PECs de Guedes não recuperam economia nem criam empregos

Para economista da Unicamp, objetivo continua sendo alimentar a ciranda financeira.

As três propostas de emenda à Constituição (PECs) – do pacto federativo, dos fundos públicos e emergencial – propostas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, “não têm nenhuma possibilidade de estimular a atividade econômica ou a geração de empregos”, na análise da economista e pesquisadora do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (Cesit), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Marilane Teixeira. “Temos 13 milhões de desempregados e um nível de informalidade que atinge recordes. E em vez de enfrentar isso, os projetos vão no sentido oposto. Elas vão todas no mesmo sentido, que é essa ideia de redução do Estado”, destacou, em entrevista para a Rádio Brasil Atual.
Guedes apresentou três PECs e dois projetos de lei, como uma proposta de ampla reforma econômica do país. No entanto, Marilane avalia que os textos não dialogam com o mundo real, com a vida das pessoas, mas apenas com os grandes rentistas que querem abocanhar cada vez mais o orçamento público. “Isso aparece bem claro no texto das PECs. Tudo o que for considerado superávit vai ser usado no pagamento da dívida pública. E como você obtém superávit? Justamente estabelecendo regras que limitem os gastos públicos. O objetivo continua sendo alimentar a ciranda financeira”, afirmou.
Além disso, os textos das PECs de Paulo Guedes têm um grande potencial para agravar a crise econômica e a situação de pobreza da população. A emergencial, por exemplo, permite que os estados, municípios e o Governo Federal reduzam arbitrariamente 25% da jornada de trabalho e dos salários dos funcionários públicos, se as suas despesas obrigatórias ultrapassarem 95% das receitas.
“Isso vai totalmente na contramão de uma política anticíclica, que é justamente ampliar os gastos públicos, os investimentos, para poder retomar a atividade econômica. Tem um impacto enorme primeiro sobre a dinâmica econômica de estados e municípios, que dependem dos servidores públicos que têm uma renda estável. Se a situação é emergencial, ao reduzir a capacidade consumo das pessoas, você só vai agravar esse quadro”, avaliou Marilane.

Artigos Relacionados

Só 3,5% das empresas têm mulheres como CEO

BR Rating ouviu 486, sendo 57% de capital nacional e 43% multinacionais Apenas 3,5% das corporações têm mulheres atuando como CEOs, uma prova de que...

PEC do calote quer elevar Bolsa Família para R$ 400

Proposta é parcelar dívidas reconhecidas pela justiça para criar o Auxílio Brasil.

Preços de commodities turbinam balança comercial

Mesmo com valores recordes de produtos básicos, exportações cresceram menos que importações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

EUA: 3,5 milhões de despejos

Mais de 3,5 milhões de norte-americanos estão ameaçadas de despejo poucos dias após o término da prorrogação da medida de proteção aos inquilinos inadimplentes...

STF dá prazo para Bolsonaro explicar bloqueio de jornalistas

O presidente da República terá 10 dias para explicar o bloqueio de jornalistas em seu perfil no Twitter. O prazo foi estipulado pela vice-presidente...

Bolsonaro descarta tributar grandes fortunas

A possibilidade de instituir imposto sobre grandes fortunas, tabelamento de preços ou aumento de carga tributária no Brasil foi descartada nesta segunda-feira pelo Jair...

Só 3,5% das empresas têm mulheres como CEO

BR Rating ouviu 486, sendo 57% de capital nacional e 43% multinacionais Apenas 3,5% das corporações têm mulheres atuando como CEOs, uma prova de que...

Brasil pode ser principal player para investimentos verdes

“Atualmente, estima-se R$ 30 bilhões em gestão de títulos verdes no país, com grande potencial de crescimento, frente a US$ 1 trilhão de recursos...