Pechincha

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) afirmou que está disposto a comprar a fazenda dos filhos do presidente Fernando Henrique Cardoso, em Buritis (MG), pelo valor declarado no Imposto de Renda. Este valor, segundo ele, seria de apenas R$ 1.600. Requião disse que está disposto a doar a fazenda para a reforma agrária. Ele reclamou da falta de investigações sobre o valor da fazenda.
Problema social
O conflito entre o presidente FH, o governador Itamar Franco e o MST repercutiu no plenário do Senado. O senador Pedro Simon (PMDB-RS) defendeu a desapropriação de fazenda dos filhos do presidente FH, em Buritis: “Não existe amparo legal para o Exército ser utilizado na proteção de patrimônio particular e aquela fazenda já se transformou em problema social. Pode muito bem ser desapropriada e transformada em estação experimental para a agricultura”, afirmou Simon. O senador criticou ainda o MST, por invadir prédios públicos, e considerou exagerada a reação de Itamar, que ameaçou utilizar a PM contra o Exército.

Sueco-nipônico
A Volvo Penta, integrante da holding da Volvo, anuncia durante a Feira Internacional de Maquinários e Marítimos de Hamburgo (SMM 2000), que começa no próximo dia 26, naquela cidade alemã, que passará a ser a fornecedora exclusiva dos motores da Mitsubishi Motors Diesel. A gigante sueca fornecerá motores Penta até 2.190 cv para a empresa japonesa, que teve sua montadora de automóveis comprada recentemente pela Daimler Chrysler e enfrenta processos por falhas nos veículos que produziu.

Presença feminina
A atual superintendente-geral da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Norma Parente, se tornou a primeira mulher a ocupar o cargo. Funcionária da autarquia praticamente desde o início das suas atividades, Norma passou apenas um ano e meio desvinculada do órgão.

Liberdade ameaçada
Crescem as tentativas de se impor restrições ao livre exercício de informar e são usados os mais variados argumentos para justificar propostas de emendas constitucionais, projetos de lei, processos cíveis e penais, além de ameaças físicas aos profissionais. A conclusão é do  Relatório Anual ANJ sobre Liberdade de Imprensa, relativo a setembro de 1999 a agosto de 2000, divulgado pela Associação Nacional de Jornais. Uma das ameaças é a impunidade. Os assassinatos de sete jornalistas entre 1995 e 1998 até hoje não tiveram solução. O relatório apontou outra forma de censura mascarada, que tem encontrado amparo na via judicial. “Registram-se como lamentáveis ocorrências contra a liberdade de imprensa as sucessivas sentenças judiciais que, a título de recompor danos morais, penalizam empresas jornalísticas a pagar valores elevados que ameaçam a sua sobrevivência e até determinam o seu fechamento”. A ANJ alerta que é preciso estar vigilante quanto à tramitação, agora no Senado Federal, da chamada Lei Mordaça, projeto de lei de iniciativa do governo federal, enviado ao Legislativo em 1997 e aprovado na Câmara dos Deputados, que parecia ter sido sepultado junto com a derrota sofrida por igual iniciativa na emenda constitucional da reforma do Judiciário.

Intervenção
Reunidos no XXX Congressos de Jornalistas, em Salvador, representantes da categoria divulgaram documento anunciando a disposição de denunciar a intervenção dos Estados Unidos na Colômbia, “mascarada de combate ao narcotráfico”. E defenderam “a imediata implantação do Conselho Nacional de Comunicação Social”. Previsto na Constituição, o projeto está engavetado há dez anos no Senado. No concentrado mercado do país, o conselho seria um importante passo no processo de democratização dos meios de comunicação.

Dureza
Da vice-presidente de Assuntos de Corporativos da Companhia Siderúrgica (CSN), Sílvia Bastos, reclamando dos salários dos altos funcionários públicos: “É muito difícil viver só com R$ 5 mil.” É a mesma executiva que torceu o nariz quando o governador Anthony Garotinho anunciou a disposição de elevar o salário mínimo no estado para R$ 200.


O descruzamento das participações acionárias entre a Vale e a CSN, ao que parece, não estava marcada apenas por divergências entre Benjamin Steinbruch e outros sócios de peso, como a BradesPar e Previ. O plano estratégico, segundo fontes de mercado, estaria pronto e engavetado. Não deve demorar a aparecer. Outro aspecto que dificultou e postergou a negociação é que, dentro de pelo menos um dos lados da contenda, a união também não era total. As famílias Steinbruch e Rabinovitch, controladoras do Grupo Vicunha, teriam estratégias diferentes para resolver a questão.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorImportador líquido
Próximo artigoOrgulho

Artigos Relacionados

Ameaça de demissões expõe crise na Saúde

Piso de menos de 4 SM para enfermagem revela desvalorização.

Qual a parcela de culpa da Ericsson no terrorismo?

Multi sueca é processada por pagar propina no Iraque que teria chegado ao Estado Islâmico.

BC eleva juros, mas inflação segue disseminada

Remédio errado a partir de diagnóstico equivocado.

Últimas Notícias

Dívida do Rio cairá para menos da metade se corrigida pelo IPCA

Alerj vai ao STF para recompor perdas com ICMS dos combustíveis e energia.

Cinco gigantes estatais chinesas abandonam Bolsa de Nova York

Anúncio ocorre em meio a tensão entre China e EUA; ações seguirão negociadas em Hong Kong e Xangai.

Desemprego cai em 22 das 27 unidades da federação

Tocantins teve maior recuo no segundo trimestre do ano.

TCU encontra brechas na segurança de informação federal

Equipamentos pessoais constituem risco de entrada para ataques.

Brasilux entra no mundo do metaverso

Empresa cria evento com a apresentadora Renata Fan em auditório virtual.