28.7 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 18, 2021

Parceiros

A cada dois anos o Centro Internacional de Negócios da Firjan (CIN) faz pesquisa com os empresários fluminenses com o objetivo de identificar as áreas de interesse comercial com outros países. “O Mercosul aparece disparado na frente, representando mais do que a soma dos percentuais indicados para Europa e Nafta”, informa o diretor do CIN, Amaury Temporal. Na Argentina, ocorre o mesmo. Porém o comércio bilateral está longe dos US$ 15 bilhões alcançados no período 1997/98. Em 2003 deve fechar pouco acima da metade daquele valor.

Trem
Explica o diretor da Funcex Ricardo Markwald que o comércio bilateral cresce quando os países crescem. “Analisando o cenário atual – em que o Brasil aumenta suas vendas, enquanto a Argentina não -, corremos o risco de ver o Brasil crescer e não puxar seus parceiros do Mercosul”. Markwald é um otimista: quem garante que a economia brasileira vai crescer?

Conta
O silêncio decretado nas cercanias do Ministério das Minas e Energia sobre a notícia publicada com exclusividade no MM, quarta-feira, sobre o fatiamento do sistema Eletrobrás é significativo. Coincidência ou não, a decisão ocorreu apenas poucos dias depois de o ministro Palocci anunciar a prorrogação do acordo com o FMI.

Na bolsa
O mercado não parece ter digerido bem as mudanças na Eletrobrás para agradar grandes players estrangeiros. Ontem, as ações PN da estatal caíram 3,68%. O tombo nas ON foi maior: 5,65%. O índice do setor elétrico desabou 2,72%. Não fosse a alta dos papéis da Embratel e a Bovespa teria tido forte queda e não somente a baixa de 0,21%.

Memória nacional
Caso fosse vivo, o compositor Álvaro Nunes, mais conhecido como J. Cascata,  completaria 89 anos de idade no próximo dia 22. Isso faz lembrar, mais uma vez, como grande parte dos artistas brasileiros é largada ao esquecimento. Além disto, serve para mostrar que a questão do direito autoral ainda é um caso sério. Há meses em que o valor distribuído aos familiares de J. Cascata, parceiro de Heitor dos Prazeres, Nássara e Haroldo Lobo, é inferior a R$ 1. Esperam que junte alguns meses para que, pelo menos, cubra o preço da passagem.

Popular
Programa especial de habitação popular, chamado Morar e Crescer, com habitações de 24m² e custo de R$ 15 mil, foi elaborado pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio de Janeiro (Sinduscon-Rio) e pode ser uma alternativa à favelização. Pesquisa divulgada pelo IBGE aponta que 47% das prefeituras declaram não ter qualquer programa ou ação habitacional e pesquisa da ONU indica que 32% da população mundial vivem em favelas.
Já para falar de financiamento para a classe média estará hoje, às 10h, no Sinduscon (Rua do Senado, 13, Centro) o superintendente Regional da Caixa, José Domingos Vargas.

Fazendas no mar
O Brasil conseguiu uma taxa de crescimento 2,5 vezes maior que a registrada no mundo na criação de peixes, moluscos e crustáceos em cativeiro. O setor tem 1.646 produtores, 252 deles no Rio de Janeiro. Hoje, na Firjan, o ministro especial de Aquicultura e Pesca, José Fritsch, participa do Seminário Internacional da Indústria de Pesca e Aquicultura, que se realiza na Firjan, a partir das 9h. O seminário receberá representantes da Espanha, da Noruega e outros países.

Semana
Cinelândia: Retorno ao Fascínio do Passado (Editora Letra Capital) é o livro que o vereador carioca Ricardo Maranhão (PSB) lança hoje, com apoio da Câmara Municipal e do Centro Cultural da Justiça Federal. Será às 18h, no Salão Nobre do Centro (Av. Rio Branco, 241). No sábado será a abertura da Semana da Cinelândia, com  a Exposição de Fotos do Centenário da Avenida Central, no mesmo endereço.

Artigo anteriorNatal menos salgado
Próximo artigo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.