição relevante para os resultados da Cielo.

A equipe da XP Investimentos também destaca que a visão é negativa, uma vez que a adquirência seria o único processador de pagamentos B2C e B2B até que outras adquirentes chegassem a um acordo com o Facebook, possivelmente aumentando seus volumes a uma atraente taxa de 3,99%. Por essa razão, acreditam que a Cielo tinha melhores chances de ser a primeira a se beneficiar das transações iniciais; portanto, um adiamento é prejudicial para a incumbente.

 

Bradesco recomenda prudência com Oi?

Rodrigo Abreu, presidente da Oi, teria declarado ao jornal Estado de São Paulo que já existem interessados na InfraCo, unidade de fibra ótica que surgirá quando houver o desmembramento da operadora. Os analistas do Bradesco BBI veem como positiva o interesse de investidores na InfraCo, uma vez que isso reduz dúvidas sobre a execução do plano de recuperação judicial da empresa de telefonia, mas destacam que o plano ainda precisa ser aprovado em uma reunião de credores que deve ocorrer em meados de agosto.

 

Alimentos não transmitem Covid

As autoridades de saúde, especialmente a OMS, não registram evidências da transmissão da Covid-19 por alimentos. Apesar disso, autoridades chinesas estão exigindo que os frigoríficos brasileiros JBS, Marfrig e Minerva assinem declarações dizendo que suas exportações estão livres do coronavírus. A BRF, maior exportadora de frango no mundo e fornecedora também de carne suína, assinou na última sexta-feira declaração semelhante.

 

Deliberação do CA do IRB é negativa

Os analistas da XP Investimentos não gostaram muito das medidas aprovadas pelos acionistas do IRB, pois a possibilidade do Conselho de Administração deliberar sobre aumentos de capital, dentro de um limite autorizado é uma medida negativa, pois pode implicar uma emissão primária de capital para resolver, entre outros, os problemas de liquidez com a Susep, o que poderia diluir os acionistas atuais em um momento em que a ação está historicamente baixa. Por outro lado, a medida de flexibilização dos executivos e a criação de uma reserva de lucro parecem positivas, de vez que possuem o potencial de reforçar a gestão e melhorar os problemas de liquidez da resseguradora, embora sejam questões menores de menor relevância no atual momento.

 

Riscos da B3 são maiores que fatores favoráveis?

Para os analistas, a B3 apresenta ganhos robustos e está atrativa, com histórico de crescimento estrutural forte no médio e longo prazo com a migração de recursos para ações. Porém, possui riscos, como a possibilidade de uma desaceleração dos volumes, uma competição mais intensa e mudanças tributárias. O Credit Suisse preferem apostar na parte positiva e mantiveram a recomendação de compra, elevando o preço-alvo de R$ 48 para R$ 68, o que representa um potencial de valorização de 30%.

 

Ouro vai testar US$ 1,8 mil

O ouro subiu devido a redução dos juros pelos bancos centrais, enquanto governos injetaram trilhões em estímulos. Porém, a preocupação com desvalorização cambial e avanço da inflação aumenta a demanda de investidores por ouro, que vai testar resistência de US$ 1,8 mil.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor