Parreira da Silva

A candidata do PSOL à presidência da República, senadora Heloísa Helena, ironizou a declaração do presidente Lula, em reunião com artistas no Rio de Janeiro, segunda-feira à noite, na qual afirmou que não foi o PT que errou no escândalo do mensalão, mas apenas alguns petistas: “O presidente do PT, o secretário-geral, o tesoureiro, o líder da bancada, o presidente da Câmara, o ministro da Articulação Política, o ministro da Fazenda, o… cansamos! É mais ou menos como se o Parreira tivesse dito que o Brasil não jogou mal contra a França, só alguns jogadores erraram; o Ronaldo, o Ronaldinho, o Cacá, o Cafu, o Roberto Carlos, o… cansamos também”, comparou a senadora, ressalvando, porém, que “pelo respeito que temos pelos jogadores da Seleção, a comparação da natureza do “erro” é absurda”.

Remédio errado
Nos últimos dez anos, o produto interno bruto (PIB) brasileiro cresceu 22,4%, muito abaixo da expansão média de 45,6% registrada pela economia mundial. Entre 1996 e 2004, a indústria de transformação do Brasil teve expansão média de apenas 2% ao ano. Esse desempenho representa a metade do crescimento da indústria mexicana e é um terço do obtido pela Índia e um quinto do registrado na China.
O diagnóstico correto não impede que a Confederação Nacional da Indústria (CNI) receite o remédio errado para tentar sair do buraco. Em documento que será divulgado, hoje e entregue aos candidatos à Presidência da República, a CNI sugere a redução do gasto público (eufemismo para tirar dinheiro de saúde, educação e segurança) e nada fala sobre a principal despesa do governo: os juros mais altos do planeta.
O estudo (“Crescimento – A Visão da Indústria”), porém, apresenta sugestões para tributação, infra-estrutura, financiamento, desburocratização, inovação, educação, política comercial e meio ambiente.

Receita
A candidata do PSOL, Heloísa Helena, oriunda da área da Saúde, é mais precisa que a CNI na hora da medicação. Ela ataca o cerne da questão que paralisa a economia brasileira: “É inaceitável o governo brasileiro se vangloriar de um superávit primário que saqueia 25% dos projetos sociais para pagar aos banqueiros, em um ano, 760 vezes mais do que todo o investimento em saneamento básico e 720 vezes mais do que já investiu em habitação popular.” É uma política econômica “comandada por sabotadores que não deixam o país crescer mais do 3,5% ao ano”, complementa HH, que acredita que uma nova política econômica o país poderá, no mínimo, dobrar a taxa de crescimento.

Carência
Do presidente do presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, José Lopes Feijó, sobre o anúncio da Volkswagen de que pretende demitir 3.600 operários até amanhã, caso os próprios metalúrgicos não concordem com o fechamento de 1.800 vagas às vésperas do Natal: “Nós esperávamos mais carinho da empresa, depois de o Brasil a ter acolhido…”
Pelo visto o afeto dedicado à multinacional alemã por Feijó, um dos principais apoiadores da candidatura Lula no movimento sindical, não é correspondido.

Honra
Por iniciativa do Instituto de Economia, a UFRJ concederá ao sociólogo e economista Francisco de Oliveira, ex-professor da USP, o título de Doutor Honoris Causa. Chico de Oliveira foi um dos colaboradores mais próximos de Celso Furtado no seu período na Sudene; e um dos fundadores do PT, afastando-se deste partido no começo do Governo Lula, tornando-se um dos primeiros críticos dos desvios do partido no governo em relação aos compromissos históricos que haviam levado à fundação da organização política. A entrega do título será, amanhã, às 17h.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorHistória se repete
Próximo artigoEsforço em vão

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Copom elevou taxa de juros em 1% para 6,25% ao ano

Aguardamos agora a ata que será divulgada na próxima terça-feira para maiores informações sobre a trajetória da taxa Selic.

Alemanha escolhe sucessor de Merkel no próximo domingo

Eleições deverão ser as mais concorridas dos últimos anos; pesquisas indicam vitória do SPD, social-democrata.

Reajuste salarial fica abaixo da inflação em agosto

Fipe: não houve aumento mediano real como resultado de negociações nos últimos 12 meses; desde setembro, índice tem oscilado de -1,4% a zero.

Clima positivo no exterior deve beneficiar índice Bovespa

Mercado internacional opera no positivo motivado por noticiário sobre Evergrande.

Evergrande, Fed e Copom

Bovespa encerrou o segundo dia de alta com +1,84% e índice em 112.282 pontos, mas na máxima chegou a atingir 113.321 pontos.