Passividade

A passividade com que o Itamaraty aceitou a decisão da Organização Mundial do Comércio (OMC) de conceder uma compensação de US$ 1,4 bilhão a favor do Canadá contra o Brasil não faz jus ao serviço diplomático brasileiro, que, ao lado do francês e do soviético, já foi considerado um dos três melhores do mundo na defesa dos interesses de seus países.
O sentimento de impotência tipicamente tucano diante do enfrentamento com interesses externos não encontra sustentação nos fatos. Para fazer garantir seus interesses, o Canadá ameaçara retaliar o Brasil com corte de US$ 700 milhões por ano nas vendas de nosso país. Tudo bravata em que só tucano acredita. Ano passado, as exportações de lá para cá somaram US$ 972 milhões, contra vendas de cá para lá de US$ 513 milhões, gerando superávit canadense de US$ 459 milhões. Ou seja, se as ameaças canadenses não fossem meramente virtuais, seriam um tiro no pé, pondo fim a relações comerciais que lhe são extremamente vantajosas.
Outra opção
A passividade diante da OMC sequer é unânime no governo. Há não pouco tempo, o então ministro da Indústria, Francisco Dornelles, acusou a organização de ser composta por “um bando de desocupados interessados em prejudicar o Brasil”. Não por acaso, à época em que Dornelles ocupou a pasta, sua equipe e os rapazes do Itamaraty, comandado por Celso Lafer – defensor da integração passiva do Brasil à globalização – andaram às turras durante as discussões sobre a implantação da Alca.
Ativo
Antes de submeter o país servilmente à decisão da OMC pró-Canadá, o Itamaraty deveria explicar aos brasileiros que fim levaram as sanções adotadas pela organização contra os Estados Unidos, que, alegando “razões ecológicas” taxaram as importações de gasolina do Brasil e da Venezuela. Condenados pela OMC, que considerou sua atitude protecionista, os EUA pediram prazo de 18 meses para pôr a resolução da OMC em prática. Seria uma boa oportunidade para o país saber como a novela acabou e para o Itamaraty aprender como diplomatas norte-americanos defendem os interesses de seu país.
Sem vôo próprio
A propósito, independentemente da posição passiva do governo diante a OMC, o episódio deu nova demonstração dos malefícios da privatização. Toda a argumentação do Canadá contra o Brasil se sustenta nos generosos subsídios de cerca de R$ 4 bilhões com que o governo contempla uma única empresa, a Embraer, privatizada sob a alegação de deixar de viver à custa do contribuinte.

Cassino local
O analista da Click Invest Gabriel Jaffet acredita que a Bovespa precisa de capital estrangeiro para voltar a subir com fôlego. Mas lamenta que bolsa brasileira não atrai mais os estrangeiros dispostos a investimentos de risco, porque a volatilidade que eles querem para operar (e ganhar) já encontram na Nasdaq.

Prevenção
O Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio de Janeiro (Crea-RJ), o Movimento de Cidadania pelas Águas, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e o Greenpeace estão preparando um abaixo assinado a ser encaminhado ao Congresso Nacional e ao governo federal solicitando a apreciação, em caráter de urgência urgentíssima, dos projetos de lei sobre moratória para o plantio de transgênicos. Segundo o documento, o objetivo é “permitir que se pesquise exaustivamente os efeitos dos transgênicos para a saúde humana e animal, bem como para o meio ambiente”, e permitir um amplo debate sobre a conveniência da introdução desses plantios. O documento exige ainda a rotulagem de produtos transgênicos, como determina o Código do Consumidor, e a rigorosa fiscalização das importações.

Ligações
Reportagem da agência de notícias Bloomberg, publicada no jornal The Miami Herald, traz algumas insinuações perigosas para o Banco Central ao comentar as perdas de negócios do banco de investimentos J.P. Morgan & Co. no Brasil. Executivos da instituição, não identificados, atribuem a queda nos negócios ao fato de eles não manterem laços de amizade com o presidente do BC, Armínio Fraga, ou seus principais assessores. “Os concorrentes do Morgan mantêm. O representante no Brasil do Merrill Lynch, Marcílio Marques Moreira, por exemplo, foi quem deu a Armínio seu primeiro emprego no BC, há alguns anos”, destaca a Bloomberg. O J.P. Morgan perdeu para o Merrill Lynch e para o Morgan Stanley Dean Witter – de onde Francisco Gros saiu para presidir o BNDES – a liderança no lançamento de bônus do Brasil. Das cinco emissões no valor US$ 8,8 bilhões, o J.P. não levou nenhuma. Daniel Gleizer, do BC, destaca na reportagem que o banco norte-americano falhou em questões de timing e estrutura. Já o J.P. destaca que lançou sete bônus da Argentina e três do México.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCaixa preta
Próximo artigo“Orange”

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Receita: brasileiros movimentaram R$ 127 bi em criptomoedas em 2020

O subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Jonathan de Oliveira, disse, nesta quarta-feira em audiência na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara...

Elevar Selic para 7,75% será eficaz no combate à inflação?

Analistas prevêem taxa de 11% em maio de 2022.

Carteira da massa falida do Banco Cruzeiro do Sul

Por Antonio Pietrobelli.

Vencimento de título corrigido pela Selic puxa queda da Dívida Pública

O vencimento de mais de R$ 200 bilhões em títulos públicos vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia) fez a Dívida Pública Federal...

Quase 80% pretendem fazer compras no período da Black Friday

Varejo eletrônico gasta mais com publicidade para a data do que para o Natal.