Passeio carioca

Coxinha de galinha e pastel de forno com “tubaína” e discurso: programa que está no dia a dia de políticos em campanha atravessaram, sexta-feira, o caminho do presidente do BNDES, Francisco Gros. Ele foi pela manhã à favela Nova Holanda para inaugurar a quarta agência do programa Vivacred, de concessão de crédito a microempresários. Apesar de mais acostumado a passear por Nova York – onde morou por sete anos, quando foi diretor-executivo  do  banco  Morgan  Stanley  Dean  Witter -, Gros até que não se saiu tão mal. Garantiu que passava sempre por ali, já que a Triskale, confecção da mulher do banqueiro, fica a duas quadras de distância. Depois do lanche, pôde medir a popularidade de Leonel Brizola. Confundido com o candidato do PDT à Prefeitura do Rio, que faria comício ali logo depois, Gros deixou a favela sob gritos de “viva Brizola”.

Revés – 1
Além do desgaste provocado pelas gravações telefônicas planaltinas, o governo também enfrenta um período de derrota no programa de privatizações. Na mesma semana o Supremo Tribunal Federal (STF) impediu a continuação dos leilões do Banespa e do IRB. Ao mesmo tempo, o judiciário do Pará interrompe o processo de descruzamento das participações acionárias das ex-estatais Vale e da CSN.
Revés – 2
No caso da Justiça Federal do Pará, uma ponta de ironia: justamente para desestimular ações contra a privatização da Vale do Rio Doce, o Governo FH se empenhou, na época, para centralizar o julgamento dos pedidos de liminar na vara de Belém, onde dera entrada o primeiro processo. Agora, vêm justamente do Pará as decisões que deram sequência à investigação da privatização e barraram a utilização de dinheiro público – do BNDES – para viabilizar o acerto entre os sócios privados da Vale. Fica a lição: quem com liminar fere …

Meio ambiente
Formar educadores ambientais, capazes de implantar projetos de educação ambiental nas escolas, nos meios de comunicação e na educação cotidiana da população, é o objetivo do primeiro curso de especialização em educação ambiental promovido pelo Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais (IPEF), com realização do Laboratório de Educação e Política Ambiental (LEPA) do Departamento de Ciências Florestais da ESALQ/USP. O curso terá início em setembro, com 720 horas/aula, sendo que metade será dada à distância, via Internet. As inscrições poderão ser feitas entre 1 e 11 de agosto. Mais informações no IPEF, pelo telefone (19) 430-8602, e-mail: [email protected] ou www.ipef.br/eventos/.

Só para os eleitos
O deputado federal Ricardo Berzoini (PT-SP) chama a atenção para o fato de que a indexação continua a ser utilizada, mas só para beneficiar empresas particulares, principalmente estrangeiras, e ao próprio governo federal. No primeiro caso enquadram-se concessionárias privadas de telefonia e energia elétrica que têm as suas tarifas reajustadas pelo IGP-M, o maior de todos os índices. Em proveito próprio, a Receita Federal não procede a correção da tabela do Imposto de Renda.

Ferro velho
Após esgotar todas as possibilidades de encontrar, junto à Nokia do Brasil, bateria para o aparelho 2180 (comprado há apenas dois anos), um consumidor do Rio de Janeiro teve que recorrer à imprensa – nota publicada nesta coluna dia 28 de junho – e reclamar com a Nokia nos Estados Unidos para que, finalmente, a subsidiária brasileira achasse uma bateria nova para o seu celular (já que não há mais peças de reposição – segundo revendedoras, assistência técnica e serviço de atendimento a clientes da própria Nokia). Para reduzir o estrago, a filial brasileira acabou dando um celular novo (e mais moderno) para o consumidor. A questão para o usuário continua: será que daqui a dois anos haverá bateria para esse novo aparelho?

Limonada
Surpreendente a declaração do presidente da Kaiser, Humberto Pandolpho, de que a companhia pretende abocanhar mais cinco pontos percentuais do milionário mercado de cerveja, pulando de cerca de 15% de participação para mais de 20%. O motivo da surpresa é que, até poucos meses atrás, Pandolpho não parava de reclamar do monopólio que a união de Brahma e Antartica na Ambev iria gerar, com danos para o mercado. Ou a reclamação pré aprovação da Ambev pelo Cade era só jogo de cena ou a Kaiser aprendeu rapidamente a transformar adversidade em oportunidade.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorAbaixo a ditadura
Próximo artigoPista

Artigos Relacionados

Petrobras também foi ao mercado em Londres

Estatal criou subsidiária na década de 80 para atuar nas Bolsas.

Petroleiras ganham dinheiro no mercado, não com produção

Desde a década de 1980, companhias viraram empresas financeiras.

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Últimas Notícias

Prédio da Editora Três vai a leilão

Com quase 130 mil m², lance mínimo é de R$ 40 milhões.

Diálogo entre China e Reino Unido fortalece cooperação bilateral

O vice-primeiro ministro chinês Hu Chunhua realizou um diálogo via telefone nesta terça-feira, com o chanceler do tesouro britânico Rishi Sunak, sobre o avanço da cooperação prática bilateral.

TingHua cria experiência de degustação multissensorial de baijiu

A produtora de cachaças chinesas TingHua, localizada na cidade de Yibin na Província de Sichuan no sudoeste da China, lançou recentemente seu produto novo TingHua baijiu (um tipo de cachaça chinesa), que é caracterizada pela sua experiência única de degustação de cinco etapas.

Oportunidades vistas em maior recuperação produtiva após corte de RRR

O corte do coeficiente de reserva exigida (RRR, sigla em inglês) do Banco Central da China com início do 15 de dezembro deve oferecer um melhor apoio à economia e pode estimular oportunidades de investimento a partir de uma maior recuperação da lucratividade dos fabricantes listados, relatou a Xinhua Finance citando a China Merchants Fund Management Co., Ltd. na terça-feira.

Primeiro lote de e-commerce transfronteiriço de Hainan FTP no exterior

Uma empresa chinesa do porto de livre comércio (FTP, sigla em inglês) de Hainan exportou recentemente o primeiro lote de mercadorias para seu depósito no exterior por meio do comércio eletrônico transfronteiriço.