Passando a boiada no meio ambiente

Por Cleber Guerra.

Antes da chegada ao Brasil da pandemia de Covid-19, já havia em curso o processo crônico de descaso com as questões ambientais. Entretanto, tudo se agravou com a escolha do novo ministro, Ricardo Salles, sem nenhuma experiência na área, nomeado junto com o anúncio da extinção do Ministério do Meio Ambiente/MMA, a ser incorporado ao Ministério da Agricultura. Ainda bem que houve recuo, diante da resistência do setor e da sociedade.

De fato, o Ministério do Meio Ambiente foi mantido, mas, em compensação, a orientação do Governo Federal passou a ser relaxar a legislação ambiental, sob pretexto de diminuir a burocracia. Entre aplicar a Lei da Mata Atlântica, mais recente e rígida, optou-se por aplicar o Código Florestal, que vem de 1934, com regras muito mais brandas. Para completar, o Governo Jair Bolsonaro desestruturou os órgãos ambientais da Região Amazônica, como Ibama e Funai, que passaram a ser controlados por militares, com exclusão dos técnicos de carreira.

Como resultado, o sistema Deter/Inpe (Detecção do Desmatamento em Tempo Real) apurou um grande aumento no desmatamento na região, em abril/2020, de 64% em relação ao ano passado. Da mesma forma, demonstrou um aumento de 55,5% no 1º quadrimestre/2020, comparando-se com o desmatamento do mesmo período de 2019.

Na catastrófica reunião ministerial, em abril, último, o ministro Salles “deixou cair sua máscara e do seu Governo” ao propor aproveitar o foco da imprensa na cobertura da pandemia do Covid-19, para “passar a boiada do afrouxamento” na legislação ambiental. E diante de tanto retrocesso na área do meio ambiente, a imagem do Brasil, no cenário mundial, nunca esteve tão desgastada.

A atual crise sanitária, com todos seus reflexos negativos nas áreas econômica e social, sinaliza que longe estamos do esperado “pós-pandemia”. Se isso não bastasse, temos uma crise política sem precedentes, alimentada, diariamente, pelo atual presidente Jair Bolsonaro, sem a menor noção da liturgia do cargo que exerce.

Sabemos que essa pandemia, além de evidenciar nossas gigantescas desigualdades sociais, veio para mudar conceitos, posturas e permitir urgentes correções de rumos.

Cleber Guerra

Engenheiro agrônomo, ex-secretário de Estado da Agricultura (ES) e diretor do Incaper (ES).

Artigos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

KPMG é alvo de críticas por auditorias em bancos ingleses

A KPMG, empresa que presta serviços de auditoria, enfrenta uma nova onda de críticas sobre a qualidade das seus trabalhos nos bancos, depois de...

Airbus inaugura projeto de aeronaves A350 na China

A Airbus inaugurou seu projeto de aeronaves A350 em seu centro de conclusão e entrega de fuselagem larga em Tianjin, norte da China. É...

Plataforma P-70, na Bacia de Santos, alcança capacidade de projeto

A P-70, localizada no campo de Atapu, na porção leste do pré-sal da Bacia de Santos, atingiu em 12 de julho sua capacidade de...

BC amplia iniciativas de ESG para suporte ao crédito

As recentes iniciativas regulatórias do Banco Central do Brasil (BC) para intensificar as divulgações relacionadas a questões ambientais, sociais e de governança (Environmental, Social...