País doente

A insatisfação com os serviços de saúde é a principal queixa dos idosos brasileiros em relação aos serviços oferecidos a eles no país. A constatação é de pesquisa, realizada em janeiro e fevereiro, pela Boriola Consultoria. Dos 730 idosos e 270 pensionistas de várias cidades brasileiras ouvidos pela empresa, 822, 82% do total, disseram estar descontentes com a saúde pública, particularmente com a demora no atendimento e a falta de remédios.

E o salário ó!
A segunda maior queixa (79,4%) dos dois grupos é quanto ao valor do salário mínimo, de R$ 350, considerados insuficiente, o que obriga os idosos a fazerem “bicos” para garantir o próprio sustento ou da família: “É triste sabermos que muitos brasileiros não conseguem viver com o que ganham. É vergonhoso receberem um salário de R$ 350. Para essas pessoas, muitas vezes buscar empréstimos em financeiras ou bancos tem sido a solução. O grande problema é que acabam entrando em dívidas. As altas taxas de juros embutidas nas parcelas acabam prejudicando os cidadãos”, critica o consultor financeiro e presidente da empresa, Cláudio Boriola, acrescentando que 81,7% dos entrevistados estão endividados.

República dos velhinhos
O Brasil tinha 14,5 milhões de idosos – com 60 anos ou mais – equivalentes a 8,6% da população total do país, segundo o Censo 2000 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em uma década, o número de idosos no Brasil cresceu 17%. Em 1991, o índice correspondia a 7,3% da população.

Outro Brasil
O Instituto de Economia da UFRJ vai homenagear, nesta sexta, José Ricardo Tauile realizando o seminário “Economia, trabalho e o sonho de um outro Brasil”. Tauile trabalhava com o secretário Nacional da Economia Solidária, Paul Singer, quando faleceu, em 10 de dezembro. O seminário será realizado às 11h no Salão Pedro Calmom, no campus da Praia Vermelha. Informações: www.ie.ufrj.br

Um salário e meio
Por menos de R$ 520 por mês não dá para andar de carro em São Paulo, calcula a agência AutoInforme. Isso é o que se gasta para rodar com um modelo 1.0 básico, seminovo, como por exemplo um Uno Mille. Na despesa não estão incluídos gastos com a prestação do veículo, mas apenas os custos para andar com o carro e fazer manutenção, como seguro, IPVA, pneus etc. O levantamento mostra que o gasto mensal com uma picape é de R$ 790 e com um carro médio chega a R$ 820.

Paralisia
“Este projeto não é prejudicial à construção civil, ele traz danos para toda a cidade. É um desserviço e traz graves consequências econômicas e sociais”. Dessa forma o presidente do Sindicato da Construção do Rio de Janeiro (Sinduscon-Rio), Roberto Kauffmann, classifica projeto de lei complementar da Câmara Municipal do Rio de Janeiro que suspende a concessão de licença para as construções multifamiliares com mais de dez unidades, bem como licenciadas que não tenham atingido a primeira laje e sejam inseridas em área que não tenha Projeto de Estruturação Urbana aprovado, até a entrada em vigor do novo Plano Diretor da Cidade, ainda em discussão. Também ficam sustados, até a entrada em vigor do novo Plano Diretor, todos os protocolos de solicitação de licença para novas construções, efetivados junto à Secretaria de Urbanismo.

Servidores
Com o placar de 32 votos a um – do líder do governo, Paulo Cerri (DEM) -, a Câmara Municipal do Rio derrubou veto do prefeito César Maia (DEM) ao substitutivo da lei que torna a Guarda Municipal órgão da administração direta. Com isso, os guardas municipais estão mais perto de se tornarem servidores estatutários. O substitutivo fora apresentado pela vereadora Andrea Gouvêa Vieira (PSDB). A guerra pode continuar na Justiça, como parece ser o desejo do prefeito.

Reserva de mercado
Na nota “Carbono”, publicada, ontem, aqui, a propósito de seminário em São Paulo sobre créditos de carbono, a coluna definiu essa prática como “uma espécie de mercado futuro que garante direito aos países ricos de transferirem a poluição para a periferia”. Na verdade, ao se comprometerem a poluir menos seu meio ambiente, a periferia garante é que nações desenvolvidas tenham o direito de continuarem crescendo e poluindo seus próprios territórios, porém, com a consciência, digamos, mais limpa.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Rio manda R$ 2,4 tri para União e só recebe R$ 171 milhões

Estado é um dos mais prejudicados da Federação.

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...