Parlamento gaúcho na luta contra liquidação da Ceitec

TCU suspendeu em setembro a desestatização da única estatal que fabrica semicondutores na AL.

Aconteceu, nesta quarta-feira, a audiência pública híbrida da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul sobre a luta para suspender a liquidação do Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada S/A (Ceitec), única empresa pública que produz chips e semicondutores no Brasil e na América Latina.

O presidente da Comissão de Economia, Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, deputado estadual Zé Nunes (PT), após ouvir autoridades, especialistas e representantes dos funcionários, decidiu encaminhar à Mesa Diretora do parlamento gaúcho o pedido de envio de uma moção de apoio à aprovação do Projeto de Decreto Legislativo (PDL) nº 558/2020, do Senado Federal, que susta os efeitos do decreto de liquidação assinado em 15 de dezembro do ano passado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

O PDL 558 foi apresentado pelos senadores Jaques Wagner (PT-BA), Jean Paul Prates (PT-RN), Zenaide Maia (PROS-RN), Paulo Paim (PT-RS) e Humberto Costa (PT-PE). Segundo o requerimento de proposição da iniciativa, o fim da Ceitec é prejudicial ao país. “Sua extinção poderá comprometer o posicionamento estratégico do Brasil na manutenção da vanguarda e do domínio tecnológico”.

Zé Nunes afirmou que a Comissão de Economia vai produzir um documento, a partir desta audiência pública, e tentar que o parlamento do RS, em nome de todos os deputados, reafirme a importância do Ceitec e solicite ao Congresso Nacional a votação do PDL ainda este ano. “Também vamos solicitar a manifestação do governador do Estado sobre o assunto”.

Em setembro, o Tribunal de Contas da União (TCU) suspendeu a desestatização do da Ceitec até nova deliberação do Tribunal. A decisão foi baseada em voto do revisor da matéria, ministro Vital do Rêgo, que considerou frágeis as justificativas apresentadas pelo Governo Federal para fundamentar a desestatização da empresa. “Os motivos que conduziram à liquidação da Ceitec não se sustentam, carecendo de maior fundamentação, pois se apoiaram em análises que não ponderaram relevantes perdas e dispêndios de recursos públicos como consequências imediatas desta linha de ação”, disse o ministro revisor.

Leia também:

STF terá um ‘terrivelmente evangélico’

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Payroll teve leitura fortemente acima do esperado

Mercado de trabalho mostra aperto considerável, com indicações de restrições prolongadas no lado da oferta.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.