Pecado mortal

Um fantasma nada santo deve recomparecer à convenção do PMDB neste fim de semana, em Brasília. O grupo do ex-governador Anthony Garotinho promete reavivar a memória dos convencionais sobre o escândalo que levou à quebra do Banco Santos.

Juros impopulares
Dogma irremovível para as sucessivas equipes econômicas que se sucedem no comando do país há cerca de 15 anos, a manutenção de juros elevados para atrair capital estrangeiro é criticada por 52,7% dos economistas. O resultado consta de pesquisa divulgada recentemente pelo Conselho Federal de Economia (Cofecon) com o objetivo de conhecer o perfil dos economistas nacionais. Embora os dados remontem a 1996 – o mais recente sobre a categoria – quando o estudo foi realizado, a leitura de alguns deles mostra-se particularmente atual pela manutenção e pelo aprofundamento da população econômica de então.
O então recorrente déficit da balança comercial e o aumento da dívida externa eram vistos por 59,3% dos economistas como a principal causa da fragilidade econômica brasileira. Naquela época, 40% dos economistas discordavam de que as privatizações e as reformas em andamento seriam suficientes na garantia do equilíbrio fiscal.
O Brasil tem hoje cerca de 80 mil economistas, segundo o vice-presidente do Cofecon, Aurelino Levy Dias de Campos, que admite refazer a pesquisa para atualizar dados sobre o perfil da categoria, argumentando que muita coisa mudou nesses últimos dez anos: “Para ser ter uma idéia, basta observar os resultados alcançados: 82,3% dos economistas eram do sexo masculino, e apenas 17,7% do sexo feminino. Quanto à raça 84,7% declararam brancos, 11% pardos, 2,6% negros, 1,6% amarelos e 0,1% indígena”, afirma Campos.

Das razões
A decisão de estudar economia teve pouca influência da família: 73,7% dos entrevistados  não tinham pais com curso superior completo. Segundo 43%, a escolha da profissão foi influenciada pela vontade de conhecer e entender os problemas dos países; para 15,5%, pela conquista de emprego, e por 11,3% pela “facilidade” de acesso ao curso.

Perfil
O principal empregador era o setor público: 45,6%, contra 40,8%, que trabalham em empresas privadas nacionais e multinacionais – no Centro-Oeste, esses índices eram de 34,8% e 19,1%, respectivamente. Os que eram funcionários públicos, no entanto, ganhavam 20% a menos que o rendimento médio da categoria.

Nacionalismo seletivo
Em sua coluna na Folha de São Paulo, de quinta-feira, o economista Paulo Nogueira Batista Jr. recorre a fina ironia para criticar o nacionalismo de ocasião que irrompeu em setores da imprensa tupiniquim: “A crise com a Bolívia desencadeou, em certos meios políticos e jornalísticos brasileiros, uma súbita e veemente onda nacionalista. O clima é de indignação ruidosa e preocupação alarmada com os interesses nacionais. Há muito tempo não se vê tanta ênfase patriótica na imprensa e no Congresso. Até notórios integrantes da famigerada quinta-coluna enrolaram-se na bandeira nacional e exigiram providências duras contra o país vizinho. São os mesmíssimos políticos, jornalistas e economistas que se notabilizam por grande docilidade quando há conflitos de interesses, não com a pobre Bolívia, mas com os Estados Unidos ou outros países desenvolvidos. Um espetáculo edificante.”

Muy amigos
O diretor de Comunicação da Associação de Engenheiros da Petrobras (Aepet), Fernando Siqueira, revela que os ataques contra a Petrobras, na Bolívia, não partiram do governo  nem do povo boliviano, mas da concorrência multinacional: “Soube por companheiros que trabalhavam na Bolívia que a Repsol, detentora do maior volume de reservas no país (25%), antes da nacionalização, vinha fazendo campanha junto à população boliviana contra a Petrobras, que detém apenas 13% das reservas”, conta.

Fora de foco
Se o ministro das Comunicações, Hélio Costa, canalizar para sua área de atuação o mesmo furor com que se lançou na defesa dos interesses nacionais em relação ao gás que vem da Bolívia, os brasileiros terão muito a ganhar. Nesse caso, os defensores de conteúdo e padrão tecnológico nacionais para a TV digital ganharão um aliado que, pelo posto que ocupa, poderá fazer muito mais do que gritar slogans nacionalistas.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMeca
Próximo artigoEstado de choque

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Arrecadação atípica de exportação de commodities turbina receita

Tributos alcançam quase R$ 1,2 tri em 8 meses e batem recorde.

Indústria da hipertensão e diagnóstico por imagem movimentará R$ 22 bi

Foram realizados cerca de 55,6 milhões de procedimentos ambulatoriais e hospitalares.

Receita apreende mercadorias piratas avaliadas em R$ 1 milhão

Foram apreendidos na operação 170 volumes de mercadorias englobando videogames e acessórios, roteadores, entre outros.

Prorrogada a CPI dos royalties do Rio por 30 dias

Prorrogação do prazo se deve à complexidade da matéria e aos vários documentos requisitados que ainda estão sendo recebidos pela comissão.

Governo dos EUA se prepara para paralisação na semana que vem

Em outra frente de luta, líder democrata Nancy Pelosi anuncia acordo sobre pacote de Biden.