PEC da Reforma Administrativa apenas ‘desmonta o serviço público’

Alerj instalou a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público.

A PEC da Reforma Administrativa (Proposta de Emenda à Constituição 32) tem “gravíssimas falhas conceituais”, e a sua precária elaboração leva a uma “incapacidade de conduzir a um resultado positivo, mas sim ao desmonte do regime jurídico único, da estabilidade no cargo e das possibilidades de um serviço público profissionalizado e protegido de desmandos e arroubos”.

A análise foi feita pelo consultor legislativo Luiz Alberto dos Santos, advogado e técnico do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), segundo a RBA. “Poucas vezes se viu o Poder Legislativo diante de proposição tão mal construída e elaborada, e com tantas possibilidades de danos potenciais ao Estado e à sociedade, embora travestida do rótulo de ‘reforma’ e com um discurso ‘moralista’, modernizador ou de eficientização da Administração Pública para lhe dar sustentação”, afirma Santos.

Segundo o consultor, o projeto “nada traz de positivo ou inovador, porque discrimina o servidor público, porque fragiliza a sua relação com o Estado, porque destrói o pouco até aqui construído em termos de sistema do mérito, porque retira direitos e impõe limitações, porque aumenta o poder discricionário do governante, porque retira garantias dos cidadãos, porque fragiliza o regime federativo, porque fere direitos e garantias individuais, e porque afronta a separação dos Poderes”.

A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) instalou, nesta segunda-feira, a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público. Durante a audiência, os participantes também discutiram a PEC 32. O deputado estadual Waldeck Carneiro (PT) afirmou que pretende organizar um painel com objetivo de debater essa proposta com os parlamentares.

O representante do Núcleo dos Aposentados e Pensionistas do Fórum Permanente de Servidores Públicos do Estado (Fosperj), José Carlos de Arruda, ressaltou que “o novo Regime de Recuperação Fiscal [ao qual o Estado do Rio de Janeiro pediu adesão] tem pontos prejudiciais aos aposentados e pensionistas, porque nós precisamos de uma recomposição salarial imediata; além de termos que planejar uma recomposição para os próximos anos. Precisamos de políticas de investimento no estado”.

Leia também:

Senado aprova criação da S/A do futebol

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.

Taxação de refrigerantes é aprovada em comissão do Senado

Senadores querem aumentar a taxação como forma de combater obesidade infantil e diabetes.

Reduzir alíquota de ICMS não aliviará preço de combustíveis

Política equivocada do governo pode levar a falta de diesel.

Últimas Notícias

Solidus Aitech arrecadou mais de US$ 10,5 mi de fundos com tokens

Serviço de computação de alto desempenho (HPC) quer 'democratizar a IA'.

Pão pita tradicional poderá ser feito em escala industrial

Novo sistema é capaz de produzir até 1.000 quilos/hora de pita.

Policiamento reforçado em terreiros de umbanda e candomblé de Itaboraí

Terreiros foram ameaçados por pastor evangélico em show gospel.

Rodoviária do Rio inicia a 24ª Campanha do Agasalho

Desde a 1ª edição, em 1999, quase 1 milhão de peças já foram doadas.

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.