Participação gera economia

Foi criado oficialmente na última quarta-feira o Observatório Social do Rio de Janeiro, que tem como objetivo acompanhar de perto a...

Foi criado oficialmente na última quarta-feira o Observatório Social do Rio de Janeiro, que tem como objetivo acompanhar de perto a gestão e as contas públicas do município. É uma iniciativa que já atua em 110 municípios de 19 estados. No Rio, se soma aos de Niterói e São Pedro da Aldeia.

O objetivo é fiscalizar as contas públicas. Voluntários acompanham os gastos desde a publicação do edital de licitação. Segundo Manuel Domingues e Pinho, do escritório Domingues e Pinho Contadores e conselheiro do Conselho Regional de Contadores (CRCRJ), é uma proposta antiga:

Eu acompanho esse projeto há oito ou dez anos, mas agora finalmente houve essa mobilização para fazer acontecer. Se todos nós nos engajarmos e tomarmos uma atitude, veremos grandes mudanças na administração pública. Nas cidades em que o Observatório Social já funciona o resultado é fantástico, mudou a gestão das cidades.

Estima-se que nos últimos quatro anos a atuação dos observatórios municipais possibilitou economizar mais de R$ 1,5 bilhão em verbas municipais. A cada ano, mais de R$ 300 milhões de dinheiro público deixam de ser gastos desnecessariamente. A sede será no CRCRJ, afirma a presidente do órgão, Vitória Maria da Silva, que vai integrar o Conselho Consultivo do Observatório.

 

Transparentes

A Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) anunciou as empresas ganhadoras do Troféu Transparência 2017, que conta com apoio da Fipecafi e da Serasa Experian. O objetivo é reconhecer organizações que mais se empenharam em divulgar seus balanços contábeis de maneira clara para clientes, investidores e sociedade em geral.

Foram mais de 2 mil balanços analisados. Entre os vencedores estão Energisa, Petrobras, Vale, Grendene e Localiza. Mais premiados em www.anefac.com.br

 

Justiça

As mudanças na arrecadação do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) trouxeram a chamada “justiça fiscal” para os pequenos municípios, que passaram a arrecadar o tributo no local de domicílio dos clientes de cartões de crédito, débito, leasing e planos de saúde. “A medida é muito positiva para desconcentrar a arrecadação do imposto e beneficiar o município no qual o serviço é prestado”, analisa o vice-presidente de Desenvolvimento Operacional do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), Aécio Prado Junior.

Segundo a Confederação Nacional dos Municípios, dos R$ 54 bilhões arrecadados do ISS em 2016, mais de 60% ficaram com apenas 37 cidades. A alteração foi aprovada no fim de junho, com a derrubada pelo Congresso Nacional do veto parcial à Lei 157/2016, que reformulou o tributo.

 

Mas…

A arrecadação no local de domicílio obrigará as empresas que operem nacionalmente a recolher o tributo para 5.570 municípios, cada um com sua legislação, forma de pagamento, fiscalização… Aécio Prado Junior, do CFC, reconhece que algumas companhias poderão optar por não fornecer o serviço a todas as cidades, ou então repassar o custo ao consumidor.

 

Não apoia

O Sebrae esclarece que não apoia os prêmios Top of Mind, Qualidade Empresarial e nenhuma outra iniciativa semelhante, “em que é emitido um certificado – supostamente um reconhecimento empresarial – em troca do pagamento de um valor em dinheiro”.

Os prêmios realizados e/ou apoiados pelo Sebrae têm inscrições gratuitas e os inscritos passam por um processo seletivo criterioso, afirma a entidade, que acusa os dois promotores dos prêmios de utilizarem indevidamente a marca e o nome do Sebrae.

 

Rápidas

Na sequência do ciclo de debates Impressões ao Calor da Hora, do Instituto Casa Grande (ICC), sob a presidência do ex-senador Saturnino Braga, haverá palestra de Marcio Pochmann, presidente da Fundação Perseu Abramo. Será nesta terça-feira, a partir de 20h. O Casa Grande fica à Avenida Afrânio de Melo Franco, 290, Leblon (RJ) *** O Departamento Jurídico (Dejur) da Fiesp debate nesta terça-feira as regras de parcelamentos de débitos federais da MP 783/2017, que instituiu o Programa Especial de Regularização Tributária (Pert, o mais novo Refis) *** O guru do Marketing Neil Patel virá ao Brasil para dar palestra no 8º Fórum de Marketing Empresarial, que será realizado de 18 a 20 de agosto, no hotel Sofitel Jequitimar, no Guarujá, litoral de São Paulo. A realização é do Lide, do prefeito Doria Junior *** O Instituto Brasileiro de Direito Administrativo (IBDA) realiza o Concurso de Artigos Professor Sergio de Andréa Ferreira. Inscrições podem ser feitas por profissionais com ensino superior de qualquer graduação. Detalhes em http://ibda.com.br/hotsite2017/regulamento-do-concurso-de-artigos-professor-sergio-de-andrea-ferreira.php

Artigo anteriorSem defesa
Próximo artigoCusto da banca Brasil
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

TCU confirma que União paga R$ 3,8 bi de juros e amortização por dia

Mais de ¼ dos títulos da dívida pública vencem em 12 meses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Setor de franquias minimiza impactos da pandemia no trimestre

Segundo associação do setor, no período, receita apresentou queda de 4% em relação ao mesmo período do ano passado.

Água, saneamento e crescimento para todos

Há pouco tempo para implantação das metas do novo marco legal.

Automação das matrículas acelera com o uso de biometria facial

Cresce procura por soluções tecnológicas de Reconhecimento Ótico de Caracteres para operações como cadastro dos alunos nos sistemas escolares

Mercado ainda digere Fomc e MP da Eletrobras passa no Senado

O Ibovespa fechou em queda de 0,93%, na esteira dos receios globais e das discussões envolvendo a MP.

Relator vota contra autonomia do BC, mas vista adia julgamento no STF

Lewandowski vota por derrubar a lei, sancionada em fevereiro, que dá autonomia ao BC, mas pedido de vista de Barroso interrompe julgamento.