Paranapanema: um dos únicos rios limpos do país

Foi lançado o livro Paranapanema: da nascente à foz. Editada, produzida pela Editora Horizonte Geográfico, aprovada pelo Ministério da Cultura, financiada pela Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet) e patrocinada pela Duke Energy, a obra é uma pesquisa do jornalista Paulo Zocchi e do fotógrafo Marcelo Maragni que mostra o retrato de um dos últimos grandes rios ainda limpos da região Sul-Sudeste do Brasil: o Paranapanema. Juntos, os dois percorreram em julho de 2002 os 930 Km do Paranapanema, desde a nascente, na Serra do Paranapiacaba, até sua foz, no Estado do Paraná.
Segundo Zocchi, tudo começou com um levantamento das informações sobre o rio Paranapanema disponíveis ao público. O estudo para dissecar o rio passou por várias fases, de entrevistas com moradores das margens do rio e pesquisas em bibliotecas, universidades e museus, até a verificação minuciosa de mapas antigos. Várias informações esquecidas no tempo foram redescobertas, entre lendas e histórias reais. Até mesmo o resgate de receitas criadas e incrementadas pelo povo da região acabaram fazendo parte das descobertas.
O Paranapanema abriga em seu percurso dez usinas hidrelétricas e uma das raras pontes-pênseis do Brasil, tombada pelo Patrimônio Histórico. Em suas margens há sítios arqueológicos de 8 mil anos atrás, ruínas de missões jesuíticas do século 17 destruídas pelos bandeirantes, áreas de preservação ambiental e até vestígios de guerra – armas e equipamentos deixados pelos soldados que ali vivenciaram algumas das batalhas decisivas da Revolução Constitucionalista de 1932.
Durante a fase de pesquisas, Zocchi e Maragni tomaram conhecimento da obra do engenheiro Teodoro Sampaio, responsável pela primeira expedição exploratória do rio Paranapanema, em 1886. Teodoro Sampaio desbravou a região então desconhecida e realizou os primeiros estudos da topografia, do clima e do curso do rio.
A Duke Energy lançou o fac-símile da obra “Exploração dos rios Itapetininga e Paranapanema”, de 1889, prática bastante comum em outros países para colocar à disposição obras importantes, que contem com raras edições.
Para a edição do livro foi realizado investimento de cerca de R$ 250 mil e um aporte de R$ 150 mil para o fac-símile da obra de Teodoro Sampaio. Em relação ao fac-símile, 30% da renda obtida com suas vendas será revertida ao financiamento de projetos ambientais de ONGs da região da bacia do Paranapanema.
Os livros estão à venda no site da Horizonte Geográfico -www.horizontegeografico.com.br ou pelo telefone (11) 3022-5599.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Empresas avaliam como usar a desoneração da folha de pagamentos

Live nesta quinta, 2/12, 9h30, no YouTube, Facebook e Linkedin.

Campanha ‘Fim de Ano Solidário’ arrecada fundos no combate à fome

Recursos serão doados para ONGs parceiras do Instituto Stop Hunger.

FGV debate ‘ESG-governança: presente e futuro’

A FGV Educação Executiva promove o debate “ESG - governança: presente e futuro: o que é possível, desejável e urgente?”, no dia 1º de...

Últimas Notícias

O leilão beneficente da Jaguar Parade

Fundos se destinam à conservação de onças-pintadas em seus habitats.

Venda de imóveis novos em SP mantém estabilidade em outubro

Em valores monetários, houve queda do Valor Global de Vendas em relação a outubro de 2020.

Nova energia, fabricação de equipamentos de tecnologia e PMEs em 2022

O mercado de ações A-Share da China parece positivo para o próximo ano. Novas energias, fabricação de equipamentos de alta tecnologia e pequenas e médias empresas (PMEs) são áreas com grande potencial de investimento, de acordo com uma pesquisa recente realizada com 109 especialistas de indústrias na gestão de ativos.

Mais de 100 milhões de macarrão “fedorento” chinês entregues em 2021

A Região Autônoma de Guangxi da Etnia Zhuang, no sul da China, entregou este ano mais de 100 milhões de pacotes de sua especialidade de macarrão de arroz, conhecida como "Luosifen" em chinês.

Escala da indústria de big data chinesa excederá 3 trilhões em 2025

A escala da indústria de big data da China tem a previsão de superar 3 trilhões de yuan pelo final do ano 2025, de acordo com o plano de desenvolvimento para a indústria de big data, durante o período do 14º Plano Quinquenal divulgado pelo Ministério da Indústria e Informatização (MIIT, sigla em inglês) nesta terça-feira.